Há 13 anos, pai percorre 70 km para visitar e cuidar de filho em coma

Há 13 anos, após um longo dia de trabalho, de baixo de chuva ou de sol, Vanderlei Pimentel percorre 70 km para visitar o filho internado no Hospital de Suzano, para onde são enviados pacientes com problemas de saúde graves ou que necessitam de tratamento contínuo. A unidade de longa permanência é vinculada ao Hospital das Clínicas de São Paulo. Leidervan Pimental, de 32 anos, sofreu um grave acidente de carro aos 19, que o deixou em coma vigil, também chamado estado vegetativo, com sequelas neurológicas irreversíveis.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO


Ouça essa emocionante história! Clique no play acima!

Desde então, ele mora no hospital, pois não tem condições clínicas de receber alta e voltar para casa. Leidervan se recuperou parcialmente do acidente, mas sofreu uma para cardiorrespiratória, em que ficou sem respirar por 10 minutos com convulsões frequentes.

O jovem é totalmente dependente: não fala, não anda, enfim, não reage a nenhum tipo de estímulo. Porém, seu corpo mantém os sinais vitais preservados, como a pressão arterial, pulso e oxigenação, além das funcionalidades básicas de sobrevivência. O pai não fica um dia sem ver o filho. Vanderlei chega ao hospital por volta das 19h, depois de encerrar o expediente como vendedor de cortinas na Grande São Paulo.

Há 13 anos, pai percorre 70 km para visitar e cuidar de filho em coma 1

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Ele, inclusive, aprendeu exercícios de fisioterapia para ajudar no tratamento de Leidervan, já que o hospital oferece fisioterapia apenas 3 vezes por semana. Assim que chega ao hospital, Vanderlei beija o filho e inicia massagens específicas nas pernas, braços, tronco, mãos e pés. Depois, ele conversa com o filho, conta as novidades do dia, lê algumas revistas, jornais ou, mais frequentemente, algum capítulo da Bíblia. Quando possível, ele leva o filho ao jardim do hospital para que tome sol, veja as árvores, os pássaros e sinta a brisa do vento no rosto.

Os médicos disseram que Leidervan tem menos de 1% de chance de se recuperar. “Mas se tem 1% de chance, ainda não é o ponto final e eu não vou desistir”, disse Vanderlei, que, para manter as duas cuidadoras como acompanhantes do filho, em dois períodos, dia e noite, além das medicações extras, gasta cerca de R$ 7 mil por mês. Ele também vendeu a casa e zerou todas suas economias. Esperançoso, o pai também criou uma página no Facebook, onde relata o dia a dia do filho, e uma vaquinha virtual para conseguir manter o tratamento por mais três anos pelo menos.

Fotos: Ricardo Matsukawa/VEJA.com

[Nota da Redação]

Acreditamos que a tecnologia pode proporcionar momentos inesquecíveis, como a realização de assistir uma apresentação de balé ou viajar para a Espanha, tudo isso é possível através da realidade virtual. Assista a experiência que levamos a uma casa de repouso de São Paulo:

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Dona Gilda relembra a época de costureira e reproduz o vestido do filme “E o Vento Levou” com a ajuda da realidade virtual. Assista!

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,293,090SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Supermercado na Nova Zelândia retira plástico de frutas e verduras e vendas sobem 300%

Como parte da iniciativa "Food In The Nude" (Comida Nua) que noticiamos no mês passado, alguns supermercados da rede neozelandesa New World abandonaram o...

Dove lança diferentes embalagens para mesmo produto em apoio à diversidade

Felizmente, parece aumentar o número de marcas que nos incentivam a nos aceitarmos como somos, e que ajudam a desmistificar o padrão de beleza. E...

Menina aniversariante faz questão de levar pedaço de bolo para seu amigo sem-teto

Esta história foi compartilhada nesta semana pela Carla Roberta em seu Facebook e nós ficamos tão encantados que decidimos compartilhar também. Carla mora em...

Estagiária coloca todos da empresa para correr em prol do tratamento de uma menina de 7 anos

A Priscila Souza Rodrigues convocou os colaboradores da TOPdesk para ajudar no tratamento de uma menina que tem uma síndrome rara.

Escritor e cientista brasileiro com paralisia cerebral publicou 74 livros

O escritor e cientista Emílio Figueira tem paralisia cerebral e já publicou mais de 70 livros.

Instagram

Há 13 anos, pai percorre 70 km para visitar e cuidar de filho em coma 2