Professora indígena cria projeto que ensina arte local e muda a vida de alunos em aldeia no MS

Saber de onde viemos é o primeiro passo para levar adiante a nossa história. É nisso que a professora indígena, Marlene Rodrigues, fez ao resgatar a cultura terena para as crianças da Aldeia Babaçu, em Miranda (MS).

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Por meio da dança, do artesanato e da música, Marlene desenvolve o Sons da Aldeia, em parceria com o Ipedi (Instituto de Pesquisa da Diversidade Intercultural). Desde 2015, o projeto oferece as atividades às crianças no período extraclasse, na escola municipal José Balbino.

Marlene conta que as músicas tradicionais, tocadas com flautas, tambores e maracás, sempre foram bastante presentes em sua comunidade. Porém, com o tempo, foram substituídas por músicas tocadas em caixas de som.

“Senti que nossa música estava sendo extinta aqui dentro, até mesmo sem os nossos instrumentos musicais”, conta a professora.

professora indígena posa em foto com presidente do Ipedi
Marlene com a presidente do Ipedi, Denise Silva. Foto: Luciano Justiniano

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Foi aí que surgiu a ideia do Sons da Aldeia. Através dele, Marlene e outros professores, começaram a confeccionar instrumentos, cerâmicas, enfeites e comidas típicas.

Com o apoio de todos os lados – da comunidade, dos pais e dos próprios alunos – o Sons da Aldeia deixou de ser uma ideia. “Os próprios pais e artesãos da comunidade também participam ativamente das oficinas”, narra.

crianças indígenas produzem artesanato
Foto: Luciano Justiniano

“As crianças ficaram felizes, desenvolvemos equipes de danças para homens e também para mulheres, além de artesãos que se apresentaram para diversos visitantes do país”.

crianças indígenas produzem artesanato
Foto: Luciano Justiniano

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Marlene reforça a importância de preservar a cultura terena, a facilidade com que as crianças e jovens da aldeia são expostos a influências culturais de fora.

“Tudo conspira para que as crianças e jovens não valorizem a própria cultura. A escola tem esse papel de trazer de volta essas tradições importantes”, pontua.

crianças indígenas produzem artesanato
Foto: Luciano Justiniano

professor indígena ensina artesanato crianças
Foto: Luciano Justiniano

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

instrumentos musicais indígenas
Foto: Luciano Justiniano

Mãe da indiazinha Aymu Vitória, Natália Rodrigues tem orgulho em falar sobre o interesse da filha pela herança deixada pelos povos originários.

“Desde pequena ela tem esse interesse em estar envolvida nas atividades dentro da comunidade. Antes da pandemia, principalmente, estava sempre envolvida na dança, fazendo colares e pulseiras”, diz.

menina indígena
A pequena Ayumi ajuda a preservar a cultura terena. Foto: arquivo pessoal

“A gente veio perdendo nossa cultura, de, inclusive, não ser tratado como indígena fora da aldeia. Com os aprendizados, as crianças crescem preservando a nossa cultura”, conclui a artesã.

indígenas tocando instrumentos musicais
Foto: Ipedi

Projeto lindo, não é mesmo? Daqui, tentamos imaginar o som dos instrumentos e o aroma e sabor da comida do povo terena. 🍃

Fonte: Campo Grande News


A Luakam Anambé faz um trabalho semelhante com suas bonecas indígenas. Olha só!

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM



Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,634,668SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Professor vende sanduíches para levar mãe com câncer terminal à viagem dos sonhos

Quando a mãe do professor Dustin Vitale recebeu o diagnóstico de câncer de bexiga terminal no ano passado, ele decidiu transformar seu maior sonho...

Indiano cria garrafa de água feita de bambu que pode ser reutilizada indefinidamente

Talvez um dos grandes desafios do século XXI seja observar e sentir o impacto da mudança climática e do aquecimento global e não saber...

Após infância traumática, jovem inspira outras meninas da periferia a serem o que quiserem: “multiplicar o impacto”

“Garotas da favela podem ser o que quiser”, a Bia Franco é mais uma prova que isso não é apenas uma frase. Mas o...

Curta mostra a beleza de marcar um encontro como antigamente

Hoje, muitas interações ocorrem on-line neste e acabamos por nos tornar excessivamente dependente da Internet para gerenciar vários aspectos de nossas vidas, incluído namoros. Samuel Abrahams,...

Kibon usa um gargalhômetro para animar os moradores da Rua da Felicidade

Sim, essa rua com o nome de Felicidade existe, ela fica em Pirenópolis - GO, e foi lá que a Kibon fez uma ação...

Instagram