Prêmio de melhor professora do mundo vai para ex-refugiada; teve brasileiro na lista também

Tanto de fala da importância da educação, que prêmios como esse não são apenas para reconhecer estes profissionais que se dedicam a nos ensinar, mas também trazer novos exemplos ao mundo.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

É o caso da vencedora esse ano, a professora palestina que cresceu em um campo de refugiados, Hanan Al Hroub.

Considerado o “Nobel da Educação”, o prêmio Global Teacher, foi entregue pelo papa Francisco, além de um montante de US$ 1 milhão.

Hoje, Hanna leciona para refugiados e crianças traumatizadas pela violência. Ela utiliza jogos e brincadeiras encorajando-as a trabalhar juntos e recompensando atitudes positivas. “Professores podem mudar o mundo”, disse ela após receber a premiação. “Estou orgulhosa de ser uma professora mulher palestina aqui neste palco.”

Sunny Varkey, fundador da Varkey Foundation e criador do prêmio, disse esperar que a história de Hanan Al Hroub “inspire aqueles que querem entrar na carreira de professor”.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

O evento, que aconteceu em Dubai, contou ainda com um indicado brasileiro entre os 50 finalistas, o professor voluntário Marcio Andrade Batista. Ele foi o primeiro brasileiro selecionado em três anos do prêmio.

151209135955_marcio_abre_640x360_divulgaao_nocredit

Batista, que atua em Mato Grosso, usa uma metodologia que se baseia na aplicação das ciências à vida cotidiana.

Apesar da indicação, apenas os dez finalistas foram convidados a subir no palco. Confira quem são esses exemplos:

  • Maarit Rossi, Finlândia, que desenvolveu seu próprio método de ensinar matemática. A Finlândia tem alguns dos melhores resultados em matemática do mundo em provas internacionais, mas os alunos dela têm resultados ainda melhores que os padrões finlandeses
  • Aqeela Asifi chegou ao Paquistão como refugiada do Afeganistão e dá aulas para crianças refugiadas em uma escola que ela criou
  • Ayub Mohamud, professor de business do Quênia, chegou às finais com um projeto para desencorajar violência extremista e radicalização
  • Robin Chaurasiya de Mumbai, na Índia, fundou uma organização para ensinar e dar apoio a adolescentes em zonas de prostituição
  • Richard Johnson, professor de ciência de Perth, na Austrália, montou um laboratório de ciências para crianças de escola primária
  • Michael Soskil, da Pensilvânia, nos EUA, que já tinha ganhado um prêmio pela “excelência em ensinar ciências e matemática”, motiva seus alunos ao ligá-los a projetos ao redor do mundo
  • Kazuya Takahashi, do Japão, desenvolveu uma iniciativa para ensinar ciências e incentivar a cidadania global
  • Joe Fatheree, de Illinois, dos EUA, foi pioneiro em usar projetos com impressoras 3D, tecnologia de drones e usando games online como Minecraft
  • Colin Hegarty, professor de matemática de Londres que criou um site com aulas online

Fonte: BBC

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM






Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,994,891SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Irmãe! A comovente história de uma mulher trans que luta pela inclusão do irmão deficiente

A Thabata é aquela pessoa que dá vontade de ser amigo. Super alto astral, cheia de vida, apesar dos desafios de ser uma mulher...

Rapaz mobiliza redes sociais para achar dona de material escolar perdido em ônibus 

Na última sexta-feira (7), a auxiliar administrativo Jordana Silva esqueceu em um ônibus da linha São Terezinha/São Gabriel, em Belo Horizonte (MG), uma sacola...

Menina adotiva que nasceu sem as mãos ganha prêmio de melhor caligrafia

Annie Clark tem 7 anos, nasceu sem as mãos, mas isso não a impediu de conquistar um prêmio louvável: o de melhor caligrafia, oferecido...

Paciente com câncer em estágio terminal realiza o sonho de se casar em Campinas (SP)

Rosália enfrenta há um ano e meio um câncer raríssimo. Em fase terminal, ela ganhou o casamento dos sonhos!

Corredor cego ajuda atleta-guia e dupla conquista o bronze no Parapan

Os corredores Yeltsin Jacques e Rafael Santeramo correm literalmente grudados - e não é força de expressão. Yeltsin tem 0,5% da visão, o suficiente para...

Instagram