“O esporte mudou minha vida: me tornei a primeira mulher cadeirante triatleta do Brasil”

Danielle Nobile, 36 anos, paratleta de Riberão Preto (SP), conta como o esporte salvou sua vida e narra o caminho que a fez virar a primeira mulher cadeirante triatleta do Brasil.

“Eu era uma criança gordinha e vinha de uma família com problemas de obesidade. Então, perto dos 10 anos, comecei a praticar esporte para ajudar no emagrecimento. Fiz natação, handebol, vôlei… Até que, aos 20, participei de uma corrida de rua e vi que queria fazer isso pelo resto da vida. Passei a treinar e participar de provas enquanto atuava como professora de inglês.

Mas, cinco anos depois, quando me preparava para estrear na maratona e no triathlon, sofri um acidente de carro a caminho do trabalho. Os médicos disseram que, se eu fosse uma pessoa sedentária, teria morrido. O esporte salvou minha vida, inclusive porque me incentivou a lutar.

Eu fiquei tetraplégica, mas, como a lesão na medula não foi completa, consigo mexer os braços e as mãos. Só não tenho coordenação motora fina. Por sorte, consegui logo uma vaga em um hospital de reabilitação. Lá, não só aprendi a me virar sozinha como também voltei a praticar esportes e musculação. E não parei mais.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Escolhi viver da melhor forma na minha nova realidade”

Em vez de sobreviver e ficar vendo a vida passar pela janela, escolhi viver da melhor forma possível dentro da minha nova realidade. Foi por isso que, em 2015, pude realizar o sonho de participar de um triátlon. Acabei me tornando a primeira mulher cadeirante triatleta do Brasil, o que abriu oportunidades para que outras meninas também sonhem com essa possibilidade.

Ainda tenho uma lista enorme de provas que quero fazer, como a maratona de Nova York. E, há alguns anos, também trabalho com mentorias para ajudar as pessoas a ter uma vida mais saudável, de corpo e mente.”

Texto: Romy Aikawa
Foto: arquivo pessoal
Conteúdo publicado originalmente na TODOS #41, em janeiro de 2022.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Relacionados

“Superei violências e injustiças e hoje luto pelos direitos de milhares de mulheres”

Luiza Batista, 65 anos, líder nacional das trabalhadoras domésticas, do Recife, conta como superou o medo de lidar com seus empregadores e passou a...

Indígena conquista espaço das mulheres na Amazônia organizando jogos de futebol feminino

Considerada a cidade mais indígena do Brasil, São Gabriel da Cachoeira (AM) fica na região do Alto Rio Negro, a mais de 850 km...

+ DO CANAL

Artista e fazendeira preserva mata nativa, protege animais e enfrenta machismo nos campos do sul do país

À frente da Fazenda Cerro dos Porongos, nos arredores do Alegrete (RS), Graça Tirelli concilia a carreira de artista plástica com a de produtora...

“Superei violências e injustiças e hoje luto pelos direitos de milhares de mulheres”

Luiza Batista, 65 anos, líder nacional das trabalhadoras domésticas, do Recife, conta como superou o medo de lidar com seus empregadores e passou a...

Lição de união familiar: “Ao expressar minhas emoções, ajudei meu pai a fazer o mesmo”

Neste depoimento, o jornalista Leonardo da Silva Filomeno, 36, de São Paulo, conta como aprofundou a convivência com o pai depois que passou a...

Com aulas gratuitas de bodyboard em Aracaju, casal promove a inclusão de pessoas com e sem deficiência

Há uma década, o casal Byron Virgílio dos Santos Silva, 43 anos, e Anne Christiane dos Santos Bastos, 42, de Aracaju, deu início ao...

Indígena conquista espaço das mulheres na Amazônia organizando jogos de futebol feminino

Considerada a cidade mais indígena do Brasil, São Gabriel da Cachoeira (AM) fica na região do Alto Rio Negro, a mais de 850 km...

Instagram