O que podemos aprender com o homem que perdoou o assassino do próprio pai

Steve Saint tinha apenas 5 quando seu pai, Nate, um missionário cristão que trabalha no Equador, foi morto por um grupo da tribo Waodani, que esperou ele e seus quatro colegas americanos que se preparavam para levar a mensagem de Jesus para os habitantes da remota selva amazônica, cujo ciclo interminável de mortes por vingança os tinha levado à beira da extinção. Essa triste história tem 51 anos.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Meu pai era meu herói”, diz Saint por telefone, de Nova York, de onde dá entrevistas para promover o filme “End of the Spear”, (No Brasil ganhou o nome “Na Ponta da Lança”) longa baseado nos 1.956 assassinatos ocorridos na região e suas consequências.

“Todos os meus sonhos quando garotinho giravam em torno dele. Eu queria ser como ele”, continua Saint descrevendo suas emoções. “Ainda me lembro desse sentimento de que tudo mudou. Eu pensei que não havia mais pelo que viver. A vida tinha acabado”.

Mas Saint seguiu em frente, e hoje ele diz que está muito parecido com seu pai e até faz as cenas como piloto acrobático para o filme.

Ele que foi levado ainda muito menino para viver entre os Waodani, não fazia ideia, até mais tarde, de que um dos membros e que dormia no quarto ao lado era um dos assassinos de seu pai: Mincaye (chamado Mincayani no filme).

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Steve Saint as a boy with one of the Waodani warriors, Kimo. Credit tk
Steve Saint ainda garoto e um dos guerreiros Waodani, Kimo. Crédito tk

Alguns questionaram porque ele nunca procurou saber e ele explica que na cultura deles não se faz esse tipo de pergunta, pois se o faz quer dizer apenas que está tramando vingança.

Porém, foi inevitável que Saint viesse a descobrir da participação de Mincaye na morte de seu pai, mas nessa altura Saint diz: “Eu o amava e sua família e seu povo, e eu sou parte deles.”

“Eu sei que parece estranho”, diz ele lembrando um comentário de um escritor norte-americano há alguns anos. “Ele disse, ‘eu posso até perdoá-lo na minha cabeça, mas não teria nada a ver com ele mais. O fato de vocês serem amigos, família, de que você o ama que é mórbido.'”

Sim, Saint e o assassino de seu pai são amigos. Supere.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Eles são vizinhos parte do ano, pois Saint mantém uma casa na aldeia Waodani, onde mora quando não está viajando ou trabalhando na Flórida, na “People’s Technology and Education Center”, uma organização fundada em 1997 para levar consultórios odontológicos móveis e outras tecnologias para os povos primitivos.

E os dois fazem diversas coisas no estilo pai e filho juntos. E essa não é a parte estranha.

stevewao2

O que é estranho é ouvir a maneira quase casual que Saint fala sobre matar, ou pelo menos da maneira como relata o ocorrido entre os Waodani, mencionando de modo aparentemente sem constrangimento que, apesar, de uma queda vertiginosa no número de homicídios, ainda existem assassinatos “relativamente isolados”. “Havia uma mulher Waodani”, diz ele. “Ela tinha vivido no exterior e havia voltado, e ela estava fazendo pose, tentando chamar a atenção dos jovens, agindo promiscuamente E as pessoas acharam que era inaceitável. Então, finalmente, meu amigo espetou ela.”

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Tão bárbaro quanto esse comportamento pode parecer aos nossos ouvidos, Saint aponta que os caminhos do mundo moderno são igualmente incompreensíveis para Mincaye, que por exemplo fica consternado com os documentários no History Channel sobre a Segunda Guerra Mundial e o Holocausto.

Image processed by CodeCarvings Piczard ### FREE Community Edition ### on 2015-05-18 17:07:27Z | http://piczard.com | http://codecarvings.com

“Quando Mincaye ouviu o que tinha acontecido em Columbine ele olhou para mim e disse: ‘Você quer dizer que as pessoas que são tão inteligentes que podem fazer pequenas caixas que falam em longas distâncias, que podem fazer aviões pesados voar, que tem medicamentos que fazem doenças, como a febre, ir embora – que podem fazer todas essas coisas – você está me dizendo que eles vivem com raiva e ódio e matam por nenhuma razão?”

Com certeza uma questão e história de dar nó na cabeça, no que acreditamos e pensamos. É como falam, nunca sabemos como vai ser com a gente até que aconteça.

Veja o trailer do filme originado dessa história extraordinária:

Fonte: The Washington Post

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM



Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
2,849,393SeguidoresSeguir
24,910SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Bióloga que salvou Arara Azul da extinção vira personagem da Turma da Mônica

Na última terça-feira (11), foi celebrado o Dia Internacional das Meninas e Mulheres na Ciência. Para comemorar a data, a Mauricio de Sousa Produções...

Vídeo-campanha faz um alerta sobre a desvalorização do professor. Assista!

A rede Multisom produziu um vídeo-campanha que faz um alerta sobre a desvalorização dos professores colando em suas lojas cartazes com erros de português....

TV Cultura libera todos os episódios de Castelo Rá-Tim-Bum no Youtube

Quem tem 30 e poucos anos deve reconhecer algumas dessas expressões: "Klift Kloft Still, a porta se abriu!”. A frase, sempre dita pelo Porteiro, anunciava a entrada...

Páscoa Solidária: Pessoas distribuíram ovos de chocolate para desconhecidos na rua

Que tal fazer uma Páscoa diferente?? O projeto "Eu Acredito" distribuiu ovos de chocolate para desconhecidos e a reação foi surpreendente! Um simples gesto que inspira...

Nova Zelândia dará licença paga a vítimas de violência doméstica

País aprovou licença remunerada de 10 dias para vítimas de violência doméstica.

Instagram

O que podemos aprender com o homem que perdoou o assassino do próprio pai 3