Pais recriam fotos de mulheres negras com filha de 5 anos para empoderá-la

Marc Bushelle é um fotógrafo do Brooklyn, Nova York. Juntamente com sua esposa, Janine, eles resolveram recriar fotos de heroínas com sua filha Lily, de 5 anos.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

A ideia de fazer esses registros foi para ensiná-la sobre grandes mulheres da história de forma divertida e criativa.

“Nós não queremos apenas mostrar as histórias habituais, mas também queríamos incluir algumas mulheres inesperadas que foram pioneiros em seu próprio tempo e área”, escreveu o pai ao Bored Panda.

Para os pais, era uma forma de ajudar a filha também a construir sua autoestima, tornando-a capaz de se ver como uma heroína no futuro.

Confira alguns desses trabalhos e algumas das escolhas empoderantes e inspiradoras:

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Lily como Nina Simone

recreating-historic-women-portrait-photography-heroines-marc-bushelle-7a

Eunice Kathleen Waymon mais conhecida pelo nome artístico Nina Simone (Tryon, 21 de fevereiro de 1933 – Carry-le-Rouet, 21 de abril de 2003) foi uma pianista, cantora, compositora e ativista pelos direitos civis dos negros norte-americanos. É bastante conhecida nos meios musicais do jazz, mas trabalhou com diversos estilos musicais na vida, como música clássica, blues, folk, R&B, gospel e pop.

Lily como Josephine Baker
recreating-historic-women-portrait-photography-heroines-marc-bushelle-2a

Josephine Baker, nome artístico de Freda Josephine McDonald, (Saint Louis, 3 de junho de 1906 — Paris, 12 de abril de 1975) foi uma célebre cantora e dançarina norte-americana, naturalizada francesa em 1937, e conhecida pelos apelidos de Vênus Negra, Pérola Negra e ainda a Deusa Crioula.

Vedete do teatro de revista, Josephine Baker é geralmente considerada como a primeira grande estrela negra das artes cênicas.

Lily como Shirley Chisholm

recreating-historic-women-portrait-photography-heroines-marc-bushelle-3a

Shirley Anita St. Hill Chisholm (30 de novembro de 1924 – 1 de janeiro de 2005) foi uma política americana, educadora e autora. Em 1968, transformou-se a primeira mulher afro-americana eleita ao congresso de Estados Unidos, e representou o New York’s 12th Congressional District por sete termos de 1969 a 1983. Em 1972, transformou-se a primeira candidata negra para a nomeação de um partido principal Para presidente dos Estados Unidos, e a primeira mulher a concorrrer para a indicação presidencial do partido Democrático.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Lily como Michelle J. Howard, almirante dos EUA

recreating-historic-women-portrait-photography-heroines-marc-bushelle-5a

Lily como Queen Latifah

recreating-historic-women-portrait-photography-heroines-marc-bushelle-6a

Dana Elaine Owens (Newark, 18 de março de 1970) mais conhecida por seu nome artístico Queen Latifah, é uma cantora, rapper, atriz, compositora, modelo, produtora de televisão, produtora musical, comediante e apresentadora norte-americana.

Lily como Grace Jones

recreating-historic-women-portrait-photography-heroines-marc-bushelle-9a

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Grace Jones nasceu na Jamaica, mas se mudou para sua família para Nova York quando tinha 12 anos. Nasceu em uma família extremamente religiosa, Jones se rebelou e resolveu se tornar modelo, música e musa. Sua androginia, formas esguias e sem medo de chamar atenção de quem quer que seja no lendário Studio 54, ganhou as passarelas de Paris e NY.

Lily como Madre Teresa

recreating-historic-women-portrait-photography-heroines-marc-bushelle-10a

Anjezë Gonxhe Bojaxhiu M.C. (Skopje, 27 de agosto de 1910 — Calcutá, 5 de setembro de 1997), conhecida como Madre Teresa de Calcutáou Santa Teresa de Calcutá, foi uma religiosa católica de etnia albanesa, nascida em território sob Império Otomano, na capital da atual República da Macedônia, e naturalizada indiana, beatificada pela Igreja Católica em 2003 e canonizada em 2016. Considerada, por alguns, a missionária do século XX, fundou a congregação religiosa das Missionárias da Caridade, tornando-se conhecida ainda em vida pelo cognome de “Santa das Sarjetas”.

Lily como Mae Jemison

recreating-historic-women-portrait-photography-heroines-marc-bushelle-11a

Mae Carol Jemison (Decatur, Alabama 17 de outubro de 1956) é uma médica e ex-astronauta norte-americana. Participou da missão STS-47 como especialista de missão a bordo do ônibus espacial Endeavour. Em 1992 se tornou a primeira astronauta de origem africana a ir ao espaço.

Lily como Bessie Coleman

recreating-historic-women-portrait-photography-heroines-marc-bushelle-12a

Elizabeth “Bessie” Coleman (26 de janeiro de 1893 – 30 de abril de 1926) foi uma aviadora civil estadunidense e primeira mulher afroamericana a tornar-se piloto nos Estados Unidos. Foi também a primeira mulher de ascendência africana a conseguir licença como piloto internacional.

Lily como Malala

recreating-historic-women-portrait-photography-heroines-marc-bushelle-13a

Malala Yousafzai é uma ativista paquistanesa. Foi a pessoa mais nova a ser laureada com um prémio Nobel.[3] É conhecida principalmente pela defesa dos direitos humanos das mulheres e do acesso à educação na sua região natal do vale do Swat na província de Khyber Pakhtunkhwa, no nordeste do Paquistão, onde os talibãs locais impedem as jovens de frequentar a escola. Desde então, o ativismo de Malala tornou-se um movimento internacional.

Lily como Toni Morrison

recreating-historic-women-portrait-photography-heroines-marc-bushellea

Toni Morrison  é uma escritora, editora e professora estadunidense. Recebeu o Nobel de Literatura de 1993, por seus romances fortes e pungentes, que relatam as experiências de mulheres negras nos Estados Unidos durante os séculos XIX e XX. Seu livro de estreia, O olho mais azul (1970), é um estudo sobre raça, gênero e beleza — temas recorrentes em seus últimos romances. Despertou a atenção da crítica internacional com Song of Solomon (1977). Amada (1987), o primeiro romance de uma trilogia que inclui Jazz (1992) e Paraíso (1997), ganhou o Prémio Pulitzer de Ficçãode melhor ficção e foi escolhido pelo jornal americano The New York Times como “a melhor obra da ficção americana dos últimos 25 anos”. Morrison escreveu peças, ensaios, literatura infantil e um libreto de ópera.

Fonte: Bored Panda

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM



Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,020,257FãsCurtir
2,152,175SeguidoresSeguir
11,488SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Jovens e agricultores se unem e abrem bibliotecas na zona rural da Paraíba

Eu já estou apaixonado por essa história antes mesmo de começar a contar pra vocês. Esse é um exemplo de que a união entre...

Após alagamento, vaquinha arrecada R$117 mil e idosos ganharão um lar novo (BA)

Os velhinhos da Casa de Idosos Giuseppe Aras, em Itabela (BA), vão ganhar um lar novo! O asilo onde os 34 idosos moravam ficou alagado...

Pescadores salvam 5 tartarugas marinhas presas em rede de pesca

Na praia de Araranguá, em Santa Catarina, o que tinha tudo para ser apenas mais um dia normal para alguns pescadores, transformou-se em uma...

Batismo de bebê conta com bençãos de familiares católicos, espíritas, evangélicos e umbandistas

Quando completou três meses de vida, o pequeno Iago recebeu as bençãos de sua família, cada qual à sua maneira: uma avó é católica,...

Itália começa a sair do confinamento com reabertura de comércio e igrejas

Hoje (18) o dia amanheceu diferente na Itália. Amanheceu “lindo e excitante” como descreveu um barman de Roma. Após dez semanas de portas fechadas, lojas,...

Instagram