Primeiro restaurante dentro de prisão gerenciado por detentos é inaugurado na Itália

Mostramos uma vez uma empresa nos EUA que tem um a cada três funcionários sendo ex-presidiários e ela está indo muito bem, obrigado, relembre aqui. Pois oura empresa tem feito algo bastante significativo:

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Há quatro prisioneiros como garçons e outros cinco como cozinheiros no restaurante encabeçado por um chef profissional e uma maître externos à realidade da prisão.

Esta é a equipe que trabalha no primeiro restaurante da Itália localizado dentro de uma prisão. InGalera abriu em 26 de outubro, no II Casa di Reclusione de Milão Bollate, com um objetivo claro: ajudar prisioneiros em processo de reabilitação de inclusão social.

O restaurante é um projeto da cooperativa ABC La Sapienza in Tavola e PwC, operação multinacional na área de consultoria empresarial que desempenhou um papel crucial nas fases de organização e de financiamento.

“É um projeto inovador, possível graças à colaboração com a ABC. A cooperativa já estava trabalhando na indústria de alimentos, mas nunca conseguiu lançar um restaurante”, disse Francesco Ferrara, sócio da PwC. “Graças à prisão de Bollate, conseguimos integrar 3 mundos diferentes: prisão, empresas e educação”.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

InGalera é um experimento social real: pela primeira vez na história, uma prisão abre suas portas para as pessoas, permitindo-lhes experimentar uma realidade frequentemente distante e ignorada. Além disso, ele permite que presos sejam gradualmente inclusos na sociedade.

“Eu realmente espero que o InGalera torne-se uma marca com credibilidade e renome que será capaz de representar um elemento crucial nos CVs dos prisioneiros”, disse Silvia Polleri, presidente da cooperativa ABC La Sapienza in Tavola.

São 50 lugares, aberto no almoço e jantar, de segunda a sábado. “Nós gostaríamos de ver esse projeto replicado, porque tem enormes benefícios sociais”, disse Ferrara. “Esperamos que ele seja bem sucedido também em outras prisões”.

Um dos detentos disse que foi um pouco difícil nos primeiros dias que o restaurante abriu, pois ele não estava mais acostumado a lidar com pessoas fora da prisão, “parecia que eu ia ter um ataque do coração”.

Doze euros o almoço, com um cardápio a preço fixo. Quarenta euros o jantar, com direito a uma lista de vinhos.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

[facebook=https://www.facebook.com/ajplusenglish/videos/670054726469371/]

chef-at-in-gallera-prison

chef-Ivan-Manzo-e-maitre-Massimo-Sestito

chi-siamo

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

cuochi-al-lavoro

gastronomia_reabilitativa

inGaleraandreaguermani

restaurante_estrelada_atras_das_grades

slider-bg1

Fonte: Life Gate

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM



Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
4,246,606SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Ela desenvolveu um jeito próprio de tocar violino por causa de doença rara e encanta com uma sonoridade única

As limitações de Gaelynn Lea não definem quem ela é nem a impedem de tocar violino.

Após 41 anos, amigas se reencontram em sala de aula ao retomar estudos em SP

“Já estava todo mundo sentado e eu cheguei atrasada e direcionei o olhar para o fundo da sala pensando onde eu ia sentar, aí escutei o grito e gritei de volta: Nossa!”, contou Iraci.

Como uma “simples” caixa de papelão está ajudando a diminuir a mortalidade infantil

"Queremos oferecer às novas mães soluções de baixo custo para salvar vidas ao combater as causas evitáveis de mortalidade infantil e materna", afirma Ladhani.

Casal brasileiro sai nas ruas distribuindo marmita para sem-tetos

Um dia o casal Joelma e Silvio Zequinão resolveram que não podiam mais ignorar a situação dos moradores de rua e passaram a fazer quentinhas...

Estudante quilombola da Bahia é aprovada em Medicina na UFPEL após dois anos de estudos

Foram dois anos de muito estudo e dedicação até a notícia que Carlúcia Alves Ferreira, 21 anos, tanto esperava: a jovem, que vive na comunidade...

Instagram