Professora resolve ensinar on-line língua esquimó para resgatar a cultura de seu povo

Como muitos indígenas da América do Norte, a professora Miali Coley-Sudlovenick teme que sua língua nativa esteja morrendo.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

A colonização europeia deixou os inuítes lutando para preservar sua cultura e língua em um ambiente de horror e abusos, diz ela.

É por isso que Miali usa a internet para ensinar inuktitut, um dos dialetos falados pelos inuits (membros da nação indígena esquimó) para seu povo e para quem quiser aprender. Ela acredita que é vital para a sobrevivência de sua cultura.

Professora inuk ensina sua língua nativa online para reconectar outras pessoas à cultura inuíte

“Perguntar por que isso é importante é como perguntar por que a água é importante. Precisamos dela, há uma necessidade inata dentro de nós em busca de uma parte de nós mesmos com a qual possamos nos identificar”, disse ela à CNN.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Esta é a língua com a qual nos identificamos como povo e, por meio da colonização e seus esforços para nos fazer sentir menos do que somos, nossos pais e ancestrais perderam a capacidade de falar sua própria língua”.

Existem cerca de 180.000 inuítes no mundo, a maioria dos quais vive no Alasca, Canadá e Groenlândia. Quase 65 mil vivem no Canadá, de acordo com o governo canadense. Coley-Sudlovenick, 40, vive em Iqaluit, capital do território canadense de Nunavut.

Ela está entre as 39.700 pessoas estimadas que falam inuktitut, com mais de 65% delas vivendo em Nunavut, de acordo com um censo de 2017.

Coley-Sudlovenick aprendeu inuktitut com sua mãe, que passou a infância em uma escola federal, onde era proibida de falar sua língua nativa.

Professora inuk ensina sua língua nativa online para reconectar outras pessoas à cultura inuíte

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Ela foi menosprezada, ridicularizada e repreendida por falar inuktitut”, disse Coley-Sudlovenick sobre sua mãe. “Se o sistema tivesse o que queria, ela teria perdido completamente sua cultura-mãe.”

Depois disso, sua família prometeu preservar sua cultura e língua e passá-las para as gerações futuras.

Para esse fim, Coley-Sudlovenick lançou um curso online em 2021 para ensinar inuktitut. O curso é oferecido por meio de sua empresa Allurvik, que visa preservar a cultura inuíte por meio da educação, arte e muito mais.

“É uma linguagem incrivelmente rica que nos permite entender verdadeiramente nossa terra, quem somos, como tratamos e nos conectamos com nossa comunidade”, disse Coley-Sudlovenick.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Muitas pessoas querem aprender inuktitut, mas não têm acesso ou suporte. Tudo o que eu quero fazer é tornar o inuktitut um pouco mais acessível, especialmente para os inuit que querem aprender e qualquer outra pessoa interessada. O trabalho também inspira outros a tornar as línguas indígenas mais amplamente disponíveis.”

Professora inuk ensina sua língua nativa online para reconectar outras pessoas à cultura inuíte

“Sempre senti que faltava uma grande parte de mim”

Tapisa Kilabuk sempre se orgulhou de sua identidade como Inuk, mas se viu incapaz de se livrar da sensação de que algo estava lhe faltando.

Kilabuk nasceu e cresceu na Nova Escócia e mudou-se para Alberta, onde foi separada de sua família e comunidade. Desconectada de sua língua nativa, ela tem lutado para encontrar recursos próximos para aprender.

“Sempre senti que havia uma grande parte de mim faltando e percebi (que) para pensar sobre minha indigeneidade, precisava ser capaz de compreender a maneira como os inuits pensam”, disse Kilabuk, 32, à CNN. “Para fazer isso, eu precisava aprender nossa língua; é assim que você vê o mundo e se explica, e não ter isso me fez sentir que não fazia parte da minha comunidade.”

Professora resolve ensinar on-line língua esquimó para resgatar a cultura de seu povo 3

Kilabuk disse que se sentiu “cheia de alegria” quando se deparou com um anúncio online do curso de idiomas de Coley-Sudlovenick.

“Foi uma oportunidade incrível poder aprender nosso idioma, mesmo não morando na minha comunidade”, disse ela. “Significa tudo pra mim.”

Embora leve tempo para dominar os meandros do inuktitut, apenas ser capaz de se apresentar em sua língua nativa deu poder ao Kilabuk, disse ela, um sentimento que nunca imaginou que experimentaria.

“Eu posso ser um pouco mais velha, mas nunca é tarde demais”, disse Kilabuk. “Só porque fomos forçados a assimilar a cultura ocidental, não significa que nossas línguas indígenas não sejam importantes ou relevantes para este mundo”.

Professora inuk ensina sua língua nativa online para reconectar outras pessoas à cultura inuíte

Como estudante da Universidade de Calgary com especialização em estudos indígenas internacionais, uma de suas paixões de vida é lutar pelos direitos indígenas e aumentar a conscientização sobre as violações dos direitos humanos que afetam os nativos na América do Norte.

“Para poder defender minha comunidade e ser ativista de todos os povos indígenas, preciso me explicar de uma maneira que seja verdadeiramente inuit”, disse Kilabuk.

“Fazer isso em inglês não é suficiente. Ao me conectar com nosso idioma, me oferece uma base muito mais forte do que fazê-lo em inglês. Isso me inspira a continuar meu trabalho para restaurar e revitalizar nosso idioma.”

‘Minha geração é responsável por juntar os cacos’

Quando você tira a linguagem de alguém, você tira uma parte de quem eles são – e isso é uma injustiça, disse Coley-Sudlovenick. É por isso que ela está feliz em ajudar Kilabuk e outros como ela a se reconectarem com sua língua nativa.

“Isso nos faz sentir inseguros sobre quem somos como pessoas, como se devêssemos tentar ser brancos ou menos de nós mesmos para sermos aceitos na sociedade dominante”, disse Coley-Sudlovenick. “Muito da nossa cultura se foi, muito de quem nos identificamos foi apagado. Tudo o que estamos tentando fazer é trazer essas partes de nós de volta à vida.”

“O que resta para a minha geração se identificar? Tivemos que entender quem somos através das lentes brancas, com muito do significado perdido na tradução.”

Na verdade, o peso de algumas palavras e sentimentos não pode ser facilmente traduzido, disse Coley-Sudlovenick.

Palavras inuktut que capturam uma quantidade insuperável de amor e sentimentos indescritíveis de alegria, por exemplo, não podem ser facilmente expressas em outras línguas.

“Faço isso porque me dá alegria ouvir nossa língua falada e ver tanta beleza em poder me conectar com os outros de uma maneira tão íntima”, disse ela.

“Mas é mais profundo do que isso também. Minha geração é responsável por juntar as peças para recuperar nossas identidades, nossas culturas e nossos idiomas.”

Fonte: GNN
Fotos: Reprodução / Instagram: @allurvik

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM




Professora resolve ensinar on-line língua esquimó para resgatar a cultura de seu povo 4

Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
4,977,244SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Idosa perde R$ 400 em ônibus e recebe ajuda de cearense que vive na Irlanda

Mais de sete mil quilômetros separam Sílvia e a arquiteta Gabriela Lima. No entanto, elas foram unidas pela solidariedade.

Medicamento elimina tumor em 100% dos casos de câncer colorretal e traz esperança para pacientes

Uma notícia que leva esperança a milhares de pessoas com câncer colorretal: um medicamento aprovado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) eliminou 100%...

Empresa argentina utiliza pneus como matéria prima e só emprega mães solo

Algumas empresas são criadas para fazer a diferença no mundo, como é o caso da Xinca, criada em 2013 por três argentinos: Ezequiel Gatti...

Com foco no acesso a cultura, Eh Aqui Doações capta e distribui livros para quem precisa

Quantas vezes você já não precisou repassar algo sem uso e não sabia para onde encaminhar? Partindo desse princípio, a Eh Aqui Doações conecta...

Viver perto de pássaros faz bem para a saúde mental das pessoas

De acordo com um recente estudo da Universidade de Exeter, no Reino Unido, pessoas que vivem em bairros com mais pássaros, são menos propensas...

Instagram

Professora resolve ensinar on-line língua esquimó para resgatar a cultura de seu povo 5