Startup usa digitalização e impressão 3D para produzir pernas protéticas 10 vezes mais baratas

Com a tecnologia que temos disponível hoje, muitas pessoas amputadas conseguem ter seus movimentos de volta graças às próteses. A questão é que o processo costuma ser lento e muito caro, realidade que a startup filipina Instalimb está lutando para mudar. Por meio de técnicas de digitalização e impressão 3D, a empresa tem conseguido produzir pernas protéticas 10 vezes mais baratas.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Tudo começou quando o fundador Yutaka Tokushima tratou um paciente com gangrena causada por diabetes. Na época, ele não podia pagar por uma perna protética, então não foi amputado e infelizmente morreu. Foi então que Tokushima começou a desenvolver uma maneira de fabricar próteses a um preço muito baixo.

pernas proteticas 1
Foto: divulgação

Fundada em 2017, atualmente ele já consegue produzir próteses de alta qualidade em um ritmo mais rápido e a um preço mais baixo. O processo começa com um scanner 3D que tira todas as medidas do paciente. A partir destes dados, a empresa projeta uma prótese personalizada empregando o software 3D-CAD, geralmente usado para projetos de arquitetura.

Graças a esta tecnologia, o resultado é uma prótese de alta qualidade que se adapta perfeitamente ao paciente. A Instalimb utiliza uma impressora 3D especializada em materiais baratos compostos de plástico, porém de qualidade, o que acaba por reduzir os custos e o tempo de produção em um décimo quando comparado aos métodos tradicionais.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Todos os funcionários da Instalimb e eu estamos confiantes de que esta pode ser uma solução para a situação desesperadora relativa a pernas protéticas em países emergentes e em desenvolvimento em todo o mundo”, afirma Tokushima.

pernas proteticas 2
Foto: divulgação

Segundo a OMS, a cada minuto três diabéticos são amputados no mundo. Mas devido à tecnologia e a empresas como a Instalimb, milhares de pessoas poderão levar uma vida normal, já que milhões de amputados simplesmente não têm acesso à próteses.

Podemos resolver este problema e continuaremos a trabalhar arduamente para imaginar um mundo onde haja resiliência contra as dificuldades derivadas de populações cada vez maiores em países emergentes e do possível aumento do número de pacientes diabéticos lá fora, mesmo se eles passarem por um amputação”, promete o fundador.

Fonte: Designboom

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM









Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
4,917,765SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Policiais distribuem ‘gelinho’ e estreitam laços com a comunidade

“Eles percebem que existe algo por trás do distintivo."

Professora decora carro e viaja 80km para entregar kits de São João a cada aluno (MS)

Como a pandemia afastou os alunos das salas de aula, a professora Alice Ferraz achou uma forma criativa e carinhosa de matar a saudade...

Em cena fofa, filho corre até a mãe ao vê-la vestida de noiva em casamento [VIDEO]

No final do mês passado, Kristie Mihelich se casou em uma cerimônia fechada em um conservatório de Birmingham, Michigan (EUA). O que era pra ser...

ONG uruguaia defende e promove os direitos dos mais pobres

No vizinho Uruguai, a ONG Centro de Promoción por la Dignidad Humana (CEPRODIH) desempenha um importante papel na defesa dos direitos dos mais pobres...

Marca britânica doa 90% de seu lucro para instituições de caridade

Já não é de hoje que falamos em consumo sustentável e muitas marcas novas que vêm surgindo começaram a repensar seus modelos de negócio...

Instagram

Startup usa digitalização e impressão 3D para produzir pernas protéticas 10 vezes mais baratas 2