Startup usa digitalização e impressão 3D para produzir pernas protéticas 10 vezes mais baratas

Com a tecnologia que temos disponível hoje, muitas pessoas amputadas conseguem ter seus movimentos de volta graças às próteses. A questão é que o processo costuma ser lento e muito caro, realidade que a startup filipina Instalimb está lutando para mudar. Por meio de técnicas de digitalização e impressão 3D, a empresa tem conseguido produzir pernas protéticas 10 vezes mais baratas.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Tudo começou quando o fundador Yutaka Tokushima tratou um paciente com gangrena causada por diabetes. Na época, ele não podia pagar por uma perna protética, então não foi amputado e infelizmente morreu. Foi então que Tokushima começou a desenvolver uma maneira de fabricar próteses a um preço muito baixo.

pernas proteticas 1
Foto: divulgação

Fundada em 2017, atualmente ele já consegue produzir próteses de alta qualidade em um ritmo mais rápido e a um preço mais baixo. O processo começa com um scanner 3D que tira todas as medidas do paciente. A partir destes dados, a empresa projeta uma prótese personalizada empregando o software 3D-CAD, geralmente usado para projetos de arquitetura.

Graças a esta tecnologia, o resultado é uma prótese de alta qualidade que se adapta perfeitamente ao paciente. A Instalimb utiliza uma impressora 3D especializada em materiais baratos compostos de plástico, porém de qualidade, o que acaba por reduzir os custos e o tempo de produção em um décimo quando comparado aos métodos tradicionais.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Todos os funcionários da Instalimb e eu estamos confiantes de que esta pode ser uma solução para a situação desesperadora relativa a pernas protéticas em países emergentes e em desenvolvimento em todo o mundo”, afirma Tokushima.

pernas proteticas 2
Foto: divulgação

Segundo a OMS, a cada minuto três diabéticos são amputados no mundo. Mas devido à tecnologia e a empresas como a Instalimb, milhares de pessoas poderão levar uma vida normal, já que milhões de amputados simplesmente não têm acesso à próteses.

Podemos resolver este problema e continuaremos a trabalhar arduamente para imaginar um mundo onde haja resiliência contra as dificuldades derivadas de populações cada vez maiores em países emergentes e do possível aumento do número de pacientes diabéticos lá fora, mesmo se eles passarem por um amputação”, promete o fundador.

Fonte: Designboom

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM



Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,640,029SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Aos 17 anos, ex-aluna de escola pública leva informações sobre gênero

O jovem de hoje está cada vez mais engajado em projetos sociais que visam construir uma sociedade mais igualitária e justa. Prova disto é...

Whindersson Nunes se comove com apelo de abrigo e faz doação para ajudar cães que estavam sem ração

Com a doação, o abrigo conseguiu comprar ração para os animais e ainda pagar uma antiga dívida.

Crianças dançarinas de Uganda se tornam uma sensação viral com suas coreografias inspiradoras

Atualmente, pelo menos uma em cada quatro famílias em Uganda tem um órfão. A guerra, a pobreza e a doença têm levado pais de...

Menino de 7 anos tem sua própria empresa de reciclagem

Quando ele tinha três anos e meio, Ryan Hickman visitou um centro de reciclagem na Califórnia e encontrou uma paixão. No dia seguinte, anunciou para...

Empresário usa horário de almoço para dar aulas de leitura para moradora de rua

Você trocaria seu horário de almoço para ensinar um morador de rua a ler? O americano Greg Smith, que mora em Orlando, na Flórida,...

Instagram