Pesquisadores brasileiros desenvolvem membrana que recupera pele e ossos

O fomento à pesquisa científica é essencial para o progresso da sociedade e o aumento da qualidade de vida das pessoas. Em outras palavras, investir em ciência é a chave para o futuro da humanidade.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Recentemente, a Universidade Estadual de Londrina (UEL) desenvolveu uma membrana capaz de acelerar a regeneração da pele, ossos e cartilagem.

A novidade é fruto de uma pesquisa comandada pelo professor Cesar Tischer, do Departamento de Bioquímica e Biotecnologia, do Centro de Ciências Exatas da universidade paranaense.

Pesquisadores brasileiros desenvolvem membrana recupera pele ossos

Membranas são capazes de fazer constituições de pele e cartilagem

A membrana é um tipo de plástico biodegradável que serve como estrutura primária para a recuperação de células.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Com o auxílio de uma impressora 3D, imprime-se um modelo de osso tridimensional, que é recoberto pela membrana. Com o passar do tempo, as células são capazes de se proliferar no formato previsto.

Leia também: Pesquisadores ingleses criam neurônios artificiais para tratar o Mal de Alzheimer

“Esse material tem alta biocompatibilidade para a proliferação celular, responsável pela formação de tecidos. Sabemos produzir o material estruturante [orelha, por exemplo], sabemos incorporar o biopolímero [nanocelulose] e conhecemos a biocompatibilidade desses materiais e sua capacidade de formação de novas células”, afirmou Cesar Tischer à Agência UEL, veículo de comunicação da universidade.

Pesquisadores brasileiros desenvolvem membrana recupera pele ossos

Até agora foram realizados testes em ratos de laboratório. Em breve a pesquisa será estendida aos mamíferos mais próximos aos seres humanos.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

De acordo com os pesquisadores, a tendência é que, a longo prazo, essa tecnologia seja capaz de recuperar órgãos vitais complexos, como coração, fígado e rins. Esse seria um grande passo para a medicina reconstrutiva e aumentaria o tempo de vida de diversas pessoas.

Leia também: Nos EUA, pesquisador brasileiro fatura prêmio internacional de física

A tecnologia também pode ser replicada na indústria de cosméticos para reduzir rugas e criar uma intensa reconstrução da pele humana. “Temos muito a oferecer com esses estudos. A gente usa a biocompatibilidade para chegar a muitos produtos”, adicionou Cesar.

Compartilhe o post com seus amigos!

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

  • Siga o Razões no Instagram aqui.
  • Inscreva-se em nosso canal no Youtube aqui.
  • Curta o Razões no Facebook aqui.
  • Envie sua história aqui.

Fonte: Hypeness/Fotos: Divulgação

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM




Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,833,017SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Professor de SP conserta respiradores de graça e compartilha conhecimento pela internet

Na cidade de Batatais, interior de São Paulo, o professor de mecânica Luciano dos Reis, não somente está consertando gratuitamente respiradores de hospitais, como...

Congresso aprova tratamento obrigatório para lábio leporino no SUS

A Câmara dos Deputados, por meio da CCJ (Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania), aprovou em caráter terminativo o Projeto de Lei 1172/15, que obriga...

Alunos de escola em Salvador doam alimentos pra colega que estava sem comida em casa

"Quero dizer muito obrigado a todos que estão me ajudando! Obrigado pelo carinho, pela ajuda, por tudo e que Deus abençoe vocês, sempre!", disse o estudante.

Com hit “Despacito”, enfermeiras fazem campanha pelo aleitamento materno

Funcionárias da Unidade de Saúde da Família "Maria Casagrande", em Ribeirão Preto, usam a criatividade em prol da saúde.Uma ideia criativa chamou a atenção...

Idoso de 84 anos doa rim para sua vizinha, de 72: “Serei eternamente grata”

Certo dia, a aposentada Linda Nall, 72 anos, colocou uma placa no jardim de sua casa com os seguintes dizeres: “Eu sou do tipo...

Instagram