Dançarino italiano cria dança especial para pessoas com Parkinson e os benefícios são enormes

A dança! Claro! Como ninguém pensou nisso antes? A dança é uma grande aliada no controle do Mal de Parkinson. Um dançarino e coreógrafo italiano entendeu que os tremores no corpo de quem tem a doença podem ser amenizados com a atividade, e mais: dá pra tirar proveito do problema e se sair bem dançando.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Eu pensei: as pessoas com Parkinson tremem sem ritmo; eu treino minha vida inteira como dançarino para tremer com a batida. Na minha cabeça, as pessoas com Parkinson poderiam transformar seus sintomas em uma superpotência“, disse Simone Sistarelli, bailarino formado em dança contemporânea e psicologia da dança. O avô de Simone também sofria de Parkinson.

Ao observar que poderia ajudar pessoas com Parkinson através do movimento do corpo, ele foi estudar a doença e descobriu que não havia contra-indicação. Pelo contrário: a dança estimula o equilíbrio, contribui com a socialização e ajuda o paciente a neutralizar a perda de autoconfiança.

Pessoas com Parkinson dançando em salão de dança
Professor passa exercícios baseados nas especificidades das pessoas com Parkinson.. Foto: divulgação

Para iniciar o experimento, o coreógrafo criou um estilo único de dança chamado Popping for Parkinson, que mistura Hip Hop e Breakdance. Começou dando aulas na Inglaterra, depois levou o projeto aos Estados Unidos e, por fim, para sua terra natal, a Itália. O trabalho já tem seis anos.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Alunos com Parkinson se tornam professores

Os alunos que frequentam os cursos de dança de Simone têm de 45 a 75 anos de idade. São desde pacientes com sintomas leves até severos. Os movimentos são passados de forma personalizada e de acordo com o grau de comprometimento de cada um.

Homem com Parkinson dançando com instruções de professor ao lado
Foto: divulgação

Depois de um tempo, alguns dos próprios alunos passam a dar as aulas para incentivar novos dançarinos e mostrar sua capacidade e seu potencial. Ah, mas alunos que não têm a doença também são incluídos e super bem-vindos!

“[A dança] Ajuda a não ter vergonha, a não se sentir julgado. É essencial que haja sempre uma atmosfera em que as pessoas se sintam confortáveis ​​explorando e compartilhando movimentos“, disse Simone. E isso se estende para além do salão de dança… Os alunos acabam virando amigos, criando grupos de autoajuda e realizando encontros fora do ambiente do curso.

Professor e alunos de dança fazendo pose para fotos
Alunos e amigos de dança! Foto: divulgação

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

E o melhor de tudo é que o projeto é mantido com doações e financiamento coletivo. Logo, as aulas são gratuitas. O objetivo é capacitar várias pessoas pelo mundo para levar esta experiência ao máximo de pacientes com Parkinson.

“Existem cerca de 10 milhões de pessoas com Parkinson em todo o mundo. O objetivo final do projeto é alcançar todos eles e capacitá-los a se tornarem dançarinos”, disse. Ficou interessado? O projeto está oferecendo aulas on-line por meio de vídeos por conta da pandemia.

View this post on Instagram

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

A post shared by Razões Para Acreditar (@razoesparaacreditar)

Os alunos simplesmente adoram as aulas! Durante uma hora, eles se esquecem completamente dos efeitos da doença e se divertem, ao mesmo tempo em que também se cuidam.

“Dançar para combater o Parkinson também é encontrar confiança para pessoas que muitas vezes se sentem marginalizadas e que podem recuperar a coragem aqui, subindo no palco e, acima de tudo, se divertindo muito”, finalizou o professor.

Professor e alunos de dança fazendo pose para fotos
Foto: divulgação

O contato com eles pode ser feito via Facebook ou site. E as seleções de canções específicas para as aulas de Popping for Parkinson’s estão disponíveis em plataformas como Deezer e Youtube.

Fontes: Positizie / Get the Chance

Por falar em arte, conheça a história de um garoto que sonha em se tornar um grande cantor de ópera. O pequeno Davi e sua família passam por necessidades e criamos uma vaquinha na VOAA para ajudá-los. Clique e contribua!

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,560,438SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Cápsula para intolerantes à lactose de paranaense de 16 anos é selecionada para a Google Science Fair

Uma estudante do 2.º ano do Ensino Médio do Colégio Interativa de Londrina, foi uma entre os cem estudantes selecionados para competir na Google...

Banksy, famoso artista de rua, leiloará obra avaliada em R$ 24 mi para ajudar profissionais de saúde da Inglaterra

O artista de rua inglês, Banksy, pretende doar £ 3 milhões (ou R$ 24 milhões) ao Serviço Nacional de Saúde (SNH) do Reino Unido...

As melhores reações no Twitter sobre o Vinícius aparecer na abertura da Paralimpíadas com o vestido da Gisele

Se você não estava em Marte e acompanhou a abertura dos Jogos Olímpicos Rio 2016, deve lembrar de uma das cenas mais marcantes da...

Menina autista confunde noiva com Cinderela e sua reação é linda!

Olivia Park participava de uma sessão de fotos de preparação para o seu casamento quando foi surpreendida pela pequena Layla Lester, de apenas cinco...

Jovem que vendia rosas na rua realiza o sonho e termina faculdade de medicina

Rumon Siddique nasceu em uma comunidade muito carente de Bangladesh e tinha um grande sonho na vida: ser médico. O propósito dele era se formar...

Instagram