“Se ame e seja feliz com sua essência”, diz 1ª coronel trans da Polícia Militar em mais de 200 anos

Pela primeira vez desde sua fundação, em 1809 (213 anos atrás!), a Polícia Militar registrou uma mulher trans como tenente-coronel da corporação.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Maria Antônia, da PM do Distrito Federal, tem 60 anos e hoje está na reserva remunerada.

No início deste mês, ela foi à sede da PM-DF retificar os dados em seus documentos militares, se tornando a primeira transexual a chegar a uma patente tão elevada.

“Estou em uma posição de alegria e, ao mesmo tempo um local de visibilidade, um local de fala importante, para a comunidade trans”, disse Maria Antônia, enfatizando que a conquista abre portas na corporação.

maria antônia primeira coronel trans da Polícia Militar em mais de 200 anos

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Não apenas da minha história, mas das pessoas trans que vieram antes de mim e que virão posteriormente. Existe uma questão de espaço, de visibilidade para a comunidade”, disse a coronel da PM.

Em entrevista ao portal G1, Maria Antônia disse que foi admitida na Polícia Militar em 1987. Pouco depois, foi uma das fundadoras do 5º Batalhão, no Lago Sul, dedicado ao policiamento nos setores de embaixadas.

Ao longo dos anos, ela serviu no 1º Batalhão, na Asa Sul, no 2º Batalhão, em Taguatinga, e no 3º Batalhão, na Asa Norte. Hoje, aposentada, ela vive no interior do Rio Grande do Sul.

maria antônia primeira coronel trans da Polícia Militar em mais de 200 anos

Para a tenente-coronel, as pessoas trans precisam de mais assistência do estado. “A comunidade é muito desassistida, em vários sentidos, inclusive com relação a aspectos que envolvem saúde, empregabilidade e vulnerabilidade social“.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“É preciso dar visibilidade. Mas, para que haja visibilidade, as pessoas trans tem que estar vivas, e isso, no Brasil, se limita a 35 anos de idade, quando na população CIS, a estimativa de vida é de 70 anos”, complementou.

Estrada da transição

Dos últimos quatro anos pra cá, após deixar a PM, Maria Antônia passou por um processo de transição e intervenções cirúrgicas.

Conhecida como “transição segura”, essas intervenções envolvem o reconhecimento, identificação e aceitação própria.

“Você precisa se amar, e também ser feliz com a sua essência. Esse é um processo que varia de tempo para cada pessoa, não há um tempo definido”, contou.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

São diversas etapas ao longo dessa caminhada. “Por exemplo, as questão de acompanhamento médico, psicológico, e eventuais cirurgias. Mas as cirurgias não são um processo obrigatório, e nem definem nenhuma mulher trans ou travesti”.

maria antônia primeira coronel trans da Polícia Militar em mais de 200 anos

“O que define é a sua identificação e reconhecimento como pessoa do gênero feminino. Por isso é tão necessário que se use o tratamento de pronome correto, em respeito ao nome social”, complementou a tenente-coronel da PM.

No dia em que foi retificar os dados em seus documentos militares, Maria Antônia disse ter sido muito bem recebida pela Polícia Militar.

“Fui recebida de acordo com a legislação vigente, com respeito. Fui tratada corretamente, no gênero feminino, como mulher, e não houve burocracia. Foi uma tramitação rápida, fácil. Eu tenho só a elogiar a forma como fui atendida na corporação”, afirmou.

maria antônia primeira coronel trans da Polícia Militar em mais de 200 anos

Sobre seu processo de transição, ela destacou que não há idade ou momento certo para quem é trans. “Em qualquer idade, o importante é manter a sua essência, que tem início no seu início de vida e vai até o final da existência. Então, é preciso respeitar sua própria essência e seguir os passos para cada transição ser segura”, disse.

“As pessoas que estão no processo de transição devem seguir o seu próprio ritmo. Cada pessoa deve respeitar a sua essência e, de uma forma bem objetiva e clara, ser feliz. Viva a tua essência em plenitude. É a tua vida e a tua existência. Isso é o que importa”, completou.

Assista ao vídeo feito pela coronel em seu canal no YouTube:

Fonte: Correio Braziliense
Fotos: Arquivo pessoal

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM









Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
4,806,528SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Abrace uma criança – Doe cultura, educação e arte para crianças do Cantagalo

Para cada criança receber apoio escolar e aulas de música, é necessário um investimento mensal de R$200,00. São apenas R$6,70 por dia.

Animação nos lembra que vencer o câncer é mais fácil quando se está cercado de amor

O melhor remédio para tratar a doença é, antes de tudo, o amor.

“Seu crachá dizia ‘Bebê Desconhecido’. Soubemos imediatamente que ele era nosso!”

Nosso caminho até W começou em outubro de 2014, quando nossa família se mudou para Oklahoma (EUA). Todd e eu sabíamos que queríamos mais...

Trigêmeos que perderam a mãe ganham ensaio para celebrar 1 mês de vida; veja as fotos

Que lindezas, minha gente! Os trigêmeos que perderam a mãe ao nascer ganharam um ensaio fotográfico para celebrar 1 mês de vida. A mãe...

Agrônomo brasileiro desenvolve primeira telha hidropônica para cultivo do mundo

Todo o sistema da telha hidropônica é automatizado e o agricultor pode monitorar remotamente a umidade, teor de adubação, consumo de água, temperatura e pH.

Instagram

"Se ame e seja feliz com sua essência", diz 1ª coronel trans da Polícia Militar em mais de 200 anos 3