Professora cria museu temporário para alunos conhecerem suas próprias histórias

Museu Temporário de Lembranças. Já ouviu falar?

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

A professora Adriana Negreiros Campos desenvolveu esse projeto com duas turmas do 5º ano do ensino fundamental, em uma escola municipal de Santos, SP.

“Como responsável pela área de história, comecei a perceber a dificuldade dos alunos associarem a disciplina com a história de vida deles e da família.”

A proposta de Adriana era construir um museu que compreendesse as memórias por meio de objetos significativos trazidos pelos alunos, professores, equipe técnica e também por ela. Entre os pertences estavam um baú, uma máscara antiga, réplicas de objetos arqueológicos, objetos indígenas e um disquete.

No primeiro passo do projeto, os alunos se dividiram em grupos e Adriana passou um roteiro de perguntas. Foram questionamentos sobre o aspecto físico: como é o objeto, qual é a sua estrutura e se ele está inteiro ou em pedaços. Depois, surgiam perguntas sobre a tecnologia: qual é o material do objeto, como foi produzido, se foi produzido por uma pessoa só ou várias, se foi produzido em uma fábrica ou feito à mão, quem usou aquele objeto etc.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Todo esse trabalho foi realizado para que depois os alunos tivessem o mesmo olhar sobre os objetos trazidos de casa para a escola.

“Quando os alunos começaram a trazer seus pertences, nós não sabíamos muita coisa sobre aqueles materiais. Então foi preciso fazer outro movimento: eu incentivei que eles pesquisassem com as famílias sobre o que tinham trazido, como: que foto era aquela, quando tinham usado a roupinha que levaram, qual era a história por trás daquele brinquedo. Aí sim, voltaram para a sala de aula com essas informações.”

Adriana contou com a parceria da professora de língua portuguesa na redação das legendas de cada material e na elaboração do catálogo do Museu.

museu-temporario1

Durante o projeto, também houve atividade fora da escola. Adriana e os alunos visitaram uma aldeia indígena chamada Rio Silveira, que fica em Bertioga. Um dos assuntos previstos no plano do curso era o surgimento do homem. Então, ela abordou a questão da chegada do homem branco na América e seu encontro com os povos indígenas. Toda explicação era para mostrar aos alunos que os indígenas não são aqueles que “vivem no passado”.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Depois de todo trabalho realizado, o produto final foi a montagem de um museu temporário com todos os materiais que os alunos levaram para a escola. O objetivo do projeto foi trabalhar história e mostrar para os alunos que ela não se faz só com escrita, mas também com documentos e com os próprios objetos. A história pessoal é tão importante quanto a história que está no livro.

Nossas histórias estão em cada um de nós, no nosso dia a dia, no que fazemos!

Qual a sua história fora dos livros?

Leia o relato da experiência na íntegra aqui.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

museu-temporario

Fotos: Reprodução/Arquivo Pessoal

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,429,587SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Vovó de 69 anos pega pesado na academia e faz sucesso

A dona Geralda Barbosa, no alto de seus 69 anos, pega pesado na academia.

Série de fotos mostra a adorável amizade de crianças com seus cachorros enormes

Ter um animal de estimação é uma verdadeira fonte de alegria e energia. Estudos apontam que eles são capazes de reduzir o estresse, a...

Prefeito reduz próprio salário para ajudar a salvar município

No meio de tanta corrupção que rodeia o nosso país, uma notícia dessas vai te dar mais otimismo. Silmar de Souza, Prefeito de Nossa...

Motorista resgata e adota cachorro abandonado em pista

O motorista parou o veículo e desceu para resgatar o cachorro assustado.

Mãe que superou bullying pesado durante adolescência hoje ensina para filha valores como autoestima e confiança em si mesma

Dificuldade é o sobrenome de Nanda Alves, mas superação é o nome de batismo. Essa jovem carioca, de 24 anos, que foi mãe aos...

Instagram