Sem pensar duas vezes, professora doa rim para aluna de 5 anos nos EUA

Uma professora do Missouri (EUA) doou um de seus rins para uma aluna de apenas 5 anos. Robin Mach, 46, não pensou duas vezes em ajudar a pequena Kayleigh Kulage, que luta contra uma série de dificuldades físicas desde o dia de seu nascimento.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Em vez de uma gestação de 40 semanas, Desirre Kulage, mãe de Kayleigh, teve a pequena prematuramente com 26 semanas. A menina passou os cinco meses seguintes na UTI neonatal de um hospital do Missouri.

Infelizmente, Kayleigh ficou com uma série de complicações, como cegueira parcial e sistema imune comprometido, além de problemas nos rins que exigiam 11 horas de tratamento diário para a menina. Apesar de todas estas dificuldades, a pequena guerreira nunca tirou o sorriso do rosto e isso inspirou sua professora.

“Ela é corajosa, cheia de energia. É realmente muito divertido ser professora dela.”

Kayleigh enfrentou dificuldades para realizar transplante

O nascimento prematuro de Kayleigh impacta seu crescimento até hoje. Inclusive, a dificuldade em ganhar peso e altura foram um dos obstáculos para a pequena realizar o transplante. Além de suas medidas, o sistema de doações de órgãos dos EUA ainda precisavam encontrar um rim com tamanho parecido ao da menina.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Menina abraçada pelos pais
Josh (à esq.) e Desiree (à dir.) admiram a coragem e bravura da pequena filha Kayleigh. Foto: arquivo pessoal

Mach, ao saber que Kayleigh poderia finalmente fazer o transplante, perguntou a Desiree como ela conseguira ajudar a menina.

“Eu só perguntei a Desiree um dia, porque eu sabia que Kayleigh realmente precisava. Então pensei: ‘por que não tentar?”

Ao programa People do canal americano NBC, Mach afirmou que todo o processo para saber se poderia ser doadora foi uma montanha-russa de emoções. Já Desiree, ao descobrir que a professora poderia efetivamente ser a doadora de Kayleigh, ficou duplamente feliz.

“Eu estava tão aliviada e animada quando descobri que o rim de Kayleigh viria de alguém que ela conhecia”, contou Desirre. Segundo a mamãe, a menina ama a professora e a vê como uma amiga.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Mulher internada em hospital
Mach não pensou duas vezes em ajudar uma de suas alunas favoritas. Foto: arquivo pessoal

Agora que as duas se recuperam plenamente da cirurgia, realizada em fevereiro, é hora de comemorar! Mach, inclusive, foi presenteada com um prêmio de professora do ano concedido pelo distrito em que ela trabalha no Missouri. Apesar de aceitar a homenagem, a americana não vê seu ato como algo grandioso.

“Se uma criança precisa de uma mochila ou um sapato na escola, eu vou dar uma mochila ou sapato. E mais ou menos a mesma coisa… Kayleigh precisava de um rim e qualquer coisa que ela precisar, eu vou dar.”

 

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Quer conhecer mais histórias inspiradoras? Dá o play!

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,572,055SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Intervenção coloca rede (aquelas de balançar) disponível para pessoas descansarem um pouco da internet

Ultimamente temos vivido uma sobrecarga de informação e acesso full-time à internet, dificilmente ficamos longe do nosso smartphone ou computador, sempre acessando coisas bacanas...

Chuveiro itinerante dá “ducha” de dignidade para moradores de rua

Eles recebem sabonete, xampu, condicionador e toalha.

Cientistas brasileiros criam vacina contra dependência de cocaína e crack

Inicialmente, a vacina criada por pesquisadores da UFMG será utilizada na prevenção do abuso de cocaína por crianças e adolescentes e na luta contra o crack.

Mesmo após divórcio, casal continua fazendo fotos de família com o filho todos os anos

O casal fez um acordo de que colocaria o filho sempre em primeiro lugar.

Brasileiros desenvolvem método de baixo custo para detectar doenças como o câncer

A ciência tem se mostrado como um dos pontos promissores do Brasil, mesmo que tenha pouquíssimos recursos. Em uma publicação gringa, um grupo de...

Instagram