Aos 10 anos, professora autista falava 6 idiomas, hoje, tem seu método de alfabetização

Hoje professora de uma escola municipal de Itaboraí (RJ), Gisele Nascimento, 32 anos, teve uma infância brilhante, mas também conturbada, até o diagnóstico (tardio) do autismo.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Aos 4 anos, ela devorava os livros comprados por seu pai, que trabalhava como estivador em um porto de Niterói (RJ). Nessa época, surpreendeu a todos com sua avidez pela leitura, hobbie que compartilhava com o pai em suas idas e vindas do trabalho.

Com 5 anos, ainda sem frequentar a escola, Gisele já dominava a língua portuguesa e passou a estudar, autodidaticamente, a língua inglesa. Não parou mais. Com 10 anos, já sabia inglês, alemão, francês, italiano, espanhol e claro, o português.

Professora autista super-dotada desenvolve método inovador alfabetização

É até um pouco comum crianças autistas revelarem talentos incríveis, como um garoto autista que desenha tão bem que seus desenhos parecem fotografias.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Nesse meio-tempo, a futura professora teve que lidar com comentários preconceituosos: por ter dificuldades de socializar-se com os outros, não tinha amigos. Sem saber como superar a pressão, ficou muda por 12 meses, dos 7 aos 8 anos.

Aos poucos, Gisele foi superando sua dificuldade de comunicação e mergulhou ainda mais fundo nos estudos. Hoje, aos 32 anos, ela é formada em Pedagogia, Psicologia e Sociologia com especialização em segurança pública.

Professora autista super-dotada desenvolve método inovador alfabetização

A paixão da professora, após tantos anos de estudo, agora é lecionar. “Passei em dois concursos para dar aulas na rede municipal de ensino de Itaboraí, o último em 2011. Inicialmente, alfabetizei crianças das classes regulares durante dois anos. Omiti o fato de ser autista para evitar o preconceito”, revela.

Gisele é casada e tem dois filhos – uma adotiva, com 20 anos, e um bebê de 6 meses. Sua rotina é bastante comum e ela toma medicação para controle da atividade motora.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Professora autista super-dotada desenvolve método inovador alfabetização

Em tom de brincadeira, diz que é “muito estabanada”. O grau leve diagnosticado do transtorno do espectro autista (TEA) não atrapalhou o desenvolvimento da eficiente técnica de alfabetização criada por Gisele, que serve tanto para pessoas com deficiência e com transtornos mentais, como para as demais pessoas.

Método de alfabetização

Tanto que a professora foi convidada recentemente para participar do primeiro curso de formação de professores da Clínica-Escola do Autista, em Itaboraí (RJ), que oferece gratuitamente atendimento multidisciplinar para indivíduos autistas.

Professora autista super-dotada desenvolve método inovador alfabetização

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Em casos de autismo de grau leve, finalizo o processo de alfabetização em seis meses. Eles aprendem, por exemplo, por métodos específicos, são extremamente visuais. Precisam de tempo para ver a imagem e associá-la à palavra, tanto escrita quanto ao fonema. É preciso brincar, lidar de forma lúdica. Além disso, as recompensas têm papel fundamental no reforço do aprendizado. Premiar pequenas vitórias com peças de brinquedos, fichas e doces as mantêm estimuladas e motivadas por mais tempo”, afirma.

Gisele é responsável por uma turma mista da Escola Municipal Clara Pereira, onde leciona para alunos com idades entre 9 e 27 anos, com transtornos diversos: síndrome de Down, autismo, deficiência intelectual e superdotação.

[Gente, vamos ajudar uma mãe a comprar os remédios do filho autista furtados da sua mochila? Criamos uma vaquinha na VOAA, clique aqui e contribua.]

Compartilhe o post com seus amigos!

  • Siga o Razões no Instagram aqui.
  • Inscreva-se em nosso canal no Youtube aqui.
  • Curta o Razões no Facebook aqui.

Fonte: O Globo/Fotos: Edmilson Domingos & Sandro Giron

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,780,571SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Senhora de 86 anos reencontra o filho que não via há mais de 55

Sofia Severo da Silva, atualmente tem 86 anos e vive em um abrigo, em Jaboatão dos Guararapes, perto Recife. No passado, ela foi vítima...

Arezzo doa 3 mil pares de tênis para médicas e enfermeiras que estão na linha de frente contra coronavírus

A Arezzo doou 3 mil pares de tênis para médicas e enfermeiras que estão na linha de frente do combate ao coronavírus em todo...

Bombeiro usa 1º salário para comprar cestas básicas para famílias carentes no CE

O bombeiro Gléison Sousa, 34 anos, empossado soldado do Corpo de Bombeiros Militar do Ceará (CBMCE) há apenas um mês, converteu seu primeiro salário...

Mesmo não sendo mais casados, mulher cuida de ex-marido com Alzheimer até o fim da vida

Recentemente, começamos alguns posts de histórias que os leitores tem nos enviado, já contamos aqui e aqui.  Conheçam abaixo a história da Izabela e sua...

Instagram