Professor com câncer ganha licença de colegas para tratamento

O professor Robert Goodman, de Palm Beach, Flórida (EUA), tem um câncer de cólon e precisava de mais 20 dias de licença para continuar o tratamento de quimioterapia sem ter o salário descontado, pois já tinha usado todos os dias que podia.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Ele pediu ajuda aos colegas, que não hesitaram em doar seus próprios dias de licença médica. No dia 23 de julho, o professor escreveu um post no Facebook, de dentro do hospital, pedindo pelas doações.

Leia também: Alunos fazem rifa para ajudar professor que está há dois meses em receber

O post foi compartilhado inúmeras vezes e, em quatro dias, tinha rendido dias de licença suficientes para que Goodman pudesse tratar a doença durante todo o semestre.

“Não acreditei que isso iria acontecer tão rapidamente. Educadores de todo o país me contataram para doarem seus dias de licença, até mesmo professores da Florida Atlantic University”, declarou Goodman para a CNN.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

O professor dá aulas de História na Palm Beach Gardens Community High School há 23 anos e descobriu o câncer de cólon em abril. Desde então, Goodman começou a documentar sua luta em postagens no Facebook, narrando as dificuldades de se enfrentar a doença e encorajando pacientes que estivessem passando por uma situação parecida.

No post em que pedia doações, Goodman conta que iria requerer um pedido de afastamento médico que lhe garantiria mais 12 semanas de tratamento. Porém, deveria somar mais 20 dias de licença médica aos que tinha passado fora da sala de aula.

Por já ter usado esse direito há dois anos, no entanto, não conseguiria alcançar essa soma sozinho. Foi então que ele teve a ideia de pedir aos colegas que doassem seus dias de licença médica para atingir a meta.

Entre os doadores, também havia diretores e até merendeiros de várias escolas dos Estados Unidos. Ao todo, eles transferiram 75 dias de licença médica para Goodman – quase quatro vezes mais dos 20 necessários!

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Não fiquei surpresa em ver professores doando, eles já são acostumados a isso. Quando um deles precisa de ajuda, todos sempre se organizam. Ver alunos compartilhando histórias em que os influenciei positivamente foi uma ótima maneira de me lembrar por que escolhi ensinar, além do motivo pelo qual mal posso esperar para voltar”, disse.

As aulas na escola de Goodman começaram no dia 13 de agosto – o professor permanece afastado por conta do tratamento. Além dos cuidados médicos, ele afirmou que gasta seu tempo compondo músicas – um hobby que o acompanha “a vida inteira”.

Goodman disse ainda para a CNN que espera que sua história inspire outras pessoas e valorizou a empatia dos doadores: “Qualquer um pode ter câncer, mas nem todos são capazes de ajudar”.

crédito das fotos: Reprodução/Facebook Robert Goodman

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM



Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,646,763SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Funcionários de hospital criam barreira ‘anti-Covid’ para poder almoçar juntos com segurança

O pessoal que trabalha no Serviço de Nutrição do Hospital Estadual Alberto Rassi (HGG), em Goiânia (GO), agora pode almoçar junto, graças a uma...

“WhatsApp para surdos” promete facilitar a comunicação entre todos

Já imaginou que pessoas com deficiência auditiva também precisam se comunicar? Uma dessas soluções é o Whatsapp para surdos. Existe uma barreira comunicativa entre surdos...

Documentário sobre homofobia no Congresso busca apoio e traz família de duas mães

"Em Defesa da Família" é um documentário sobre homofobia no Congresso idealizado pela Daniella Cronemberger, jornalista e editora da Agência de Notícias da Câmara dos Deputados,...

Cientistas anunciam exame de sangue que detecta melanoma

Cientistas australianos anunciaram a descoberta de um teste de sangue capaz de detectar o melanoma em seu estágio inicial.

Estudantes de Caxias do Sul tornam realidade sonho de 12 adolescentes

Estudantes do Centro Universitário da Serra Gaúcha organizaram a festa de 15 anos de 12 adolescentes em vulnerabilidade social.

Instagram