Mesmo em grupo de risco, padre leva comida a sem-teto durante pandemia de Covid-19 em SP

Clique e ouça:

O padre Júlio Lancellotti, 71 anos, há décadas é conhecido pelas ações com moradores em situação de rua de São Paulo. E não seria a pandemia de coronavírus que impediria a continuidade dessas ações, pelo contrário.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Mesmo fazendo parte do grupo de risco da doença, o padre uniu voluntários para distribuir café da manhã, roupas e kits de higiene para moradores de rua do bairro da Mooca, na zona leste da capital paulista.

O padre Júlio também levou profissionais de saúde para orientar essa população sobre os perigos do coronavírus.  “Eles ensinam a lavagem correta das mãos, como proteger os outros ao tossir e a importância de evitar aglomerações”, explica.

padre júlio lancelotti cerca moradores de rua
Há mais de três décadas, o padre Júlio se dedica ao povo de rua. Foto: Reprodução.

Lancellotti repartiu álcool em gel entre os sem-teto e pediu para que trocassem abraços e apertos de mão por outro cumprimento: uma batida de cotovelos. “Precisamos ajudá-los a se prevenir como for possível.”

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Essa ação começou na última semana e deve continuar de domingo à sexta-feira, todas as manhãs, na Paróquia São Miguel Arcanjo. Um dos voluntários é a jornalista Teresa Cristina, que não é católica, mas admira o trabalho do padre Júlio e faz questão de participar.

“Aprendei desde criança que o pouco que a gente tem é uma fortuna para quem tem nada.”

Ela ajuda a separar as doações, prepara parte do café da manhã e entrega os itens.

Cobrança de ações das autoridades

Júlio Lancellotti se esforça constantemente para solicitar ao Poder Público ações que favoreçam a população de rua. Uma delas é um abaixo-assinado online para pressionar as autoridades para a abertura de abrigos.

padre júlio lancelotti distribuindo comida moradores de rua pandemia coronavírus são paulo
Padre distribuiu café da manhã, roupas e kits de higiene para moradores em situação de rua. Foto: Reprodução

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“A cidade de São Paulo tem, segundo último censo, mais de 24 mil pessoas morando nas ruas”, escreveu na petição. Então, ele pergunta: “o que será dessa população e de toda cidade durante a pandemia do coronavírus?”.

Participe do nosso canal no Telegram e receba todas as matérias e novidades do Razões, clique aqui.

Até a manhã desta terça-feira (31), a petição contava com mais de 195 mil assinaturas.

Lancellotti também oferece o espaço da Casa de Oração do Povo de Rua para acolher moradores de rua com suspeita do coronavírus. O local pode receber até 50 pessoas.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Mas precisamos que a Prefeitura, por meio das secretarias municipais de Saúde, Assistência Social e de Direitos Humanos e Cidadania, forneça ao menos o básico para garantir alguma proteção a esse povo que, assim como qualquer outro cidadão, tem direitos!

Pias para moradores de rua

Após a petição, foram instaladas pias na região central da cidade para facilitar a higienização dos sem-teto.

Mas o padre Júlio reconhece que essa e outras ações que vêm sendo realizadas não são suficientes. Todo mundo precisa compreender sua responsabilidade diante da pandemia.

“Ao invés de enxotar um morador de rua e mandá-lo embora por causa do medo, vá com a sua máscara e luva, e seja solidário”, disse, sugerindo que os voluntários ajudem com um lanche, uma bebida e itens de higiene.

“Todo mundo pode fazer isso e, de um em um, vamos diminuir o número de pessoas que vêm nos procurar todas as manhãs, pois estarão alimentados e agradecidos.”

Como ajudar

As ações do padre Júlio com a população de rua na paróquia São Miguel Arcanjo e na Casa de Oração do Povo de Rua acontecem há anos. É possível colaborar durante o ano inteiro, com doações ou sendo voluntário. Entre em contato com padre pelo Facebook.

Leia mais boas notícias em meio ao coronavírus clicando aqui.

Durante o Mês da Mulher, nós aqui do Razões junto com O Boticário contaremos histórias de mulheres que ajudam mulheres. Vamos falar sobre essa linda rede de apoio, para mostrar que #SomosFeitasDeTodas. Acesse as histórias aqui.

Fonte: Sempre Família

Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,079,218FãsCurtir
2,422,376SeguidoresSeguir
20,858SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Após humilhação, motoboy ganha mais de R$190 mil em vaquinha, moto nova e é contratado por agência de marketing

Em menos de 24 horas, batemos a meta da vaquinha na VOAA para ajudar o motoboy Matheus a dar a volta por cima, depois...

Sogro anda de mãos dadas com genro para ajudá-lo a superar medo de sair na rua com o namorado

Fran guarda algumas memórias ruins de um passado recente, quando ele sofreu preconceito por ser homossexual. O jovem foi agredido fisicamente, além de ter passado...

Confeiteira é humilhada por cobrar taxa de entrega de R$2 e recebe apoio de internautas

A confeiteira Ângela Oliveira foi humilhada por uma cliente que se recusou a pagar a taxa de entrega do seu bolo de pote. Na troca...

Vaquinha para motoboy humilhado bate mais de R$100 mil em menos de 24h

Todo mundo acordou ontem precisando engolir a seco a história do Matheus Pires, de Valinho (SP). Vivemos em um país onde ainda há muita indiferença...

Homem raspa cabelo da namorada com alopecia, depois o seu também e ela não aguenta a emoção

Quando a gente escuta que amar não tem limites, a gente fala de gestos como o de Damien! Ele namora Eva Barilaro e, recentemente, os...

Instagram

Mesmo em grupo de risco, padre leva comida a sem-teto durante pandemia de Covid-19 em SP 13