Fila enorme: centenas de pessoas se mobilizam e fazem cadastro de medula para ajudar menina com leucemia

banner reservaJúlia Abrame de Oliveira, de apenas 6 anos, de Tatuí (SP), foi diagnosticada com leucemia há quatro anos. Desde então começou a fazer o tratamento. Porém, com a quimioterapia e radioterapia, a medula da Júlia passou a não aguentar mais, e ela não tem conseguido mais recuperar o funcionamento da medula no pós-quimioterapia.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Agora ela precisa do transplante de medula óssea para continuar com as sessões de quimioterapia e radioterapia.

“Nos informaram, então, sobre a necessidade do transplante e soubemos que a irmã mais nova, que tinha grandes chances de ser a doadora, não era totalmente compatível. Foi aí que começamos a incentivar o cadastro de doador de medula para achar alguém”, conta Adriana, a mãe da menina.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Uma amiga de Adriana se sensibilizou pela história da menina e organizou um mutirão no último sábado (28), no Centro Médico de Especialidades Médicas (Cemem), em Tatuí.

O número de cadastro ultrapassou as expectativas, e além das pessoas que se cadastraram, cerca de 400 pessoas foram dispensadas, pois havia acabado os kits para coleta de sangue.

A campanha estava prevista para terminar às 17h, mas os kits já haviam acabado antes desse horário, então as pessoas da fila foram dispensadas. Há previsão de uma nova campanha, mas ainda sem data definida.

Após o cadastro ser realizado, o sangue coletado vai para um laboratório, onde acontece os procedimentos necessários para inserir os voluntários no cadastro nacional de doadores.

Segundo a oncologista Luíza Milare, que acompanha o tratamento da garota no Hospital do Grupo de Pesquisa e Assistência ao Câncer Infantil (Gpaci), em Sorocaba (SP), a chance de encontrar um doador fora da família é de 1 em 100 mil . Por isso, a importância de incentivar o cadastro de doadores de medula.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“A nossa esperança que nesse mutirão consigamos achar um doador. Temos fé que iremos achar e que tudo dará certo. Ela não pode esperar. Já está bem debilitada. Ela está em um banco nacional e também no internacional, mas nada até agora. O tratamento com quimioterapia pra ela já é inviável, já que a medula dela está cansada e há um excesso de droga no corpo. Temos que achar alguém”, diz a mãe.

Ainda de acordo com a mãe, Júlia também acredita que tudo dará certo. “Ela é muito forte e apesar de tão nova e inocente, ela tem muita fé. Em todos esses dias difíceis que temos vivido, sempre ela tira uma de dentro dela que me fortalece. Ela diz: ‘mãe, eu vou vencer porque eu tenho Jesus e Ele é o médico dos médicos’. Fala sempre isso”, ressalta Adriana.

Via

Fotos: arquivo pessoal

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

barra reserva

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM




Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,847,081SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Bombeiro faz respiração boca a boca e salva a vida de cão vítima de incêndio

O bombeiro Andrew Klein e sua equipe foi acionada para atender uma emergência em Santa Mônica, nos Estados Unidos. Um incêndio acidental tomou conta de...

Senhorinha de 91 anos emociona ao narrar como conheceu o amor de sua vida no trem

Na correria do dia a dia, a gente não se dá conta do tempo passando e por vezes estamos mais vidrados na tela do...

ADOTADO! Cãozinho que entrou em clínica veterinária no Ceará ganha novo lar e nome fofo: Quindim!

Ai, ai... como amamos finais felizes! Foi esse o desfecho do cãozinho que entrou sozinho na clínica veterinária de Juazeiro do Norte (CE) e...

Abrigo em Nova York oferece almoço para moradores de ruas e seus animais

Na cidade de Nova York, a Igreja Graffiti, no Lower East Side, abriu suas portas não só para sem-tetos, mas para seus animais também, lá,...

Tutor leva cão debilitado por causa de um câncer para passear deitado em um carrinho

Maxwell colocou no carrinho um colchãozinho e um cobertor para acomodar o mascote. Os passeios são diários e deixam Maverick bastante feliz. Mesmo com o estado de saúde debilitado, ele mostra evolução – já consegue inclusive ficar sentado.

Instagram