Professora leva mais de 100 estudantes do EJA ao cinema pela primeira vez

O tema da redação do Enem 2019 foi “Democratização do acesso ao cinema no Brasil”. Recentemente, uma professora de São Paulo fez sua parte para diminuir a distância entre a telona e pessoas que raramente frequentam esse espaço. Flávia Pacano levou 107 alunos da Educação de Jovens e Adultos (EJA) para assistir ao filme Mamma Mia 2 (2018).

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Eu sou apaixonada por cinema e tinha feito um curso sobre cinema brasileiro. fiz uma enquete numa sala perguntando quantos tinham ido ao cinema e, para minha surpresa, umas duas ou três pessoas levantaram a mão. A partir disso eu decidi que precisava fazer alguma coisa. Então conversei com meus colegas e conseguimos juntar dinheiro pra levá-los”, relatou.

Dos 300 estudantes do EJA da Escola Municipal Desembargador Francisco Meirelles, os professores conseguiram mobilizar e levar 107 alunos. A maioria deles, que têm idades entre 20 e até 70 anos, não conseguiu ir em função de trabalho, família e outros afazeres. Mas os que foram tiveram uma experiência diferente.

Professora leva mais de 100 estudantes do EJA ao cinema pela primeira vez 1
Foto: Arquivo pessoal

Foi muito gratificante. Muitos alunos vieram me agradecer pela oportunidade. Todos foram muito bem vestidos, parecia um evento mesmo”, relembra. Alguns foram caminhando e outros usaram metrô para chegar ao cinema que fica em um shopping no bairro da Vila Independência. Depois do filme, o grupo jantou na praça de alimentação do shopping.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Leia também: Professor junta dinheiro e leva 26 alunos pela primeira vez ao cinema

Professora leva mais de 100 estudantes do EJA ao cinema pela primeira vez 2
Foto: Arquivo pessoal

A professora avalia que a distribuição geográfica das salas de cinema é um entrave para a democratização da sétima arte. Por sorte, existia uma sala perto da escola e com valores acessíveis de até R$ 2,00 para estudantes.

“O que observei é que a grande maioria não ia ao cinema pela barreira social imposta a eles, pois eles disseram que não era somente porque achavam caro. A barreira era social, do elitismo que o cinema ainda representa. O que para nós pode ser algo muito simples, para eles, esbarrava no ato de entrar no shopping, escolher o filme, pedir o ingresso, entre outras coisas que não conseguimos mensurar”, disse.

Que esse episódio lembre essas pessoas que o cinema também é feito para elas! Parabéns à professora Flávia por lembrá-los disso! 👏

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Educação, esporte e arte são fundamentais para a inclusão social de grupos vulneráveis, concorda? Conheça então três projetos que defendem essas causas, escolha a sua favorita, apoie e concorra a um super prêmio de R$ 1 milhão da promoção “Ganhou, Causou”, da Nestlé. Clique aqui e saiba como participar!

beija flor

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM









Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
4,917,765SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Modelo com síndrome de Down faz história e é novo rosto de marca de produtos de beleza

Aos 32 anos, Katie Meade é a nova garota-propaganda dos produtos de beleza da marca Beauty and Pin-Ups. Com seu principal produto chamado "Fearless" ("destemida" em inglês), eles escolheram a...

Com ajuda do Facebook, mecânico devolve quase 3 mil reais e cartão com senha que havia encontrado

Qual seria sua atitude se você encontrasse um porta-níquel com R$ 2,8 mil, um cartão de banco e uma senha numérica e outra alfabética que dão...

Na AACD, Helena, que tem poliomielite, foi acolhida e superou traumas causados pelo preconceito (SP)

A dona Helena Teodoro Michelon foi diagnosticada com poliomielite quando tinha um ano e dois meses. Da infância, passando pela adolescência, até a vida...

Professora italiana roda a cidade de Pisa de bike para contar histórias e fazer as crianças sorrirem

Daniela Bertini é professora de escola primária e apaixonada por teatro. Ela uniu suas duas paixões e criou um projeto incrível, que tem levado...

Advogado curado de leucemia junta dinheiro para dar casa à sua doadora

Buscando recompensar a doadora de medula que curou sua leucemia, o advogado Gabriel Massote Pereira, que mora em Uberlândia (MG), decidiu fazer uma vaquinha...

Instagram

Professora leva mais de 100 estudantes do EJA ao cinema pela primeira vez 4