Após 4 anos em lista de espera, pai solteiro em MT adota bebê e afirma: ‘Muito feliz e realizado’

Foram 4 anos na fila de espera até o servidor público Wellington Corrêa, 46 anos, conseguir a guarda provisória de uma bebê de 3 meses, em Cuiabá (MT).

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Wellington teve a guarda de seis meses concedida no início deste mês pelo Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT), que também autorizou a licença paternidade para estar mais próximo da filha durante esse período.

De acordo com o Tribunal, esta é a primeira vez que uma licença paternidade é concedida a um servidor solteiro e adotante.

pai solteiro adota bebê em mato grosso

Como afirma nossa Constituição Federal, a licença para pais e mães devem ser iguais, obedecendo o “princípio da dignidade da pessoa humana e da igualdade entre filhos biológicos e adotados”, sem distinções entre pai e mãe adotante.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Desde que conseguiu a adoção temporária, Wellington, que mora sozinho, tem pedido ajuda e conselhos de amigos e familiares para prover os melhores cuidados à bebê.

“Pedi dois dias para o juiz para poder me organizar e comprar as coisas para ela. Foi uma correria. Algumas amigas e mães me deram dicas valiosas, pois pai de primeira viagem e ainda solteiro não tem a mínima noção do que comprar”, disse.

As noites de sono têm sido tranquilas, uma vez que a menininha dorme bastante. De dia, no entanto, há trabalho de sobra.

pai solteiro adota bebê em mato grosso

“Minha vida mudou completamente. É um cansaço prazeroso. Estou muito feliz e realizado. Toda a minha família está com a atenção voltada para a Ana. Apesar de não estarem perto, porque não moram na cidade, sempre ligam para saber como ela está”.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Wellington conta que sempre quis adotar uma criança – foram anos de preparação psicológica até acolher a pequena Ana.

“Isso sempre foi muito formado na minha cabeça desde meus 20 anos. Na época, vi que não tinha maturidade, estrutura física e financeira para isso, mas amadurecendo a ideia e me preparando para entrar com o processo de adoção e finalmente esse tempo chegou”, afirmou.

Em 2016, sentindo-se pronta para adotar, o servidor entrou no site do Tribunal de Justiça e enviou a documentação para ser habilitado à guarda. Também fez um curso preparatório que ensina sobre adoção, criação, entre outros cuidados necessários para o bem estar dos pais e da criança.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Às vezes as pessoas pensam que adoção é pegar uma criança e pronto, mas não é bem isso. Você não sabe o histórico, o tamanho, os problemas que cada uma carrega. Geralmente, o histórico de crianças colocadas para adoção não é bom, mas você precisa encarar aquilo”, pontuou.

Ao final do curso, o servidor ficou habilitado na lista de espera municipal, estadual e nacional. Nesse-meio ele era acompanhado por uma psicóloga, até receber a notícia de que havia uma bebê disponível para a adoção.

“Foi uma surpresa quando soube que poderia ser pai de uma bebê. No processo de habilitação informei que queria uma criança de até 5 anos, pois desejava estar perto nesse período da infância. Mas, quando fui conhecer a Ana, senti algo que não dá para explicar. Senti que era a minha vez”, disse.

Para Wellington, os próximos seis meses de convivência serão essenciais para ele conseguir a guarda definitiva de Ana.

A adoção é prazerosa. O processo é difícil, mas o interessante é esse desafio que enfrentamos. As pessoas deveriam conhecer mais sobre, se animar mais, pois há muitas crianças precisando de apoio e há muitos lares que podem recebe-las“, concluiu.

Veja também:

Fonte: 1News (iG)
Fotos: Wellington Corrêa/Arquivo pessoal

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM




Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,833,017SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Professora italiana roda a cidade de Pisa de bike para contar histórias e fazer as crianças sorrirem

Daniela Bertini é professora de escola primária e apaixonada por teatro. Ela uniu suas duas paixões e criou um projeto incrível, que tem levado...

Menino de 12 anos vende ‘geladinho’ para pagar tratamento de amiga com câncer

Um menino de 12 anos resolveu vender geladinho na rua para ajudar no tratamento de uma amiga diagnosticada com Leucemia Linfóide Aguda (LLA), um...

Estudante paranaense cria absorvente sustentável para mulheres em situação de rua

"Se é uma coisa que a gente não tem escolha, é uma necessidade básica, quem tem que cuidar dessa necessidade básica é o governo. Se já distribui camisinha de graça, por que não absorvente?", questiona a paranaense.

Projeto cria biblioteca para surdos em pequena comunidade africana

Provavelmente você nunca escutou falar de Muyinga, uma pequena comunidade no centro da África, mais exatamente em Burundi, onde nasce o grande Rio Nilo. E é de lá que...

Instagram