Operário vende máscaras na rua para ajudar costureiras que estão sem renda

Alguns profissionais estão sofrendo muito com esse período de distanciamento social, mas sempre tem um jeitinho de contornar a situação se todo mundo se ajudar.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Em São Paulo, um operário de metalúrgica, que é também um pequeno empreendedor, decidiu mudar o perfil do seu negócio para vender máscaras de tecido e, assim, poder ajudar várias costureiras.

“Eu vendo canudos ecológicos de inox e escovinhas para fazer higienização. Não tá fácil pra mim, então decidi vender máscaras, mas o legal disso tudo é que através de mim venho ajudando costureiras que não têm fonte de rendas”, explicou Denis Condi.

Dessa forma, ele tem contribuído com a renda familiar de 7 costureiras. “Algumas estão usando esse dinheiro das máscaras para comprar alimentos pra casa“, disse Denis.

Empreendedor organizando máscaras que vende para ajudar costureiras
Denis organiza o material e distribui para vendedores. Foto: Arquivo pessoal

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Denis compra os tecidos, passa para as costureiras, paga pelo trabalho delas, e repassa as máscaras para vendedores ambulantes, que vendem a um baixo custo, tudo de forma bem improvisada, mas que garante uma renda mínima para várias pessoas.

“Eu sou encarregado de produção em uma metalúrgica, dali eu tiro minha renda para pagar contas de casa. Esse dinheiro de máscaras e canudos é mais para ajudar esse pessoal que tanto precisa”, explicou.

Você pode ajudar um empresário que está com a fábrica fechada a reativá-la para produzir máscaras para os profissionais de saúde. Criamos uma vaquinha no VOAA. Clique aqui e contribua!

Barraca onde empreendedor vende máscaras para ajudar costureiras
Denis começou a vender canudos ecológicos em barraquinha, onde hoje também vende as máscaras. Foto: Arquivo pessoal

O Razões tem seu próprio podcast para espalhar boas notícias, ouça os episódios na sua plataforma favorita clicando aqui.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Iniciativa populariza acesso a máscaras e canudos

Com essa ideia, Denis está favorecendo que as pessoas mais pobres possam ter acesso a máscaras a um preço baixo.

Máscaras da Minnie
Com iniciativa, Denis consegue vender máscaras ao preço de R$ 4,00. Foto: Arquivo pessoal

E antes mesmo dessa iniciativa, ele já havia despertado para a necessidade de popularizar alguns artigos. É o caso do canudinho reutilizável, que custava muito caro, cerca de R$ 40 e ele passou a vender a R$ 10.

Pra isso, Denis compra a matéria bruta, que ele conseguiu a preço de custo em uma fábrica, e faz o processo de usinagem em casa.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

A USP criou um ventilador de respiração mecânica que é feito em duas horas e 15 vezes mais barato.

Canudos reutilizáveis
Canudos são vendidos com escovinhas reutilizáveis. Foto: Arquivo pessoal

“Fiz a barraquinha, peguei pessoas desempregadas e coloquei para vender. Aí foi indo”, contou. Nesse período, todos os vendedores estão comercializando as máscaras utilizando máscaras para também se proteger.

Boa, Denis!

selo conteúdo original

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM



Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,644,941SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Relato de pai sobre a paternidade diz muito sobre a maternidade

“A rotina de criar um filho é massacrante, por mais prazerosa que seja.”

Harlem ‘Parkinson’ Shake

Harlem Shake de tudo quanto é jeito, e esse foi o único que me impactou e comoveu. "Agitar (ou balançar). Engraçado para alguns..." "Luta diária...

Projeto ‘Que ônibus passa aqui?’ ajuda pessoas a descobrir os itinerários dos coletivos

A pergunta se repete: “Que ônibus passa aqui?”. A falta de sinalização nos pontos de ônibus de Porto Alegre levou à iniciativa com o...

Pague o quanto puder: uma nova forma de pensar a medicina alternativa no Brasil

A Rafaela Rocha tem um projeto mega bacana (desses que te dá orgulho por ser de uma brasileira) de popularização da medicina alternativa: o...

Dado como morto e com paralisia cerebral, indiano conclui doutorado

O indiano Akshansh Gupta, 32 anos, terminou recentemente seu doutorado em interface cérebro-computador na prestigiada Universidae Jawaharial Nehru, em seu país natal. Gupta, dado como...

Instagram