Professor da UFRN é coautor de pesquisa internacional que identificou fatores genéticos para o Alzheimer

O professor Marcos Costa, da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), é destaque de uma pesquisa internacional que descobriu 75 genes ligados ao risco de desenvolvimento do Alzheimer.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Marcos é o único brasileiro de uma equipe que envolveu cerca de 20 países e mais de 120 instituições – entre laboratórios, universidades e hospitais, – além de 386 pesquisadores de todas as áreas da ciência.

Suas descobertas foram publicadas na revista científica Nature Genetics em abril.

O brasileiro, formado em Medicina e doutor em Fisiologia, é coautor do estudo. Atualmente, ele trabalha como professor adjunto da UFRN, onde chefia o laboratório de Neurobiologia Celular do Instituto do Cérebro.

Professor da UFRN se destaca em pesquisa internacional que descobriu fatores genéticos para o Alzheimer
Marcos Costa é professor do ICe/UFRN e pesquisador do Instituto Pasteur — Foto: Divulgação/UFRN

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Em 2019, Marcos atuava como professor visitante no Instituto Pasteur de Lille, na França, onde o estudo foi desenvolvido. A descoberta de fatores genéticos que aumentam os riscos de desenvolver Alzheimer é a culminação de um trabalho que ele se aprofunda há muitos anos.

Tanto que já escreveu 5 artigos sobre o assunto, dos quais em três ele figura como pesquisador principal.

Esta é uma das maiores pesquisas sobre risco genético para a doença em toda a história. Para chegar aos resultados, Marcos e os demais integrantes da equipe analisaram os genomas de milhares de pessoas com diagnóstico clínico de Alzheimer e compararam com genes de indivíduos cognitivamente saudáveis.

Foram utilizados genomas de mais de 15 países da União Europeia, Brasil, Argentina, Canadá, Austrália, Nigéria, Islândia, Nova Zelândia, EUA e Reino Unido.

Com essas informações em mãos, os cientistas criaram uma espécie de “pontuação de risco” genético que poderá contribuir para identificar indivíduos com maior susceptibilidade de desenvolver a doença.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

ilustração sobre o alzheimer
Foto: Reprodução / Roche

“A doença de Alzheimer é a principal causa de demência e tem um grande impacto na sociedade. A descoberta de genes associados com o aumento do risco de desenvolver a doença é um primeiro passo no sentido de entendermos a fisiopatologia da doença. O meu trabalho principal é estudar os processos biológicos regulados por estes genes em células neuronais e gliais humanas com o objetivo de elucidar os mecanismos patológicos da doença de Alzheimer e desenvolver novas abordagens terapêuticas”, disse Marcos.

Ele também destacou que uma pessoa com os genes identificados possuem até 20% mais chances de desenvolver o transtorno. Ainda assim, esses números não são determinantes.

Em outras palavras, ainda que uma alteração genética seja identificada, isso não significa com certeza que o indivíduo irá desenvolver a doença de Alzheimer.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“No futuro, quando a gente souber exatamente o que cada um desses genes está afetando, vamos poder escolher o tratamento do paciente de acordo com as alterações genéticas identificadas nesse indivíduo. De fato, a genética sugere que a doença de Alzheimer seja altamente heterogênea, com diferentes alterações patológicas podendo provocar o mesmo desfecho clínico (perdas cognitivas). E, para cada uma dessas diferentes alterações patológicas, vão existir tratamentos mais eficazes e específicos. Mas, para chegarmos a este ponto, precisamos avançar mais no entendimento do papel biológico dos genes de risco e como eles contribuem para a doença”, explicou o professor.

Nesse sentido, o estudo dos genes é estratégico para antecipar o diagnóstico do Alzheimer, aumentar a qualidade de vida do paciente e implementar terapias preventivas que impeçam o desenvolvimento da demência.

Graças aos esforços de Marcos, no futuro será possível não apenas selecionar com eficiência os tratamentos mais adequados, mas também detectar variantes genéticas nos descendentes e pensar numa nova terapia profilática para esses indivíduos.

Hoje, mais de 35 milhões de pessoas espalhadas pelo mundo sofrem com a patologia.

Fonte: Livre TV Notícias

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM










Professor da UFRN é coautor de pesquisa internacional que identificou fatores genéticos para o Alzheimer 2

Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
5,145,534SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Supremo Tribunal Federal considera “ilegal” a prática da vaquejada no país

Em uma decisão apertada na tarde da última quinta-feira (6), o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu que a vaguejada é uma prática que causa...

Mulher de 53 anos opta por deixar o cabelo natural pela 1ª vez e recebe enxurrada de elogios: ‘Me sinto livre’

Aos vinte e poucos anos, a escritora dinamarquesa Annika von Holdt começou a notar o crescimento de fios brancos com cada vez mais frequência...

Em 5 anos, jovem imigrante cubano aprende inglês, conclui mestrado e é contratado pela NASA

Em 2015, Antonio Macias e sua família decidiram trocar Cuba pelos EUA, viajando quase 1.500 km até Houston, a maior cidade do estado do...

Café em SP fortalece a tendência de trabalhar de bicicleta com assistência aos ciclistas

Hoje em dia, para quem vive em grandes centros urbanos, não é fora do comum o pensamento de abandonar o carro em casa e...

Gugu Liberato ‘permanecerá vivo’ em até 50 pessoas com doação de órgãos

Apesar da grande tristeza causada pela morte do apresentador Gugu Liberato, a fatalidade também poderá trazer alegria pra muitas famílias, graças a bondade de...

Instagram

Professor da UFRN é coautor de pesquisa internacional que identificou fatores genéticos para o Alzheimer 3