Jovens peruanos criam pratos que se degradam em 60 dias

Um grupo de jovens liderados por Josué Soto lançou um projeto chamado “Chuwa Plant”, com o objetivo de reduzir a quantidade de plásticos descartáveis ​​que são usados ​​diariamente. Sua idéia era criar pratos feitos com folhas de bananeira que se degradam completamente e de forma natural em apenas 60 dias.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

No dia a dia devemos tentar fazer escolhas mais conscientes. As vezes é difícil, aqui em casa separamos o lixo reciclável do orgânico, mas nos sentimos desmotivados às vezes por saber que a coleta por sua vez não é a mais adequada e que no nosso prédio por exemplo não existe essa separação ainda, mas podemos questionar, sugerir e começar essa mudança.

Jovens peruanos criam pratos que se degradam em 60 dias 2

Tem muitas iniciativas acontecendo o tempo todo, pessoas buscando soluções para tornar o mundo melhor, como o aplicativo Cataki que conecta catadores de recicláveis com pessoas que não tem um ponto de coleta próximo, eles foram premiados em Paris pela inovação e tudo, muito chique hehe 

O plástico leva 500 anos para se decompor, causando um terrível impacto ambiental, incluindo danos à flora e fauna do planeta. Aqui no Brasil tem muitos talentos desenvolvendo alternativas também, como a cearense Paula Facó que criou um prato biodegradável  feito a partir de plantações orgânicas de bananeira.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Da mesma forma, Josué Soto comentou que eles trabalham em conjunto com pequenos produtores da Amazônia peruana, a quem fornecem um preço justo e treinamento técnico para aproveitar ao máximo os resíduos do cultivo da banana.

O Programa Innóvate Perú está financiando parte do projeto e, graças a isso, Chuwa plant  conseguiu projetar e fabricar máquinas especializadas para a produção desses pratos biodegradáveis. Com a ajuda dessa tecnologia, a empresa poderia fabricar até 50.000 pratos por mês.

Jovens peruanos criam pratos que se degradam em 60 dias 3

Para começar a expandir seu produto, os jovens conseguiram usá-lo em festivais locais e de padroeiros em várias regiões do país. O próximo passo, como eles comentam, é apresentar o produto a restaurantes naturais e vinícolas ecológicas.

“O preço aproximado de venda de nossos pratos é de 30 dólares para cada 100 pratos, dependendo da espessura da chapa, mas com o tempo pode se tornar mais acessível a todos os consumidores”, disse Josué.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Estamos na torcida para que essas alternativas se tornem cada vez mais acessíveis!  

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
2,827,323SeguidoresSeguir
24,592SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Estes novos tênis da adidas podem se biodegradar pela sua pia quando você não quiser mais usá-los

O material, feito pela AMSilk também evita os problemas ambientais causados pelo poliéster usado na maioria dos calçados esportivos.

Deixe pago o café do próximo

Para quem não dispensa um bom cafezinho a simpática ideia do “café pendente” ou “café do próximo” chama a atenção. Existente em um café...

Mari Palma emociona ao revelar que pai cego fica em frente à TV para prestigiá-la

A jornalista e apresentadora Mari Palma, 30 anos, fez uma homenagem nas redes sociais carregada de amor e admiração pelo pai, Luiz Palma, que...

Alunos de escola pública em Juscimeira (MT) realizam prova com lanternas e professor abre discurso sobre educação no Brasil

O professor da escola João Matheus Barbosa, no Mato Grosso, fez um grande discurso sobre a educação no Brasil após ver cena impactante de alunos fazendo prova com as lanternas de seus celulares após queda de energia.

Mulheres na Arábia Saudita poderão votar pela primeira vez a partir de hoje

Em um momento histórico, começou hoje o processo de registro eleitoral para que mulheres votem pela primeira vez em eleições municipais na Arábia Saudita. Segundo a Rede AlJazeera,...

Instagram

Jovens peruanos criam pratos que se degradam em 60 dias 5