Considerado extinto, peixinho de 3 cm reaparece e faz empresa mudar projeto de fábrica no RJ

Quando que poderíamos pensar que um peixe de 3 cm mudaria a planta de uma fábrica de salsichas em construção, em Seropédica (RJ)? Bom, isso aconteceu e o nome dessa ferinha é Leptopanchax opalescens. Ele não era visto há mais de oito anos, sendo considerada entre os biólogos a hipótese de sua extinção.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

A equipe de pesquisadores do LEP (Laboratório de Ecologia de Peixes) da UFRRJ (Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro) encontrou o peixe do grupo dos rivulídeos dentro do terreno da BRF, empresa proprietária de marcas como Perdigão e Sadia.

O local em que o Leptopanchax opalescens foi acahdo foi cercado e protegido pelos pesquisadores. Diferente de outros peixes, ele não vive em lagoas, rios ou oceanos, mas sim em poças e brejos. Mais um motivo pelo qual a área em que ele foi encontrado deve ser preservada!

“Logo após o registro dos peixes, é iniciado o processo de monitoramento da água e do habitat, além da análise de parâmetros populacionais. Essas informações abastecem bancos de dados de órgãos ambientais, como Inea (Instituto Estadual do Ambiente), e são a base para ações de manejo e conservação das espécies“, contou o biólogo da equipe do LEP, Gustavo Henrique Soares.

Brejo de Seropédica onde o Leptopanchax opalescens foi encontrado
Brejo de Seropédica onde o Leptopanchax opalescens foi encontrado. Foto: reprodução/UFRRJ

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Gerações dos peixinhos não convivem entre si

A vida e a morte fazem parte do ciclo do Leptopanchax opalescensDurante o período anual de chuvas, os machos e as fêmeas depositam os ovos fecundados no substrato dos brejos em que habitam. Quando chega o período de seca, os papais morrem e seus filhotes, ainda nos ovos, iniciam um processo de sobrevivência sem água.

A volta da chuva é também o início de um novo ciclo de vida para estes peixinhos, que retomam o processo que seus antecessores deram partida. É por isso que o grupo também é conhecido pelos pesquisadores como “peixes anuais”.

A característica de seu habitat em tempos de seca, quando sua presença não é notada por seres humanos, acaba prejudicando a manutenção da espécie, resultando em uma possível extinção.

Segundo a equipe da UFRRJ, é comum que áreas nas quais os Leptopanchax opalescens estejam presentes sejam transformadas em regiões agrícolas ou sofram outros tipos de intervenção.


Conheça a história da Luakam, uma índia que foi para o Rio de Janeiro e se tornou uma grande empreendedora!

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,758,975SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Gatinha desaparecida por 20 anos volta a tempo de passar seus últimos dias com a dona

A gente sabe que animais correm o risco de se perder e foi exatamente isso que aconteceu com a gatinha Phoebe, que ficou 20...

Moradora dá água para vizinhos que estão há 2 meses sem abastecimento

Em São Valério da Natividade, no Tocantins, a dona de casa compartilha a água do seu poço artesanal com os vizinhos.

Funcionário do McDonald’s com síndrome de Down se aposenta após 32 anos e ganha homenagem

Russell O'Grady, de 48 anos, funcionário do McDonald's com síndrome de Down encantou os clientes da filial local por longos 32 anos. Ele vestiu pela...

Tudo por um abraço

O mundo está cada vez menor, a tecnologia está aproximando cada vez mais as pessoas... será? Cada vez menos estamos tendo contato físico com nossos...

[Vídeo] Golden retriever se oferece de apoio para garotinha subir na cama e cena viraliza

Uma garotinha chinesa e um cão da raça golden retriever viralizaram nesta quinta-feira, depois que um vídeo dos dois foi publicado na rede. A tutora...

Instagram