Homem preso injustamente vira advogado para corrigir erros da Justiça

Ele conhece a dor de pagar por um crime que não cometeu e por isso decidiu ajudar réus condenados por erros da Justiça. Essa é a missão do advogado norte-americano Jarrett Adams.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Adams passou uma década atrás das grades, após ser condenado injustamente por uma acusação de estupro, aos 17 anos, em 1997. O ex-detento tinha acabado de terminar o ensino médio, em Chicago, e foi a uma festa na Universidade de Wisconsin, onde junto com mais dois amigos conheceu uma jovem com quem se relacionou sexualmente.

Leia também: Juíza perdoa dívida de pai que largou tudo para cuidar da saúde do filho

Na época, ele afirmou que foi um encontro consensual, mas três semanas depois, a jovem denunciou os rapazes por agressão sexual. Como não tinham condições de arcar com os custos de suas defesas, foram levados à Justiça – um defensor público foi nomeado para defendê-los, mas decidiu não os ajudar.

“Esse cara [o advogado] nos disse: ‘Sabemos que vocês não fizeram isso. Eles não provaram o caso e a melhor defesa é não ter defesa’”, contou Adams em entrevista para a NBC News.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Pareceu bom, porque não sabíamos de nada. Mas, na realidade, foi uma ideia horrível não chamar testemunhas, não ligar, e colocar o problema na frente de um júri todo branco, racialmente carregado. Não tivemos chance”, recorda.

A Justiça condenou Adams a 28 anos de prisão, um dos amigos, a 20 anos. O outro foi absolvido após ter conseguido um advogado particular, apesar de ser acusado pelo mesmo crime.

O mundo caía sobre as costas de Adams, mas ele começou a ler livros sobre leis e encontrou um artigo na Constituição que exigia a assistência de um advogado ao réu. Ciente do seu direito, ele recorreu ao projeto penal Wisconsin Innocence, da Universidade de Wisconsin, que ajudou a revogar sua sentença, em 2007.

Um mês depois, Adams entrou para a faculdade de Direito, formou-se em 2015 e hoje trabalha na instituição que lhe tirou da prisão, ajudando pessoas acusadas injustamente e investigando casos de inocência.

“O que eu mais queria era dar orgulho à minha mãe, para que quando ela fosse à igreja e as pessoas perguntassem sobre seu filho, ela não abaixasse a cabeça em sua bíblia e começasse a chorar”, desabafou o advogado.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

crédito da foto: Reprodução/Facebook Jarrett Adams

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM



Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
4,265,903SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Espírito Santo vai ter 1ª brigada dos Bombeiros 100% formada por pessoas com Down

O Corpo de Bombeiros do Espírito Santo terá sua primeira brigada formada inteiramente por pessoas com síndrome de Down. A iniciativa é fruto de um...

Seu sonho era não passar fome, mas foi muito além e virou presidente de uma ONG (SP)

A partir da iniciativa de voluntários da região do Jd. Edite em São Paulo, que tinha como foco auxiliar famílias que possuíssem filhos com...

Cachorrinha guia policiais até o tutor ferido em acidente de caminhonete: “Ela é meu pequeno anjo”

Tinsley é uma cachorrinha que mal completou 1 ano de vida, mas se tornou uma heroína na costa leste dos Estados Unidos. No início deste...

Aluna indígena dá show em redação do Enem e sonha em ser dentista para atender comunidade

Moradora da comunidade Xokó, no Sergipe, a jovem indígena Ana Beatriz Rosa Lima, 18 anos, foi destaque entre os estudantes da rede estadual que...

Professor percorre interior do Afeganistão de bike para entregar livros a crianças e adultos

A bordo de sua bicicleta, o professor Saber Hosseini viaja pela zona rural de Bamiyan, no Afeganistão, para entregar livros a crianças e adultos que não têm acesso à educação.

Instagram