De forma lúdica, professora orienta crianças onde pode e onde não pode tocar

A discussão está em alta sobre a questão dos abusos sexuais de crianças e adolescentes e uma professore resolveu ajudar a criar nos meninos e nas meninas a consciência sobre quais partes podem ou não ser tocadas pelas pessoas.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

De forma bem descontraída, a tia Jennifer vai mostrando no quadro quais são as partes íntimas do corpo e onde as pessoas podem por a mão. “Depois que eu vi aquela situação da menina de 10 anos que foi abusada e ficou grávida, pensei que precisávamos fazer isso”, disse.

As aulas acontecem de tempos em tempos. “Educação sexual é importante por muitos fatores. Primeiro que ensina a criança a se proteger, a contar, a entender. A maioria dessas crianças que sofre abuso é em casa e acreditam que isso é normal, porque se o tutor faz isso é algo normal“, explicou Jennifer.

O Centro Educacional Jennifer Garrido é uma escolinha particular de reforço escolar, voltada principalmente para crianças com transtornos de desenvolvimento. “Uso bastante didática de psicologia, trabalho brincando, porque a criança se sente tranquila para aprender”, disse.

Professora de costas ensinando atividade no quadro escolar para crianças
Jennifer é formanda em matemática e tem vários cursos sobre alfabetização e trabalho com crianças com transtornos do desenvolvimento. Foto: Arquivo pessoal

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Vaquinha para faxineira, que usou auxílio emergencial para vender frangos, não perder o seu negócio

Veja que legal a aula dessa professora:

View this post on Instagram

Forma lúdica de ensinar onde pode e onde não pode tocar. Estamos em momentos difíceis e devemos proteger nossos filhos. EDUCAÇÃO sexual não é ensinar sexo!!! https://youtu.be/qBdlUSbHv9A

A post shared by CEI Jennifer Garrido (@ceijennifergarrido) on

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Para Jennifer, essas aulas além de evitar que as crianças sejam vítimas de abusos, elas tomam consciência do respeito aos outros. “Também evita futuros abusadores porque aprendem a respeitar o corpo do outro, a não assediar”, disse.

Jennifer entende que a escola tem papel fundamental nesse processo. “A escola se torna um porto seguro“, disse. Ela e outros professores já perceberam relatos e sinais nos corpos. “Nós professores que estamos todos os dias com eles conseguimos observar o que as outras pessoas não observam: os sinais dos corpos, os sinais de pedido de socorro”, disse.

Ah, e apenas alguns alunos que necessitam do ensino presencial estão tendo aulas na escolinha. A grande maioria assiste a aulas online.

Crianças sentadas em carteiras em sala de aula com distanciamento e usando máscaras
Aulas presenciais são para apenas algumas crianças e atendem ao distanciamento e uso de máscaras. Foto: Arquivo pessoal

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Você está prestando um ótimo serviço à sociedade, professora!

selo conteúdo original

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
2,829,971SeguidoresSeguir
24,609SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Festival ‘Artistas de Rua’ ocupa São Paulo com maioria de artistas mulheres

O festival retorna para São Paulo com 31 apresentações em espaços públicos espalhados pela cidade, de 28 de setembro a 12 de outubro. Vai ter samba, rap, choro, jazz, forró, MPB e pop!

Atacante da Roma marca gol e comemora abraçando avó na arquibancada

O atacante Florenzi emocionou os torcedores da Roma em uma partida contra o Cagliari. Ao marcar o segundo gol de seu time sobre o adversário,...

Menino cadeirante que sonha ser policial ganha surpresa em Aracaju

A fanpage do Aracaju Agora Notícias publicou uma história sensacional, que fazemos questão de mostrar aqui. A Polícia Militar de Sergipe, por meio da Companhia...

Após 18 cirurgias, menino de 12 anos se torna palestrante e ajuda crianças que sofrem bullying

Mesmo com toda dificuldade que passa em sua vida, Iarley decidiu levar o bem para outras pessoas. Ele usa toda a sua história e experiência,...

Hospital humaniza tratamento de bebês prematuros ao instalar redes

Em um linda iniciativa, o Hospital Cassiano Antonio Moraes, de Vitória (ES), colocou redes de balanço nas incubadoras na Unidade de Tratamento Intensivo Neonatal. As redes comprovadamente acalmam...

Instagram

De forma lúdica, professora orienta crianças onde pode e onde não pode tocar 2