Pai refugiado que vendia canetas na rua agora tem três empresas e emprega outros refugiados

Abdul Halim al-Attar, um refugiado da Síria que foi fotografado vendendo canetas nas ruas de Beirute, agora é dono de três empresas na cidade após uma campanha de crowdfunding on-line em seu nome que arecadou US$ 191.000.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Aos 33 anos e pai de dois filhos, ele abriu uma padaria há dois meses e, desde então, adicionou uma loja de kebab e um pequeno restaurante ao seu empreendimento. Ele emprega 16 refugiados sírios.

A fotografia de al-Attar carregando sua filha dormindo em seu ombro enquanto tentava vender canetas para  motoristas no calor escaldante viralizou e tocou pessoas no mundo todo.

Gissur Simonarson, um jornalista e desenvolvedor web da Noruega, criou uma conta no Twitter (@asbuy_pens) e uma campanha no Indiegogo para levantar US $ 5.000 para al-Attar e sua família. Quando ele fechou três meses mais tarde, a campanha tinha recolhido quase quarenta vezes mais: US$ 188.685. Por outros meios ainda arrecadaram mais US$ 2.324.

“Não só mudou a minha vida, mas também a vida dos meus filhos e das pessoas na Síria que eu pude ajudar também”, disse ele. Al-Attar doou cerca de US $ 25.000 para amigos e parentes na Síria.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

E rapidamente construiu uma vida melhor para si e sua família em Beirute. Sua esposa voltou para a Síria e estão atualmente separados.

Além das empresas, al-Attar se mudou de um quarto compartilhado por todos, para um apartamento de dois quartos, Abdullelah, de 9 anos, está de volta à escola após três anos de ausência, e a pequena Reem, de 4 anos e protagonista da foto, exibe contente seus utensílios de cozinha de plástico, um balanço e um urso de pelúcia.

Para al-Attar foi um longo caminho de Yarmouk, o campo de refugiados palestinos no extremo sul de Damasco, onde ele trabalhava em uma fábrica de chocolate, até o acampamento, que está devastado pelos combates. Embora ele seja da Síria, al-Attar é palestino e não tem cidadania síria.

Receber todo o valor arrecadado está sendo uma luta. Até agora, ele só recebeu 40% dos cerca de US$ 168,000, depois que o Indiegogo e o Paypal ficaram com cerca de US $ 20.000 em taxas. O PayPal não funciona no Líbano, assim, o dinheiro é trazido para o Líbano pouco a pouco por um amigo da campanha que pode fazer saques em Dubai.

“Vendo que ele abriu um restaurante e seus filhos estão bem cuidados, fico muito feliz”, disse Simonarson em uma entrevista por telefone ao Oslo. Mas ele também disse que estava desanimado “depois de ver como é difícil o recebimento, e as complicações para refugiados abrirem uma conta bancária no Líbano. Eu acho que vai ser a minha última campanha coletiva.”

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Apesar de sua frustração e incerteza sobre quando e se ele vai receber o resto do seu dinheiro, al-Attar se sente grato. “Eu tive que investir o dinheiro, caso contrário, seria perdido”, disse ele ensacamento um sanduíche de frango assado.

Ele usava uma camiseta escrito “Seja positivo” e um grande sorriso. “Quando Deus quer conceder alguma coisa, você vai lá e busca”, disse ele.

Há cerca de 1,2 milhões de refugiados sírios registrados no país, a maioria deles lutando para encontrar trabalho. Apenas um terço de todos os refugiados sírios no Líbano têm alguma forma de emprego, de acordo com um relatório de 2014 feito pela Organização Internacional do Trabalho.

Al-Attar também está se acostumando com seu novo status. Uma vez que um vendedor de rua anônimo, ele agora se sente como um membro de sua comunidade.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Screen Shot 2015-12-11 at 11.42.52 AM

In this picture taken on Thursday, Nov. 26, 2015, Abdul Halim al-Attar, speaks on his phone as he stands outside his bakery and restaurant in Beirut, Lebanon. Abdul Halim al-Attar, a refugee from Syria who was photographed selling pens in the streets of Beirut, is now running three businesses in the city after an online crowdfunding campaign in his name collected $191,000. (AP Photo/Hussein Malla)

In this picture taken on Thursday, Nov. 26, 2015, Abdul Halim al-Attar, sets tables at his restaurant in Beirut, Lebanon. Al-Attar, a refugee from Syria who was photographed selling pens in the streets of Beirut, is now running three businesses in the city after an online crowdfunding campaign in his name collected $191,000. (AP Photo/Hussein Malla)

In this picture taken on Saturday, Nov. 28, 2015, Abdul Halim al-Attar, left, a refugee from Syria sits next to his daughter Reem, 4, as he speaks during an interview with the Associated Press at his house, in Beirut, Lebanon. Al-Attar, a refugee from Syria who was photographed selling pens in the streets of Beirut, is now running three businesses in the city after an online crowdfunding campaign in his name collected $191,000. (AP Photo/Hussein Malla)

In this picture taken on Saturday, Nov. 28, 2015, Abdul Halim al-Attar, kisses his daughter Reem, 4, at their house, in Beirut, Lebanon. Al-Attar, a refugee from Syria who was photographed selling pens in the streets of Beirut, is now running three businesses in the city after an online crowdfunding campaign in his name collected $191,000. (AP Photo/Hussein Malla)

Fonte: Huffington Post

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM



Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,275,963SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Campus Party doa 230 barracas do evento para acolhimento emergencial em SP

A Campus Party, um dos maiores eventos do mundo, focado em universo digital, inovação e criatividade, conseguiu arrecadar um item muito simples, mas de...

Vovô pinta unha de neta enquanto ela se recupera de cirurgia

Se recuperando no hospital após ser submetida a uma cirurgia, a jovem Ayla Winter-White, 20 anos, publicou um vídeo super fofo em uma rede...

Gratidão: menino com câncer vende pinturas para ajudar hospitais que cuidaram dele

O pequeno Aedon, 9 anos, luta contra um câncer raro nos ossos. O tratamento foi interrompido por causa da pandemia. Mas nada de lamentar,...

Jovens criam agência de intercâmbio que conecta pessoas que querem fazer o bem

Nós da equipe do Razões para Acreditar somos fãs de gente que procura fazer o bem para as pessoas e adoramos divulgar histórias como essa...

Drone inteligente e do bem: ele consegue plantar 1 bilhão de árvores em 1 ano

O drone veio para ficar, e tem sido usado das mais diversas formas possíveis para registrar ângulos inusitados de uma cena ou até entregar...

Instagram

Pai refugiado que vendia canetas na rua agora tem três empresas e emprega outros refugiados 3