Prisão oferece curso de cosmetologia para detentos e a adesão é surpreendente

Até 2011, a Valley State Prison, em Chowchilla, na Califórnia, era uma prisão feminina. Na década de 90, a prisão criou um programa de cosmetologia para que as presas pudessem aprender uma profissão que facilitasse sua reintegração à sociedade após cumprirem a pena.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Como Cosmetologia entende-se como a área da ciência farmacêutica dedicada à pesquisa, desenvolvimento, elaboração, comercialização e aplicação de produtos cosméticos. Estuda os recursos de tratamento e embelezamento natural baseado no uso de produtos, substâncias e embalagens, denominados genericamente de cosméticos de aplicação externa e superficial.

Na prisão na Califórnia, o programa incluía habilidades de cabeleireiro, pedicure, manicure, além de tratamentos faciais. Porém, uma lei de Segurança Pública promulgada em 2011 permitiu a liberação antecipada de milhares de presas que haviam cometido pequenos crimes.  Muitos presos homens foram remanejados para o presídio, que decidiu oferecer o programa para os novos detentos.

presos aprendem cosmetologia
O detento Andrew Jones para tirar sua licença de cosmetologia na Valley State Prison em Chowchilla, California.

Curso de cosmetologia é oportunidade de se sentir livre

“Cortando cabelo lá fora, ninguém pergunta sobre sua passagem, desde que você tenha uma boa relação, boas habilidades de comunicação e boas habilidades pessoais”, disse o detento Andrew Jones ao site GOOD.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

O certificado e a licença de trabalho que os detentos recebem ao final do curso são os mesmos recebidos por estudantes matriculados em cursos de cosmetologia fora da prisão. Dessa forma, eles têm uma chance real de recomeçar suas vidas.  Afinal, dos 700 mil presos liberados das prisões nos Estados Unidos a cada ano, mais da metade volta a cometer crimes, em parte devido à falta de oportunidades de emprego.

alunos de cosmetologia

“É melhor fazer algo com o seu tempo e ter algo para mostrar, independentemente de onde você está”, afirma o detento Jones, um dos 27 estudantes matriculados no programa de cosmetologia da Valley State.

O curso acontece cinco vezes por semana e dura seis horas. No final do dia, os materiais são contados e guardados. Se algum item desaparecer, a sala de aula e outras instalações são interditadas. Mas, desde que o programa começou, não há nenhuma ocorrência registrada. Para os detentos, as aulas preenchem o tempo atrás das grades.

“É como uma pausa da prisão, por causa da forma como o pessoal interage com a gente e como interagimos uns com os outros aqui”, diz Daniel Bezemer, que trabalha na recepção. Ele é o primeiro graduado no programa. Michael Cowels, um colega de trabalho, acrescenta: “Temos muitos problemas de confiança na prisão. Aqui quebramos as barreiras”. “Este lugar me faz sentir livre”.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

alunos de cosmetologia

alunos de cosmetologia

Fotos: Joshua Schaedel

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM



Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
2,849,393SeguidoresSeguir
24,910SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Após ter cadeira de rodas furtada, estudante de jornalismo ganha 3 e doará 2

José Silva, 54 anos, teve sua cadeira de rodas furtada no início do mês passado, em Juazeiro do Norte (CE). Ele emprestou a cadeira de...

Artistas lançam campanha para promover cultura quilombola

No início de 2018, o artista Evandro Angerami e a diretora de arte e pesquisadora cultural Julia Paranaguá pegam estrada rumo à Chapada Diamantina,...

Jogo de palavras-cruzadas te coloca lugar de pessoas com Alzheimer

A ideia é poder ajudar no diagnóstico da doença e facilitar a vida de pacientes e seus familiares.

Menino de 8 anos gosta tanto de ler que organizou uma feira de livros em sua casa

A leitura pode ser para todos. O Igor, de apenas 8 anos, não somente ama ler, como organizou uma feira do livro em sua casa,...

Moradores de favela perto do lixão em MS cultivam horta comunitária e se alimentam muito bem

O engenheiro agrônomo Carlos Salles teve a ideia de iniciar um plantio comunitário para que moradores de favela da Cidade de Deus, em Campo Grande, MS...

Instagram

Prisão oferece curso de cosmetologia para detentos e a adesão é surpreendente 2