‘Nunca desisti do meu sonho’, diz pedreiro formado em Direito no prédio que ajudou a construir

Luiz Antônio dos Santos, de 51 anos, ajudou a construir, tijolo por tijolo, a faculdade que décadas depois frequentaria no curso de Direito.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Toda vida trabalhando como pedreiro, o morador de Votuporanga (SP) nem sonhava com a ideia de se formar no prédio onde tanto calejou e sujou as mãos de cimento. “Eu brincava com meus amigos e dizia que estava fazendo duas faculdades. Foi muito engrandecedor saber que eu tinha erguido os corredores por onde passava. A minha habilidade profissional me ajudou a conseguir isso. Tive um privilégio muito grande”, diz Luiz.

Agora um advogado, Luiz conta que se mudou para a cidade em 1989, em busca de melhores condições de vida e um bom emprego. Logo, entrou para o ramo da construção civil. Alguns anos depois, foi chamado para trabalhar na obra da futura instituição particular de ensino superior.

Pedreiro se forma em direito no mesmo prédio que ajudou a construir: 'Nunca desisti do meu sonho'
Luiz trabalhando em obra antes de se formar em direito. Foto: arquivo pessoal

“A construção teve início em 2006. Fizemos os primeiros blocos da faculdade. Além de trabalhar, eu fazia alguns cursos profissionalizantes, mas queria algo a mais. Portanto, dois anos depois, quando a obra acabou, eu prestei vestibular e fui aprovado”, relembra.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Antônio não tinha condições de pagar a mensalidade do curso, mas foi contemplado com uma bolsa de estudos oferecida por um programa do estado de São Paulo.

Assim, de segunda à sexta-feira, ele dividia os estudos com as obras em que trabalhava. Durante os fins de semana, cumpria com os termos previstos no programa.

Leia também: Homem preso injustamente vira advogado para corrigir erros da Justiça

Sua primeira visita foi em Sebastianópolis do Sul, município próximo à Votuporanga, na Escola Gentila Guizzi Pinatti, onde ajudava os alunos nas atividades escolares.

“A gente desenvolvia projetos sociais em escolas escolhidas pelo estado. Meu trabalho era fazer com que a população menos favorecida tivesse acesso à educação. Tive a oportunidade de aprender muito com essa experiência”, diz o advogado.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Diploma de Direito em mãos

O advogado se formou em 2012. O falecimento precoce do filho de 18 anos e outras dificuldades familiares quase o fizeram largar o curso.

No entanto, ele não desistiu do diploma e seguiu estudando até o fim. Foi aprovado três anos depois no exame da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).

“Foi uma tragédia muito grande. Quase desisti, porque minha mulher e minha filha entraram em depressão. Demorei um tempo para conseguir a aprovação na OAB. Como eu trabalhava na construção civil, não tinha tempo suficiente para me dedicar aos estudos. É uma demanda muito grande”, afirma Luiz.

Hoje, Luiz exerce a profissão em seu escritório de advocacia, onde atua nas áreas civil e criminal. Ele confessa que ainda dá algumas dicas para amigos que estão realizando obras particulares…

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Apesar de já formado na área, ele jamais parou de estudar. “Fiz uma pós-graduação em Direito Constitucional e estou terminando uma segunda faculdade sobre teologia. Ano que vem, quero fazer um mestrado e quem sabe um doutorado. Meu desejo é poder lecionar”, diz o advogado.

Pedreiro se forma em direito no mesmo prédio que ajudou a construir: 'Nunca desisti do meu sonho'
Luiz recebe sua carteira da OAB. Foto: arquivo pessoal

Nunca é tarde

O ex-pedreiro lembra que entrou na faculdade aos 38 anos de idade. Antes de ingressar no ensino superior, ele precisou fazer um supletivo porque não havia concluído os ensinos anteriores.

“O estudo é a base do desenvolvimento da nossa sociedade. Nunca é tarde demais. Eu ouvi muitas palavras negativas. Pessoas duvidavam da minha capacidade. No entanto, nunca desisti do meu sonho. É um desafio. Fazer cinco anos de faculdade é complicado”, diz Luiz.

Pedreiro se forma em direito no mesmo prédio que ajudou a construir: 'Nunca desisti do meu sonho'
Luiz se formou em direito, passou na OAB e advoga em Votuporanga — Foto: arquivo pessoal

“As pessoas que possuem um desejo, precisam acreditar em si mesmas. Dificilmente, quando você é um sonhador, ainda que ele seja para algumas pessoas uma utopia, ele não se tornará realidade. Minha dica, se é que posso fazer isso, é para todos acreditarem no seu potencial”, completa.

Leia também: Da periferia de SP para os EUA: A trajetória do estudante de medicina que virou pesquisador em Harvard

Compartilhe o post com seus amigos!

  • Siga o Razões no Instagram aqui.
  • Inscreva-se em nosso canal no Youtube aqui.
  • Curta o Razões no Facebook aqui.

Com informações do G1.

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,500,572SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Shakira e Piqué fazem Chá de Bebê para arrecadar doações a bebês carentes

Eu sempre terei a Shakira e o seu marido (príncipe! rs) como exemplos, eles estão no topo do mundo, tem absolutamente tudo o que...

74 cervejarias vão produzir cerveja ‘Manchinha’ e doar lucro para ONGs de proteção animal

63 cervejarias de 11 estados e 2 países se uniram para manter viva a memória de Manchinha e proteger outros animais. #manchinhabeerchallenge

No litoral paulista, o projeto Empresto Minhas Pernas entrega muito mais que solidariedade

A ideia principal do projeto não é apenas entregar algo, e sim trocar experiência juntos e permitir que a pessoa com deficiência se sinta parte de um todo assim como uma pessoa que não tem deficiência.

[VÍDEO] Aos 70 anos, pássaro mais velho do mundo dá à luz outro filhote

O pássaro selvagem mais antigo do mundo, uma albatroz chamado Wisdom, chocou outro filhote nesta temporada aos 70 anos de idade. Wisdom e seu...

Internautas se unem em vaquinha para idosa humilhada por morar em barraco

A dona Maria de Fátima, 57 anos, foi humilhada por simplesmente morar em um barraco de madeira construído com materiais que encontrou no lixo,...

Instagram