Professora faz experimento para mostrar a discriminação em escola no Canadá

Desde o começo dos tempos, os seres humanos têm tendência a formar grupos, excluindo assim estranhos, inimigos, e qualquer um que seja diferente. Podemos não exatamente incentivá-las, mas tais atitudes tornam-se arraigadas a partir de uma idade muito precoce.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Este documentário acompanha uma experiência em uma escola primária que mostra o quão rapidamente as crianças podem assimilar a discriminação e todas as suas repercussões. Uma professora do ensino primário em Quebec conduziu um experimento no qual ela afirmou que estudos científicos provam que as crianças menores são geralmente mais criativas e inteligentes, e as mais altas são desajeitadas e preguiçosas. Ela dividiu sua turma com base nessas suposições. No dia seguinte, ela virou o jogo e fez com que se invertessem os papéis.

Algumas crianças de nove anos de idade entenderam que era tudo um jogo, mas para o resto acabou por ser uma experiência muito poderosa.

Não deixem de curtir nossa fanpage para acompanhar essas e outras histórias, cliquem aqui.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM



Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,282,832SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Ator americano faz vídeo pelado, em protesto contra maus tratos de orcas em parque

Vocês devem lembrar do filme American Pie certo? Jason Biggs (o protagonista), acaba de fazer um vídeo mostrando sua opinião sobre o cativeiro das...

Coral de crianças surpreende espectadores para alertar sobre a mortalidade infantil

O público que assistia a um concerto de um coral infantil na Alemanha ficaram estupefatos não só pelas incríveis vozes mas pelo que aconteceu durante...

Artista que vivia nas ruas monta ateliê improvisado em abrigo

Jeferson, que mora no abrigo municipal há seis meses, tem o sonho de expor sua arte e conseguir se bancar com a venda dos quadros.

Um tatuador está ajudando a melhorar autoestima de mulheres que tiveram câncer de mama

Para a Psicologia, a autoestima (agora sem hífen, segundo as novas normas ortográficas) é o qualitativo de valor que o ser humano dá a si....

Jovens organizam mutirão com ajuda do WhatsApp e limpam praia de Maracanã (PA)

Inconformados com a quantidade de lixo na praia, e a negligência da prefeitura, um grupo de jovens fez um mutirão de limpeza.

Instagram

Professora faz experimento para mostrar a discriminação em escola no Canadá 4