Professor constrói carrinho especial para ajudar alunos cegos a explorar o mundo sem medo

Ser professor de educação especial não é apenas um título para Cikgu Azam, mas uma prova viva de sua paixão por ajudar os outros.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Anos atrás, antes de descobrir sua vocação, Cikgu formou-se em ciências florestais pela Universidade Putra, na Malásia, um pequeno país do sudeste asiático. Nesse meio-tempo, trabalhava como técnico em informática.

A faculdade e o trabalho não agradavam o rapaz, que começou a se aventurar em uma atividade que antes via apenas como um passatempo: dar aulas para crianças em idade escolar.

professor constrói carrinho especial alunos cegos

Em 2007, esse “passatempo” o levou a desenvolver atividades para crianças com deficiência (física, motora e intelectual). Como Cikgu não estava familiarizado com as necessidades desses alunos, ele reservou um tempo para se educar por meio de livros e seminários.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Foi em um desses encontros que o aspirante a professor conheceu um aluno com paralisia cerebral que estava tendo problemas para participar de uma gincana: ele não conseguia coletar pedras em um rio como as outras crianças.

Naquele momento, Cikgu se lembrou de ter aprendido sobre terapia com água e decidiu fazer com que o menino mantivesse as mãos na água.

“Depois de alguns minutos, a rigidez em suas mãos começou a diminuir e comigo as guiando, ele foi capaz de coletar algumas pedras do rio”, disse ele. “Enquanto eu o estava ajudando, pude ouvir as lágrimas de alegria vindo de seus pais que também estavam lá conosco.”

Esse lindo momento gravou-se na mente e no coração de Cikgu. Com o incentivo de seus amigos, ele voltou à faculdade para se formar em educação especial.

professor constrói carrinho especial alunos cegos

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Dois anos depois, em 2009, ele estava pronto para se tornar um professor preparado a rotina em sala de aula, além de treinado para capacitar alunos com autismo e transtorno hiperativo.

Ao chegar à escola, Cikgu ficou surpreso ao descobrir que também ensinaria alunos com deficiência visual e cegos. Isso tornou seu primeiro ano um desafio, mas assim como havia feito antes, o professor gastou o tempo que precisava para se educar sobre o que melhor ajudaria seus alunos.

Quando começou a interagir com os estudantes, percebeu que muitos deles não reconheciam seu próprio potencial.

“É decepcionante ver que são crianças inteligentes, mas estão tão acostumadas com seu ambiente fechado que não se abrem para conhecer o mundo exterior. Mesmo sendo deficientes visuais ou cegos, eles merecem explorar o mundo exterior”, disse. “Portanto, o desafio para mim é devolver a confiança a eles e, por meio de atividades e interações externas, ajudá-los a recuperar a confiança.”

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Cikgu faz isso incentivando seus alunos a correr, sempre com as mãos em seus ombros, para guiá-los. Uma de suas alunas, Nur Yusrina Alisya, não só adora correr, mas também se tornou uma estrela na escola, ganhando diversos prêmios e troféus em eventos esportivos locais.

O professor adora dar a seus alunos a liberdade de correr, mas conforme ele fica mais velho, fica difícil acompanhá-los. Felizmente, um aluno deu a ele a inspiração exata de que ele precisava!

@cguazamRamai tanya ttg versi awal.Sebijik mcm trolley pasaraya 😂.Tapi Alisya waktu ni gembira sgt sebab 1st time lari xperlu pegang bahu cikgu @ guna tali.♬ original sound – K H A I

“Bem, um dia, durante o treinamento, vi um dos alunos empurrando um carrinho dobrável e de repente a ideia me veio à mente. Pedi a Alisya para fazer um teste com o carrinho e ele funcionava apesar de sua falta de flexibilidade, uma vez que ele não pode girar.”

Desde então, Cikgu transformou a ideia de criar um dispositivo acessível para os alunos cegos em missão. Com alguns tubos de PVC e conectores de junta reciclados, ele construiu seu primeiro protótipo: o Caballus RAFVI. Os vídeos que ele compartilhou de seus alunos usando-o rapidamente se tornaram virais na internet.

“A razão pela qual escolhi o nome de um cavalo (Caballus) é porque, durante a primeira guerra mundial, os cavalos eram o principal meio de transporte dos militares”, explicou. “No entanto, a maioria dos cavalos são cegos ou deficientes visuais como resultado da guerra, mas os militares ainda usam esses cavalos, pois ainda podem comandá-los e guiá-los”.

@cguazamThis is my inovation project.Special to assist my blind student for their running.. 😁😁😁 Berjaya habiskan 5km last year.Bangga cikgu♬ original sound – HRC IWAN🇮🇩 – IWAN🇮🇩

Apesar da pandemia ter desacelerado seus esforços de inclusão para com os alunos, Cikgu está fazendo tudo o que pode para ajudá-los a perseverar neste caminho.

“Todos os meus alunos são muito especiais para mim e alguns deles também fazem parte da equipe esportiva da escola. Eles precisam de um aparelho que os ajude para que possam participar de atividades esportivas ”, disse. “Este dispositivo é capaz de atender a essa necessidade e definitivamente ajuda a aumentar a confiança deles”.

Que trabalho incrível, Cikgu! Ser professor é muito mais do que uma profissão, mas uma paixão em ajudar o próximo.

Veja também:

Fonte: Inspire More
Fotos: Reprodução / TikTok: @cguazam

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM




Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,827,226SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Mesmo em grupo de risco, padre leva comida a sem-teto durante pandemia de Covid-19 em SP

O padre Júlio Lancellotti, 71 anos, há décadas é conhecido pelas ações com moradores em situação de rua de São Paulo. E não seria...

Para não abandonar seus cães, mulher que perdeu casa dorme na rua com eles e ganha vaquinha para conseguir um lar

A Vanessa teve que enfrentar um problemão nesses tempos. Ela foi despejada, acabou parando nas ruas de São Paulo, com seus cachorros. Ela é muito...

Policiais no Acre acolhem gatas de rua na delegacia e diminuem estresse no trabalho

“Essas gatas são consideradas parte da equipe e ajudam a melhorar o ambiente"

Burger King dará lanche em troca de presentes de Natal que você não gostou

Hoje é dia de bondade! A rede Burger King aproveita do clima natalino para presentear os clientes que fizerem uma boa ação. Quem ganhou...

Instagram