Mesmo desempregado, padeiro assa e distribui centenas de pães para moradores da Rocinha (RJ)

Mesmo desempregado, o padeiro Isael Jacinto da Costa, 52 anos, já assou e doou cerca de 900 pães para moradores da favela da Rocinha (RJ).

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Isael preparou os pães com o último salário que ganhou de um “bico”. Desempregado desde 2017, é fazendo bicos que ele consegue sustentar a família. Seu maior sonho é montar uma padaria e ter seu próprio negócio.

Para ajudá-lo, criamos sua vaquinha na VOAA. Clique aqui e contribua.

Sem trabalho, ele sonha abrir uma padaria no alto do morro

Isael possui os materiais básicos da profissão, mas não são suficientes para tirar o sonho do papel.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Máquinas como divisora, modeladora, cilindro, amassadeira e um forno turbo podem custar até R$ 5 mil cada.

padeiro segurando cesto pães
Isael usou o dinheiro de um “bico” para assar pães para a comunidade. Foto: Arquivo pessoal

“Mesmo ele montando a padaria, acredito que ele continuará tendo o bom coração e gratidão de dar pão para quem não tem dinheiro para comprar”, afirma o jornalista Michel Silva, do jornal Fala Roça!, que trouxe a história do Isael pra gente.

Ajude o Isael a montar uma padaria e ter seu próprio negócio. Clique aqui e doe.

Padeiro preparou pães com último salário que ganhou de um “bico”

Primeiro, Isael assou 200 pães. A quantidade atendeu poucas famílias da Bica da Palmeira, na parte alta da Rocinha.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Foi então que ele pegou o dinheiro que ganhou de um trabalho temporário numa padaria do morro e comprou os ingredientes para fazer mais 700 pães para doação.

Em São Paulo, padeiros repetem o exemplo de Israel, doando 4 mil pães todos os dias para profissionais de saúde.

E olha que legal: o dono da padaria deixou Isael assar os pães ali mesmo de graça! 😍

fornalha pães
Pães quentinhos para quem tem fome. Foto: Arquivo pessoal

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Ajude o Isael a montar uma padaria e ter seu próprio negócio. Clique aqui e doe.

Família não conseguiu o auxílio emergencial

Isael nasceu em Divino São Lourenço, cidade de 5 mil habitantes, no sul do Espírito Santo. Saiu do interior para morar na Rocinha há 30 anos.

Ele é pai de 7 filhos e todos da família ajudam a colocar os pães em sacolas plásticas nos dias de doações. Nenhum deles teve o auxílio emergencial do governo aprovado.

“Ninguém aqui em casa foi aprovado ainda. Minha família me cadastrou, mas a primeira vez não fui aprovado”, lamenta.

Isael não tem garantia de que continuará fazendo sua boa ação. Ele quer muito doar pães para quem tem fome, mas para isso precisa de um emprego fixo ou um novo bico, o que mais tem feito nos últimos anos.

Vamos ajudar Israel a montar uma padaria e ter seu próprio negócio? Clique aqui e faça sua doação.

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM




Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,857,801SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Moletom com capuz inflável te permite tirar um cochilo onde você quiser

Dar aquela cochilada voltando pra casa no ônibus ou descansar um pouco pós almoço ganharam um novo aliado: um moletom com capuz inflável. Josh Woodle...

Após mãe ter ficado cega, filho aprende fazer suas unhas e cabelo para tirá-la da depressão

Saulo Luz de Albuquerque é conhecido em Cabo de Santo Agostinho (PB) por ajudar as pessoas e pelo exemplo de amor e carinho com...

Ensaio com personagens de Star Wars estimula adoção de animais abandonados

A nova campanha da ONG canadense Ottawa Humane Society, que incentiva a adoção de animais, é inspirada na franquia Star Wars e foi produzida...

Caixa de supermercado paga compras de idoso após ele ter cartão recusado

Após presenciar a cena, o cliente relatou o ato de generosidade do caixa em um post no Facebook.

Pela 1ª vez em 40 anos, estudante com síndrome de Down se forma em Geografia pela UFJ

Pela primeira vez desde sua fundação, há 40 anos, a Universidade Federal de Jataí, em Goiás, teve seu primeiro formando com síndrome de Down:...

Instagram