De forma lúdica, professora orienta crianças onde pode e onde não pode tocar

A discussão está em alta sobre a questão dos abusos sexuais de crianças e adolescentes e uma professore resolveu ajudar a criar nos meninos e nas meninas a consciência sobre quais partes podem ou não ser tocadas pelas pessoas.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

De forma bem descontraída, a tia Jennifer vai mostrando no quadro quais são as partes íntimas do corpo e onde as pessoas podem por a mão. “Depois que eu vi aquela situação da menina de 10 anos que foi abusada e ficou grávida, pensei que precisávamos fazer isso”, disse.

As aulas acontecem de tempos em tempos. “Educação sexual é importante por muitos fatores. Primeiro que ensina a criança a se proteger, a contar, a entender. A maioria dessas crianças que sofre abuso é em casa e acreditam que isso é normal, porque se o tutor faz isso é algo normal“, explicou Jennifer.

O Centro Educacional Jennifer Garrido é uma escolinha particular de reforço escolar, voltada principalmente para crianças com transtornos de desenvolvimento. “Uso bastante didática de psicologia, trabalho brincando, porque a criança se sente tranquila para aprender”, disse.

Professora de costas ensinando atividade no quadro escolar para crianças
Jennifer é formanda em matemática e tem vários cursos sobre alfabetização e trabalho com crianças com transtornos do desenvolvimento. Foto: Arquivo pessoal

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Vaquinha para faxineira, que usou auxílio emergencial para vender frangos, não perder o seu negócio

Veja que legal a aula dessa professora:

View this post on Instagram

Forma lúdica de ensinar onde pode e onde não pode tocar. Estamos em momentos difíceis e devemos proteger nossos filhos. EDUCAÇÃO sexual não é ensinar sexo!!! https://youtu.be/qBdlUSbHv9A

A post shared by CEI Jennifer Garrido (@ceijennifergarrido) on

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Para Jennifer, essas aulas além de evitar que as crianças sejam vítimas de abusos, elas tomam consciência do respeito aos outros. “Também evita futuros abusadores porque aprendem a respeitar o corpo do outro, a não assediar”, disse.

Jennifer entende que a escola tem papel fundamental nesse processo. “A escola se torna um porto seguro“, disse. Ela e outros professores já perceberam relatos e sinais nos corpos. “Nós professores que estamos todos os dias com eles conseguimos observar o que as outras pessoas não observam: os sinais dos corpos, os sinais de pedido de socorro”, disse.

Ah, e apenas alguns alunos que necessitam do ensino presencial estão tendo aulas na escolinha. A grande maioria assiste a aulas online.

Crianças sentadas em carteiras em sala de aula com distanciamento e usando máscaras
Aulas presenciais são para apenas algumas crianças e atendem ao distanciamento e uso de máscaras. Foto: Arquivo pessoal

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Você está prestando um ótimo serviço à sociedade, professora!

selo conteúdo original

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,777,821SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Voluntarioso, comerciante retira lixo de lago numa jangada

Com uma jangada feita de tubos de PV, o comerciante Antonio Ferreira de Araújo, de 60 anos, recolhe garrafas, sapatos, embalagens e latas lançados...

Barbearia dá desconto para crianças que leem livro em voz alta enquanto cortam o cabelo

As crianças que cortam cabelo lá ganham um desconto de dois dólares em troca da leitura de um livro em voz alta.

Casal gay abre apê no RJ e conta sua história de amor

O carioca Sérgio e o canadense Kyle dividem um apê no bairro de Botafogo, no Rio de Janeiro. A burocracia da imigração tem dificultado a...

Vendedor de cocadas compra máquinas de costura para fazer perucas pra pacientes com câncer

No início de 2016, a esposa do comerciante Elenilson José da Silva foi diagnosticada com câncer de mama. Após ser submetida ao tratamento, ela...

Mãe conta relato comovente sobre transformação de menino resgatado em orfanato

Ela adotou o menino que, na época, tinha 7 anos de idade e pesava somente 3 kg.

Instagram