Após ficar preso injustamente por 20 anos, americano abre negócio com carcereiro

Juan Rivera ficou preso de 1992 a 2012 pelo estupro e assassinato de uma menina de 11 anos chamada Holly Staker, em Waukegan (EUA). Após uma série de apelações de sua defesa serem negadas, um juiz federal retirou as acusações por ilegalidades no julgamento do caso, incluindo materiais de DNA que apontavam para outro suspeito.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Os anos atrás das grades pela condenação injusta o renderam uma indenização de US$ 20 milhões, em 2015. Com o valor, Rivera pensou em ir para a Califórnia e tentar recomeçar a sua vida aos 42 anos, mas foi convencido a ficar no estado de Illinois por um amigo de longa data que conheceu na cadeia: o carcereiro Bobby Mattison.

Os dois se tornaram amigos durante os cortes de cabelo na penitenciária. Além de guarda, Mattison também era coordenador da barbearia da cadeia. No local, os presos ganhavam novos cortes, mas também a oportunidade de aprender a cortar cabelos.

Ao ser inocentado, Rivera viu uma oportunidade de criar uma escola para barbeiros ao lado de Mattison, que o convenceu de abrir a Legacy Barber College (Universidade de Barbearia Legado, em tradução livre) no estado no qual a maior injustiça da sua vida aconteceu.

“Esta ideia começou, acredite ou não, na prisão. Eu vi uma necessidade. Nós queríamos  ajudar os menos afortunados, Porque assim que eles saem, não costumam ter nada para apoiá-los.”

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Parcerias com escolas e universidades comunitárias

Para além de ex-presidiário, Rivera busca ensinar jovens em idade escolar e universitária. A Legacy Barber College possui parcerias com escolas de ensino médio e universidades comunitárias da região de Chicago (EUA).

Inclusive, o acordo entre a escola de barbeiros e as universidades comunitárias incluem até créditos acadêmicos para quem passa pelo curso.

Barbearia em Chicago
A Legacy Barber College, em Chicago, profissionaliza os jovens que se interessam por cortes de cabelo. Foto: Joe Ward/Block Club Chicago

Moradores da região também podem se matricular na Legacy. Para Rivera, esta é uma forma de mostrar ao jovens que é possível ter uma especialização e um emprego sem necessariamente entrar na faculdade.

“Nem todos estão tentando ir à universidade. Nós queremos mostrar que há uma carreira que eles podem escolher e ter uma vida produtiva. Este pode ser o primeiro degrau de uma vida produtiva.”

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Que história e que iniciativa! 👏💜

Quer conhecer mais histórias de superação? Dá o play! 

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM









Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
4,917,765SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Noiva visita amiga internada em hospital 1 hora antes do seu casamento

“A melhor parte da vida de uma pessoa está nas suas amizades”, disse uma vez Abraham Lincoln. As amigas Reginalda e Luiza de Fátima...

Em SP, paciente da Santa Casa conserta as cadeiras da instituição em gesto generoso

O mundo precisa de mais ação e menos reclamação! E é exatamente sobre isso que esta história fala! Na Santa Casa de Misericórdia de...

Cerveja SOL começa a ser produzida com 100% de energia solar no Brasil

Desde novembro, a cerveja SOL, que pertence ao Grupo HEINEKEN, utiliza energia solar na produção de 100% do seu volume no Brasil. A utilização da energia solar nas unidades de Ponta Grossa...

Mochileira viaja pelo país de carona e se surpreende com gentileza das pessoas

Dwanne Almeida trabalhava na área de Recursos Humanos, mas a certo ponto de sua vida, decidiu deixar sua rotina para ir atrás de seu...

Jovem com paralisia cerebral passa no exame da OAB

Sempre vai ter quem nos diga que algo é impossível e sempre vai ter quem nos prove que nada supera o esforço e dedicação...

Instagram

Após ficar preso injustamente por 20 anos, americano abre negócio com carcereiro 2