Projeto ajuda transexuais e travestis a conquistar educação e respeito

Desde fevereiro, a Lapa abriga a Casa Nem, um projeto para auxiliar transexuais, travestis e homossexuais em situação de risco social através da educação.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

A maioria dos participantes chegou lá através do Prepara Nem, um curso preparatório para o Enem voltado para o público trans.

O local é uma casa de passagem, onde os participantes, que não precisam estar matriculados, ficam um período para reestruturar suas vidas.

O G1 passou dois dias lá para vivenciar a rotina e conhecer as histórias das 12 pessoas que atualmente residem na casa.

“A casa é autossustentável. Não trabalhamos com financiamento do governo. Trabalhamos com doações de alimentos, móveis e dinheiro”, explica Indianara Siqueira, uma das responsáveis projeto.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Cada membro possui as suas próprias tarefas domésticas, o que melhora a convivência entre todos. “Cada um tem a sua consciência de que tem que lavar o prato, lavar o copo, fazer a comida, lavar o banheiro. Cada um é um administrador da casa”, explicou Luciana Vasconcellos, uma das moradoras.

Com dois andares, a casa conta com um bar e realiza sessões de cinema e festas sobre a cultura LGBT. Trabalham também com voluntariado e cursos (corte e costura, fotografia ioga e de formação regular) que ajudam a pagar as contas e manter o local.

“Eu quero realmente fazer um trabalho para as pessoas trans. Eu vivi a vulnerabilidade, eu sei o que é preciso. Muitas vezes as pessoas não notam quais são as demandas mais urgentes, que acabam sendo negligenciadas”, explicou Luciana, umas das primeiras moradoras do projeto.

Luciana, que veio de Belo Horizonte, morava em um casarão na Rua do Lavradio, no centro do Rio de Janeiro, que pegou fogo. Sem ter para onde ir, foi para um abrigo da prefeitura. Através de um outro projeto social, conseguiu colocar seus documento em ordem e ficou sabendo do Prepara Nem. Então voltou a estudar. Cientes de sua situação, chegaram até a ajudá-la com o custo de alguns meses de aluguel, até ingressar na Casa Nem, onde hoje passa a maior parte de seu tempo.

“Em termos de ponto bom, eu pude sair da rua, da prostituição. Eu ainda trabalhava com isso e dependia daquele dinheiro. Tinha que estar ali todos os dias, com chuva, frio ou o que fosse. E a casa me deu a segurança que não ter que precisar dessa função, enquanto eu posso cuidar de outras coisas”, conta Naomi Savage, outra moradora.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Eu procurei por vários empregos, mas porta nenhuma foi aberta. De vários e-mails que mandei, apenas duas pessoas me ligaram, por curiosidade, por ter um nome masculino e um feminino no seu currículo”, revelou Naomi.

“Eu estou fazendo curso de técnica em modelagem no Sebrae, estou fazendo corte e costura aqui também. Vou fazer um curso de microempreendedorismo, porque a gente quer montar uma marca de roupas, uma confecção. A gente está correndo atrás”, conta a moradora Evelym Gutierrez.

“Isso está trazendo muitos benefícios para mim e quero que traga para elas também. Queremos ter uma renda para a menina poder ver que a gente pode ser puta, mas também pode ser costureira, modelista, cada uma é o que quiser”, explica Evelym.

Para conferir mais histórias e as histórias na íntegra, confira aqui a matéria completa do G1, vale muito a pena 😉

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,282,832SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Pais eternizam momentos vividos com filha recém-nascida diagnosticada com um tumor inoperável no cérebro

Os pais da pequena Abigail se prepararam com muito amor para receber a filhota. Antes de nascer, Abigail foi diagnosticada com Síndrome de Down....

Vovô do Samu: socorrista de 75 anos continua salvando vidas, mesmo com idade para se aposentar

Mesmo com idade para se aposentar, o seu João Francisco da Silva não pensa em largar o seu trabalho, pois ama o que faz: salvar vidas!

Pratos e talheres podem ser plantados para gerar novos alimentos

Imagina se todo mundo pudesse plantar pratos e talheres para que eles depois virassem novos alimentos? Essa possibilidade já existe e é ideia de...

Usando um cartaz, um pai diz não à guerra entre Irã e Israel

Criado por uma pai de família e cidadão de Israel, esse homem de 41 anos resolveu demonstrar seu amor para com seus companheiros do...

Estudante baiana cria tecnologia de filtragem de água para o semiárido nordestino

A partir do desenvolvimento de um sistema de filtragem que transforma água contaminada em própria para consumo, a estudante baiana Anna Luisa Santos, de 21 anos,...

Instagram

Projeto ajuda transexuais e travestis a conquistar educação e respeito 2