Pesquisadores brasileiros criam técnica para produção de fígado em laboratório

Hoje, o Brasil tem cerca de 7 mil pessoas na fila de espera para um transplante de fígado. Após a cirurgia, o paciente ainda precisa passar por um acompanhamento médico severo, para observar se não há rejeição. É um processo demorado e que pode levar mais de um ano.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Mas pesquisadores do Centro de Estudos do Genoma Humano e de Células-Tronco (CEGH-CEL), do Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo (IB-USP), desenvolveram uma técnica que pode mudar este cenário: descobriram uma forma capaz de produzir e reconstruir um fígado em laboratório.

transplante de fígado
Fígado produzido em laboratório reduzirá a fila de transplante para o órgão | Foto: Pixabay

Pesquisa testará o fígado em humanos

Os primeiros testes foram realizados com fígado de rato e os resultados foram bastante positivos. Agora, os pesquisadores adotarão a técnica para produzir fígados humanos a fim de aumentar a disponibilidade do órgão para transplante.

Luiz Carlos de Caires Júnior, primeiro autor do estudo, conta que “a ideia é produzir fígados humanos em laboratório, em escala, com o intuito de diminuir a espera por doadores compatíveis e os riscos de rejeição do órgão transplantado”. Luiz realiza pós-doutorado no CEGH-CEL – um Centro de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPID) financiado pela FAPESP, que também está apoiando a pesquisa.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Processo utiliza técnicas baseadas na bioengenharia

Duas técnicas baseadas na bioengenharia de tecidos são utilizadas para a produção de órgãos para transplante: a descelularização e a recelularização. Ambas consistem em realizar lavagens com soluções detergentes ou enzimas até que o fígado perca todas as células do tecido, restando apenas a matriz extracelular. Os pesquisadores, então, recompõem tal matriz, utilizando células derivadas do paciente receptor para evitar o risco de reações imunológicas e diminuir o risco de rejeição do órgão transplantado, em longo prazo.

“É como se o receptor recebesse um fígado recauchutado, que não seria rejeitado, porque foi reconstituído usando suas próprias células. Ele não precisaria nem tomar imunossupressores”, explica Mayana Zatz, coordenadora do CEGH-CEL e coautora do estudo.

Fígado criado em laboratório
Matriz extracelular de fígado descelularizado (Foto: CEGH-CEL/USP)

As técnicas também consistem em reconstruir órgãos, principalmente aqueles provenientes de mortes traumáticas. “Muitos órgãos disponíveis para o transplante não são aproveitáveis, porque são provenientes de pessoas que sofreram acidentes de trânsito. Por meio dessas técnicas é possível recuperar esses órgãos, dependendo de sua condição”, afirma Luiz.

Obstáculos

Apesar de se tratarem de técnicas promissoras, ainda há obstáculos. Por exemplo, o processo de descelularização acaba removendo os principais componentes da matriz extracelular do órgão, como moléculas que sinalizam para as células que elas devem proliferar e formar vasos. Isso compromete a recelularização do tecido e diminui as propriedades de adesão das células à matriz extracelular.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

A solução encontrada foi aprimorar os métodos com uma nova etapa, que é a injeção de uma solução rica em moléculas, como as proteínas Sparc e a TGFB1, produzidas por células hepáticas cultivadas em laboratório em um meio condicionado.

A partir dessas moléculas, as células do fígado se proliferarão e formarão vasos sanguíneos. “O enriquecimento da matriz extracelular com essas moléculas permite que ela se torne muito mais parecida com a de um fígado saudável”, explica Luiz.

Após todo esse processo, a matriz extracelular do fígado recebe hepatócitos, células endoteliais e mesenquimais para que haja uma reprogramação das células adultas (provenientes da pele ou de outro tecido de fácil acesso) para fazê-las assumir estágio de pluripotência, semelhante ao de células-tronco embrionárias.

“O trabalho mostrou que é possível induzir a diferenciação de células-tronco humanas em linhagens de células que fazem parte de um fígado e usá-las para reconstruir o órgão de modo que seja funcional. É a primeira prova de conceito de que a técnica funciona”, avalia Mayana.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Processo de regeneração

O processo de regeneração levou apenas 5 semanas em ratos e isso gerou ótimas expectativas para os pesquisadores quanto ao transplante em humanos. “As células hepáticas crescem e funcionam melhor por meio deste tratamento. Pretendemos, agora, construir um biorreator para fazer a descelularização de um fígado humano e avaliar a possibilidade de produzi-lo em laboratório e em escala”, diz Caires.

Segundo o pesquisador, a técnica também pode ser adaptada para produção em laboratório de outros órgãos, como pulmão, coração e pele.

Fonte: Revista Galileu

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM



Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,275,963SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Mulher ajuda homem cego a pegar um taxi e viraliza na internet

Casey Spelman, de Indianápolis, nos Estados Unidos, estava visitando amigos em Chicago e descobriu que um homem cego não estava conseguindo pegar um táxi. Sem...

Em quarentena pelo coronavírus, italianos se unem cantando nas janelas

A Itália tem sido afetada imensamente pela pandemia do Coronavírus, é o país mais afetado pelo Covid-19 fora da China, somando muitos casos da...

Jovem que pensou em suicídio recebe apoio de leitores do Razões

É tão bom estar junto com vocês!

14 imagens que mostram que não existe nada mais bonito do que o amor materno

Pode mudar o endereço, a raça, os costumes e até a maneira de se relacionar. Mas uma coisa não podemos negar: mãe é mãe...

Conheça o primeiro ar-condicionado sem eletricidade

O que para nós é comum, como eletricidade, internet, água corrente e limpa, comida, para outros é luxo. E em alguns lugares, estas privações tornam-se...

Instagram

Pesquisadores brasileiros criam técnica para produção de fígado em laboratório 3