Grande vitória: Proibido casamento com meninas crianças no Zimbábue

O Tribunal Constitucional do Zimbábue proibiu o casamento infantil na quarta-feira depois de duas ex-noivas-crianças levarem ao governo um caso inovador para contestar a prática que é comum na nação sul Africana.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Loveness Mudzuru e Ruvimbo Tsopodzi pediram para o casamento com crianças ser declarada ilegal e inconstitucional, afirmando que é uma forma de abuso infantil.

O tribunal decidiu que a partir de 20 de janeiro ninguém no Zimbabwe pode entrar em qualquer casamento, incluindo sindicatos da lei costumeira, antes da idade de 18 anos, e derrubou uma seção do Ato do Casamento, que permite que as meninas se casem aos 16 anos.

Quase um terço das meninas no Zimbabwe casam antes dos 18 anos e 4% antes de completar 15 anos, privando-as de uma educação, aumentando a probabilidade de violência sexual e colocando-as em risco de ferimentos graves ou morte no parto.

“Eu realmente estou feliz em ter desempenhado um papel fundamental para tornar o Zimbábue um lugar seguro para as meninas”, disse Mudzuru, que se casou aos 16 anos e teve dois filhos antes dos 18 anos.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

A decisão delineou as “consequências terríveis” de casamento infantil e disse que é uma “falta de consciência social comum” sobre os problemas enfrentados por meninas que se casam cedo.

Beatrice Savadye, que dirige o ROOTS, grupo de direitos que apoiaram o desafio legal, disse: “Estou muito feliz. Este é um marco na campanha para acabar com este flagelo na sociedade”.

Mas ela disse que mais precisa ser feito ainda para educar as comunidades sobre os perigos do casamento de crianças. Ela também pediu penas mais duras para qualquer um condenado por se casar com uma menor.

Em declarações ao Tribunal Constitucional no ano passado, Tsopodzi e Mudzuru disseram que o ato da união do Zimbábue era discriminatório por definir a idade mínima de 16 para meninas e 18 para meninos. A Lei do Casamento consuetudinário não estabelece idade mínima.

A pobreza é a força motriz por trás do casamento de crianças no Zimbábue. Os pais muitas vezes casam as meninas jovens, então eles têm menos bocas para alimentar. Pagamentos dote podem ser mais um incentivo.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Em seu depoimento, Mudzuru descreve como o casamento infantil e a pobreza criam um círculo vicioso. “As meninas que se casam cedo e frequentemente de famílias pobres são forçados a produzir filhos mais novos em um mar de pobreza e o ciclo começa novamente”, afirmou.

Mudzuru disse a Thomson Reuters Foundation no ano passado que sua vida era um “inferno”.

“Educar uma criança quando você é uma criança é difícil”, disse ela. “Eu deveria estar indo para a escola.”

Globalmente, cerca de 15 milhões de meninas são casadas a cada ano. Em toda a África subsaariana, dois em cada cinco meninas casam quando crianças.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Fonte: Huffington Post

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM



Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,638,607SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

[VÍDEO] Homem salva vida de ovelha que se afogava no meio de mar na Austrália

Uma ovelha estava passeando na praia Cremorne, na Austrália, quando ficou com medo e começou a correr em direção ao mar. Por sorte, um...

Ayurveda e Paricharya – Os ciclos de vida da mulher e suas condutas para a saúde

Por Dra. Ananda Ruguê de Faria Na Índia existe uma citação que diz: “Mulher saudável, mãe saudável, bebê saudável, nação saudável.” A saúde da mulher é...

Minhocão ganhou salas de estar durante ocupação urbana no fim de semana

Já é costume de muitos paulistados passear no “Minhocão” aos finais de semana, mas eles tiveram uma surpresa no último dia 20, quando o fotógrafo...

Homem chora ao encontrar curativo com o seu tom de pele: “Pertencimento”

Professor e pesquisador da Universidade de Stanford, Dominique Apollon compartilhou sua surpresa em uma rede social ao encontrar um curativo da cor de sua...

Instagram