Professor de Educação Física adapta aulas para alunos com deficiências e autismo

A primeira vez que o professor de Educação Física Luiz Dias de Siqueira Junior, do Rio de Janeiro, teve contato com o esporte adaptado foi quando um amigo e atleta de taekwondo teve a perna amputada por causa de um acidente.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Como forma de incentivá-lo, procurou o esporte adaptado e há 14 anos aplica esta modalidade nas suas aulas. O resultado disso? Uma lição de inclusão, onde todo mundo participa!

Quando você inclui um aluno com deficiência numa aula e ele consegue fazer, ele tem uma injeção de autoestima muito grande!”, contou ao Razões.

professor de educação física de pé em frente de um ppilar da qudra de uma escola
“Às vezes temos alunos com uma deficiência grave e temos que correr atrás desse conteúdo e adaptar as aulas para eles. O professor só por falta de vontade que não vai”. Foto: Divulgação/InstitutoPenínsula

Luiz dá aula para alunos do Ensino Fundamental com deficiências físicas e autismo. Ele promove a inclusão desses alunos, enquanto os demais aprendem sobre empatia e a lidarem com as diferenças.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Eles percebem como cada um é, e ajudam os colegas a fazerem as atividades e os incentiva. Já tive alguns alunos autistas severos, não verbais, que não se comunicam, e a gente tenta deixá-los de maneira livre para entender e compreender essas aulas. Eles participam e gostam muito dos circuitos”, disse.

Leia também: Instituição fabrica cadeira de rodas especial para crianças com doença rara poderem brincar!

professor de educação física brincando com os alunos numa aula adaptada
“A empatia é o que mais aprendemos com o esporte adaptado”. Foto: Divulgação/InstitutoPenínsula

professor de educação física brincando com os alunos numa aula adaptada
Foto: Arquivo Pessoal

professor de educação física brincando com os alunos numa aula adaptada
Foto: Arquivo Pessoal

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

professor de educação física brincando com os alunos numa aula adaptada
Foto: Arquivo Pessoal

Experiência nos Jogos Paralímpicos

Nos Jogos Paralímpicos que aconteceram no Rio de Janeiro em 2016, o professor teve a oportunidade de trabalhar e aprender com os paratletas.

“Nos Jogos Paralímpicos levamos cadeiras de rodas para o pessoal experimentar. Em um dos dias lá, chegou um menino de dez anos, talvez um pouco menos, cadeirante, para experimentar. Estávamos fazendo uma experimentação de brincadeira, quando a mãe falou: ‘olha, ele não quer brincar, quer jogar de verdade’”.

Foto: Arquivo Pessoal

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

professor de educação física nos Jogos Paraolímpicos do Rio de Janeiro
“É isso, eles superam nossas expectativas. Ficamos pensando que vai ser uma coisa, que vai ser na brincadeira e eles superam nossas expectativas”. Foto: Arquivo Pessoal

Aprendendo mais sobre educação física inclusiva

Para auxiliar os professores de Educação Física nesse processo de inclusão, o Impulsiona, iniciativa de educação esportiva do Instituto Península, se uniu ao Comitê Paralímpico Brasileiro para criar o curso online Movimento Paralímpico: fundamentos básicos do esporte.

O conteúdo gratuito ajuda os professores, na teoria e na prática, a ensinar esportes como futebol de 5, goalball, vôlei sentado e outros.

“Segundo a UNESCO, mais de 45 milhões de brasileiros têm algum tipo de deficiência. A escola precisa, portanto, ser inclusiva, acessível e promover igualdade entre todos. Mas sabemos que muitas vezes o professor não recebe formação adequada nessa temática, principalmente na Educação Física, que mexe muito com o corpo dos jovens. Como ensinar esportes para um cadeirante ou um cego?”, reflete Vanderson Berbat, diretor do Impulsiona.

Vanderson Berbat, diretor do Impulsiona
“Estudos mostram que o exercício físico, assim como comer e dormir bem, tem grande contribuição para o desenvolvimento cognitivo dos jovens. Então, os alunos com deficiência têm o direito de praticar esportes como qualquer outro aluno”. Foto: Gabriel Nascimento

Para acessar o curso, só clicar aqui.

beija-flor

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM



Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,634,668SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Homem constrói carteiras escolares de graça para apoiar aprendizagem online de alunos carentes

O Mitchell Couch é daquelas pessoas que resolveram tornar o acesso ao estudo online, nesta pandemia, um pouco menos difícil. Ele é marceneiro e construiu...

Matheus Nachtergaele escreve carta para Ariano Suassuna

O momento de comoção por Ariano Suassuna tomou conta do Brasil. Além de familiares e amigos próximos, escritores, atores, políticos e leitores exaltam a...

A cada hambúrguer vendido, essa hamburgueria complementa uma refeição para quem precisa

A hamburgueria Doug’s fechou uma parceria bem legal com a ONG Banco de Alimentos. A cada hambúrguer vendido, a hamburgueria complementa uma refeição para pessoas...

Youtuber dá 100 dólares para morador de rua, e o que ele fez com o dinheiro vai restaurar sua fé nas pessoas

Quase todos nós (e eu incluso) imaginamos que quando ajudamos algum morador de rua com dinheiro, provavelmente ele gastará com muita cachaça, certo? Pois é,...

American Airlines contrata sua primeira aeromoça com Síndrome de Down

Shantell tem apenas 17 anos, mas já fez história na American Airlines, a maior companhia aérea do planeta. A jovem é a primeira pessoa...

Instagram