Prefeitura de SP vai pagar salário mínimo para travestis poderem estudar

A prefeitura de São Paulo anunciará no fim do mês a criação de uma bolsa de um salário mínimo mensal (R$ 788) para que, inicialmente, cem travestis e transexuais da capital voltem a estudar e se matriculem em cursos técnicos do Pronatec. Para receber o salário do município, as beneficiárias terão que comprovar presença nas aulas. A exigência é semelhante à do principal programa de transferência de renda do governo federal, o Bolsa Família. A iniciativa é inédita no Brasil e na América do Sul e custará cerca de R$ 2 milhões aos cofres públicos em 2015. O valor é três vezes maior do que o orçamento do próprio governo federal para ações voltadas ao público LGBT no ano passado.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

2015-781295328-2015010850232.jpg_20150108

A ideia é prioritária para o prefeito Fernando Haddad, que pessoalmente pediu a elaboração do programa. A mãe de Haddad vive em uma zona de prostituição de travestis. O confronto cotidiano com a realidade teria gerado a urgência no prefeito.

Além de garantir educação (em salas mistas de duas escolas municipais no centro da cidade), o programa obriga as beneficiárias a prestar o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Em troca, além do dinheiro, a prefeitura irá fornecer hormônios femininos para as travestis em unidades básicas de saúde. Hoje há uma fila de quase duas mil pessoas à espera de tratamentos hormonais desse tipo na rede pública. Por falta de opção, muitas recorrem ao arriscado mercado negro.

Além disso, o município irá inaugurar o primeiro albergue público exclusivo para travestis. É para lá que deverá se mudar Jennifer Araújo, de 31 anos. Jennifer está sem casa nos últimos dois meses, desde que resolveu deixar de se prostituir e se inscreveu no programa municipal. Ela é reticente sobre sua condição anterior e desconversa quando perguntada sobre cafetinas e pontos de prostituição. Mas, com frequência, travestis são aliciadas sexualmente e pagam com o corpo pela moradia. Quando desistem da prostituição, ficam também sem teto.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

2015010850215

 

Leia a matéria na íntegra no site de O Globo.

Fotos: Fernando Donasci / Agência O Globo

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM



Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,275,963SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Garoto de 7 anos leva irmão menor à escola para não faltar na aula

Em uma pequena aldeia nas Filipinas, um garoto chamado Justin, de apenas 7 anos, levou seu irmão mais novo para estudar com ele, porque...

Menino que faz crochê para ajudar mãe dá aula para o ator Pedro Carvalho que fica impressionado; assista

Gente do céu, quanta coisa boa tá acontecendo na vida do André! Sabe qual é a última? Ele ensinou o ator Pedro Carvalho a...

Menino pede aniversário de 7 anos com tema MRV e empresa faz linda festa surpresa!

A gente ama festas de aniversário com temas diferentões. Mas o tema que o Miguel escolheu, esse a gente nunca viu. Nada de personagens...

Pai cria bota especial para filho com paralisia poder jogar futebol

Felipe não pode andar, a família faz de tudo pela felicidade dele. Mas Felipe sente falta de jogar bola com os meninos, um problema...

Pai refugiado que vendia canetas na rua agora tem três empresas e emprega outros refugiados

Abdul Halim al-Attar, um refugiado da Síria que foi fotografado vendendo canetas nas ruas de Beirute, agora é dono de três empresas na cidade após uma campanha de crowdfunding on-line em seu nome que arecadou US$ 191.000.

Instagram

Prefeitura de SP vai pagar salário mínimo para travestis poderem estudar 3