Corredor cego ajuda atleta-guia e dupla conquista o bronze no Parapan

Os corredores Yeltsin Jacques e Rafael Santeramo correm literalmente grudados – e não é força de expressão. Yeltsin tem 0,5% da visão, o suficiente para apenas enxergar vultos, e precisa de um atleta-guia, Rafael, para participar das competições dos 5 mil metros do Parapan de Lima 2019.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Eles treinam juntos há mais de um ano e nutrem uma forte amizade que perdura há quase um ciclo olímpico.

Ajuda para universitária que ficou tetraplégica perto de se formar

Com o início das competições, eles chegaram como francos favoritos ao ouro devido aos resultados conquistados ao longo do ano. Nos primeiros 4 mil metros tudo ia se encaminhando para o lugar mais alto do pódio quando algo aconteceu no sprint final.

Corredor cego ajuda atleta guia e dupla conquista o bronze no Parapan

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

A pressão da estreia em um torneio continental, o estádio abarrotado e barulhento, e o peso em defender o país mais forte e favorito do Parapan impactaram o psicológico de Rafael.

Corredor cego ajuda atleta guia e dupla conquista o bronze no ParapanO céu nublado e ranzinza daquela tarde na capital peruana ficou ainda mais escuro, as pernas do atleta pareciam não obedecer mais o corpo e ele pensou em desistir.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Percebi que o Yeltsin estava sobrando e poderia brigar pelo ouro. Mas é uma prova que a gente tem de estar junto, sofrer junto. Falei para ele: ‘temos que mudar o combinado’“, disse Rafael. O companheiro tentou animá-lo. “Dizia: ‘vamo, vamo, não desiste’. Sabia que dava para pegar medalha.”

Leia também: 

À medida que Rafael se recuperava e ganhava fôlego, uma dupla de canadenses abriu distância, seguida por outra dupla de equatorianos.

Ajuda para universitária que ficou tetraplégica perto de se formar

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Presos por uma fita, Yeltsin e Rafael não podiam se desprender, sob o risco de desclassificação. Yeltsin então diminuiu o ritmo e se viu deixar escapar o ouro e a prata.

Cambaleando na pista, Rafael cruzou ao lado do companheiro a linha de chegada a tempo de ganharem o bronze.

Corredor cego ajuda atleta guia e dupla conquista o bronze no Parapan

Terceiro Parapan

“No meu primeiro Parapan em Guadalajara-2011 também senti a pressão. Não é fácil mesmo”, disse Yeltsin, que nasceu com baixa visão e foi batizado em homenagem ao ex-presidente russo Boris Yeltsin.

Na edição seguinte, Toronto-2015, no Canadá, ele superou o trauma e faturou logo dois ouros, um nos 5.000m e outro nos 1.500m.

Ajuda para universitária que ficou tetraplégica perto de se formar

Absolutamente exausto, Rafael cedeu na pista e ficou ali, estirado no chão por alguns minutos. Yeltsin ofereceu ajuda ao companheiro e tentou animá-lo com o resultado. “Não é pra qualquer um.”

Após digerir tudo o que havia acontecido naqueles 15 minutos e 41 segundos desde a largada, Rafael foi colocado numa cadeira de rodas por dois médicos e encaminhado para o centro de treinamento. Yeltsin caminhou sozinho em direção ao vestiário.

Acompanhe aqui no Razões e nas redes sociais do Comitê Paralímpico Brasileiro, Instagram e Facebook, nossos paratletas no Parapan de Lima 2019. Estamos na torcida e ansiosos para ver o verde e amarelo no lugar mais alto do pódio – estaremos lá muitas vezes! 🥇🇧🇷

Fonte: Estadão/Fotos: CPB/Reprodução

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM



Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,642,968SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Rapaz preso injustamente ganhará kit completo de DJ para voltar a trabalhar

Preso injustamente no dia 15 de janeiro, acusado de assassinar alguém que nunca viu, Leonardo Nascimento, de 26 anos, ficou na cadeia por uma...

Atendente recupera para mãe número do celular de filha falecida e faz ligação surpresa

Para aliviar a saudade da filha, a dona Lazara Augusta Galvão tinha se apegado a uma coisa: ao celular da filha!

Cavalo desafia incêndio e salva a sua família na Califórnia

Os incêndios na Califórnia (EUA) já devastaram mais de 30 mil hectares de áreas florestais, ou 305 km², o equivalente à cidade de Belo Horizonte. Bombeiros estão...

Animador da Pixar lança curta sobre experiência com seu filho autista

No mês passado, a Pixar lançou três novas animações, que fazem parte do projeto "SparkShots". Uma delas é Float ("Flutuador", em tradução livre). O curta-metragem apresenta...

Alegria de menino de 3 anos no dia que foi adotado comove a internet

O pequeno Michael, de 3 anos, era pura felicidade quando foi adotado.

Instagram