Em vez de envelhecer sozinhos, eles decidiram fundar a primeira “cohousing” para a terceira idade do Brasil

Derrubando tabus sobre envelhecimento, Bento da Costa Carvalho Jr, 75 anos, e Neusa da Costa Carvalho, 73, de Campinas (SP), juntaram um grupo para construir uma comunidade para a terceira idade. Neste depoimento, eles contam sobre a experiência inovadora:

“Assim que nos aposentamos, decidimos curtir a vida e fazer as viagens que sempre adiamos. Dois anos depois, com um grupo de amigos, começamos a pensar como gostaríamos de viver os próximos anos da nossa vida.

Foi então que surgiu a ideia da Vila ConViver, a primeira ‘cohousing’ para a terceira idade do Brasil. O modelo, que existe na Dinamarca desde os anos 1970, resgata a ideia da vizinhança e da solidariedade adequando as necessidades de moradia a essa nova fase da vida.

Quando envelhecemos, nossa renda cai e os gastos aumentam, assim como a necessidade de levar uma vida mais saudável e em boa companhia. Nesse modelo de residência para pessoas com mais de 50 anos, cada família tem sua casa, mas compartilha espaços comuns, como a cozinha comunitária, onde podemos fazer nossas refeições, uma pista de caminhada e áreas para encontros, cursos, cinema e artes – todas elas projetadas com total acessibilidade.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Mais tempo livre para contemplar

As casas são integradas com a natureza, pra trazer bem-estar nessa fase da vida em que temos mais tempo livre para contemplar. As varandas são voltadas umas para as outras, para que os moradores interajam. A ideia é conseguir equilíbrio entre privacidade e coletividade.

O projeto está em fase de conclusão, mas a vivência do grupo já acontece há seis anos. São cinquenta futuros moradores envolvidos no projeto. Quando surgem divergências, tentamos usar ferramentas da comunicação não violenta e da sociocracia para facilitar a construção de decisões comuns. No final, o que vemos é a matemática do 1+1=3.

Muitas vezes, a minha ideia junto com a do outro dá uma terceira, ainda melhor. Daí emerge a sabedoria coletiva, que é muito bonita, e nosso sentimento de comunidade.”

Para saber mais, acesse vilaconviver.org.br/vila/home/pagina/2 e cohousingemrede.com.br/sobrecohousing

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Texto: Gabriela Portilho
Foto: Marcus Steinmeyer

Conteúdo publicado originalmente na TODOS #44, em julho de 2022.

Relacionados

“Mudei minha rotina para diminuir a ansiedade e ter mais saúde mental”, conta cientista

Como pausar o ritmo acelerado da vida e dedicar mais tempo para si mesmo? Neste depoimento, a cientista de dados Kizzy Terra, 29 anos,...

“Perto dos 50, adotei um filho e reinventei minha vida”

Nunca é tarde pra recomeçar. Que o diga Fátima Provençano, personal trainer de 52 anos, que conta neste depoimento como mudou toda a sua...

+ DO CANAL

“Ajudei as mulheres da minha comunidade a trocar o trabalho pesado da roça pela prazerosa produção de mel”

A organização e a união das abelhas inspiraram Manoel Pessoa de Brito, 66 anos, de Barreiros (PE), a criar um apiário coletivo com as...

“Ao conhecer a dura realidade dos refugiados no Brasil, decidi criar um instituto para ajudá-los”

Em 2006, enquanto fazia um trabalho da faculdade de relações internacionais, o sociólogo Marcelo Haydu, 44 anos, de São Paulo, conheceu de perto a...

“Meus pets me motivaram a seguir depois da morte da minha mãe”

Superar um luto é sempre um processo árduo. Ana Luísa Grosso, fotógrafa, de São Paulo, conta, neste depoimento, como a gata Mitzi e a...

Mãe aos 52, ela inspira outras mulheres a encarar a maternidade tardia

Neste depoimento, a arquiteta e chef de cozinha Madalena Albuquerque, 59 anos, do Recife, conta como superou preconceitos ao decidir ter a filha, Maria...

Diagnosticado com câncer aos 13, adolescente combate doença e descobre vocação com apoio de ONG

Em janeiro de 2019, Aglailton Santos de Souza, de Fortaleza, então com 13 anos, recebeu o diagnóstico de leucemia linfoide aguda. Para sua mãe,...

Instagram