Professora do povo Umutina é a 1ª mulher indígena doutora em Antropologia pela UnB

Clique e ouça:

A professora Eliane Boroponepa Monzilar, 40 anos, filha do povo umutina, se tornou recentemente a primeira mulher indígena doutora em Antropologia pela Universidade de Brasília (UnB).

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Quando criança, ela não teve a chance de estudar em uma escola indígena, tendo crescido em um meio pouco favorável e sem referências escolares de sua cultura e vivência na aldeia.

“Só fui me entender enquanto indígena e pertencente a um povo quando ingressei na graduação”, conta.

Foi quando ela compreendeu que precisava lutar pelas causas de sua etnia. “Durante a formação como professora indígena, não só eu como outros colegas fomos cobrados pela nossa identidade. Comecei a procurar saber da minha história, da minha cultura, conversar com os anciãos”, disse.

Professora primeira mulher indígena doutora Antropologia UnB

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Atualmente, Eliana é professora de uma escola infantil da sua comunidade.

Em julho, ela se tornou a primeira mulher indígena a concluir doutorado em Antropologia na Universidade de Brasília.

Resgate da Ancestralidade

Durante seus anos na Academia, ela compreendeu a importância da educação pautada nos saberes dos povos tradicionais como uma ferramenta para fortalecer sua cultura, fragilizada após os primeiros contatos com não indígenas, no século XX.

Leia também: Após superar preconceitos em aldeia, indígena transexual se torna professora infantil

“A população umutina foi praticamente exterminada, fisicamente e culturalmente, por todo o processo de colonização”, relata.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Segundo registros do regime de Getúlio Vargas, na década de 1940, a comunidade umutina fora reduzida a apenas 23 membros.

Professora primeira mulher indígena doutora Antropologia UnB

Nos últimos 70 anos, esse povo tem lutado em defesa de seu território e sua cultura; cerca de 600 pessoas, de nove grupos indígenas, convivem hoje na terra Umutina, de onde retiram seu sustento e reiteram os vínculos com suas tradições.

Grande parte desse processo de manutenção da identidade e da memória do povo umutina advém do próprio incentivo de professores indígenas, como Eliane, à valorização dos antigos saberes entre as novas gerações.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

O Razões e o Educa Mais Brasil te ajudam a conseguir bolsa de estudo para cursos técnicos e profissionalizantes, cursos de idiomas, entre outras, clique aqui

Para a própria professora, essa é uma missão na qual ela tem se dedicado há mais de 15 anos. Eliane foi a primeira mulher de sua aldeia a concluir um curso de pós-graduação. Ela tem licenciatura em Ciências Sociais na Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat) e fez especialização em Educação Escolar Indígena.

Hoje ela ministra aulas de campo para incentivar jovens estudantes a conhecerem seu próprio território.

Professora primeira mulher indígena doutora Antropologia UnB

“Na universidade, não sou somente a Eliane. Represento um povo e isso é uma grande responsabilidade, não só por ser indígena, mas por ser mulher”, compartilha.

Ao ser aprovada no mestrado, a professora propôs a si mesma incentivar a busca de alternativas que contribuam para a sustentabilidade da aldeia e para reavivar os saberes e fazeres dos umutina.

Leia também: Mulheres indígenas lançam Vinho de Mandioca em mercado de Santarém (PA)

Ao lado dos anciãos da aldeia e dos jovens alunos da comunidade, eles trabalham na possibilidade de reavivar conhecimentos tradicionais já em esquecimento, como o cuidado da roça.

Você conhece o VOAA? VOAA significa vaquinha online com amor e afeto. E é do Razões! Se existe uma história triste, lutamos para transformar em final feliz. Acesse e nos ajude a mudar histórias.

Fonte: SNB/Fotos: Arquivo Pessoal

Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,071,741FãsCurtir
2,422,376SeguidoresSeguir
20,122SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Desconhecidos dão vida nova a idoso que recebeu arroz com ração de cachorro para comer

A história de seu José Adan começou triste, mas terminou muito feliz. Ele é um senhor idoso que vive em situação de rua e...

Yaci e Yara, filhas de quilombolas, são capa da Marie Claire

Dona Maria Santana deve estar orgulhosa, afinal, suas duas filhas gêmeas, Yaci e Yara, estão conquistando o mundo da moda com sua beleza estonteante...

Em apenas 24h, vaquinha para menino que cuida sozinho da mãe doente arrecada mais de R$277 mil

Genteeee, que alegria! Em menos de 24h, batemos a meta da vaquinha para comprar uma casa para o menino José, 15 anos, a mãe...

Menino de 15 anos, que cuida sozinho da casa e da mãe doente, comove desconhecidos e ganha vaquinha

Quinze anos e já com a responsabilidade de um chefe de família. Essa é a idade do José, sozinho, o adolescente cuida da mãe...

Desempregado investe último dinheiro pra aprender, fazer e vender pudim em SP: negócio decolou após desabafo!

Dá água na boca, não dá? Eu sou suspeito, amo pudim, mas teve gente que pediu o pudim ‘cenográfico’ do Jonas, só que não...

Instagram

Professora do povo Umutina é a 1ª mulher indígena doutora em Antropologia pela UnB 13