Professora do povo Umutina é a 1ª mulher indígena doutora em Antropologia pela UnB

A professora Eliane Boroponepa Monzilar, 40 anos, filha do povo umutina, se tornou recentemente a primeira mulher indígena doutora em Antropologia pela Universidade de Brasília (UnB).

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Quando criança, ela não teve a chance de estudar em uma escola indígena, tendo crescido em um meio pouco favorável e sem referências escolares de sua cultura e vivência na aldeia.

“Só fui me entender enquanto indígena e pertencente a um povo quando ingressei na graduação”, conta.

Foi quando ela compreendeu que precisava lutar pelas causas de sua etnia. “Durante a formação como professora indígena, não só eu como outros colegas fomos cobrados pela nossa identidade. Comecei a procurar saber da minha história, da minha cultura, conversar com os anciãos”, disse.

Professora primeira mulher indígena doutora Antropologia UnB

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Atualmente, Eliana é professora de uma escola infantil da sua comunidade.

Em julho, ela se tornou a primeira mulher indígena a concluir doutorado em Antropologia na Universidade de Brasília.

Resgate da Ancestralidade

Durante seus anos na Academia, ela compreendeu a importância da educação pautada nos saberes dos povos tradicionais como uma ferramenta para fortalecer sua cultura, fragilizada após os primeiros contatos com não indígenas, no século XX.

Leia também: Após superar preconceitos em aldeia, indígena transexual se torna professora infantil

“A população umutina foi praticamente exterminada, fisicamente e culturalmente, por todo o processo de colonização”, relata.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Segundo registros do regime de Getúlio Vargas, na década de 1940, a comunidade umutina fora reduzida a apenas 23 membros.

Professora primeira mulher indígena doutora Antropologia UnB

Nos últimos 70 anos, esse povo tem lutado em defesa de seu território e sua cultura; cerca de 600 pessoas, de nove grupos indígenas, convivem hoje na terra Umutina, de onde retiram seu sustento e reiteram os vínculos com suas tradições.

Grande parte desse processo de manutenção da identidade e da memória do povo umutina advém do próprio incentivo de professores indígenas, como Eliane, à valorização dos antigos saberes entre as novas gerações.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

O Razões e o Educa Mais Brasil te ajudam a conseguir bolsa de estudo para cursos técnicos e profissionalizantes, cursos de idiomas, entre outras, clique aqui

Para a própria professora, essa é uma missão na qual ela tem se dedicado há mais de 15 anos. Eliane foi a primeira mulher de sua aldeia a concluir um curso de pós-graduação. Ela tem licenciatura em Ciências Sociais na Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat) e fez especialização em Educação Escolar Indígena.

Hoje ela ministra aulas de campo para incentivar jovens estudantes a conhecerem seu próprio território.

Professora primeira mulher indígena doutora Antropologia UnB

“Na universidade, não sou somente a Eliane. Represento um povo e isso é uma grande responsabilidade, não só por ser indígena, mas por ser mulher”, compartilha.

Ao ser aprovada no mestrado, a professora propôs a si mesma incentivar a busca de alternativas que contribuam para a sustentabilidade da aldeia e para reavivar os saberes e fazeres dos umutina.

Leia também: Mulheres indígenas lançam Vinho de Mandioca em mercado de Santarém (PA)

Ao lado dos anciãos da aldeia e dos jovens alunos da comunidade, eles trabalham na possibilidade de reavivar conhecimentos tradicionais já em esquecimento, como o cuidado da roça.

Você conhece o VOAA? VOAA significa vaquinha online com amor e afeto. E é do Razões! Se existe uma história triste, lutamos para transformar em final feliz. Acesse e nos ajude a mudar histórias.

Fonte: SNB/Fotos: Arquivo Pessoal

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,505,556SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Nesse bar, quanto mais você bebe mais você ajuda entidades beneficentes

O bar, chamado Shebeen, funciona em Melbourne e trabalha, entre outras bebidas, com cervejas de países em desenvolvimento. O fundador Simon Griffiths, diz que, por...

Jovem com Síndrome de Down se forma em Educação Física no RS

Ela é a primeira estudante com síndrome de Down a concluir o curso de Educação Física na PUCRS.

Esta árvore que pode acabar com a fome no mundo e ainda despoluir a água

Não existe ninguém mais sábio no mundo que a própria natureza, que não nos cansa de surpreender sempre! Prova disso é a moringa, uma árvore...

Mãe filma filho deficiente visual superando seu primeiro desafio na vida

No vídeo, o pequeno Miguel fala que quer ir na casa da vó, e sua mãe então sugere que ele vá sozinho e que...

Uma cachorra que foi criada por gatos, e age como um bichano

Uma cachorra da raça husky, chamada Tally, vem despertando a atenção de leitores do site Reddit, seu dono afirma que Tally foi criada por gatos...

Instagram