Professora cria projeto coletivo de caronas a pé e recria forma antiga de ir para aula

Quem passa por alguma escola em seu caminho, sabe o drama que pode ser a hora da entrada e da saída após a aula. Aquele caos de carros, filas duplas, buzinas, funcionários tentando agilizar tudo.

Pensando em como mudar essa dinâmica pós-aula, a professora Carolina Padilha, que trabalha no 1°ano do ensino fundamental do Colégio Equipe, criou o projeto Carona a Pé.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

A ideia é incentivar adultos e crianças a caminhar juntos no trajeto de casa até a escola, em um horário pré-estabelecido, seguindo uma rota determinada.

“Quando comecei a colocar a ideia no papel vi que do caminho da minha casa até a escola moravam 17 alunos. Eles poderiam ir comigo para a escola, afinal, estávamos indo todos para o mesmo lugar, no mesmo horário. Já conhecia a maioria das famílias, tenho um bom vínculo com as crianças, melhoraria o trânsito e proporcionaria uma experiência nova aos alunos: caminhar em grupo”, diz Carol ao Estadão.

Ao propor sua ideia, descobriu que muitas famílias já faziam o caminho andando.

“Caminhar pelo bairro já era uma prática de muitas famílias, principalmente na região onde a escola está localizada. O que eu fiz foi organizar e, aos poucos, ir mostrando para as pessoas que, quanto mais nos comunicamos, mais podemos aproveitar o tempo e estreitar os vínculos”, afirma.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

A professora espera também mostrar com isso que a educação não deve acontecer apenas em sala de aula, mas em todos os locais que elas se encontram.

“No início, meu filho, que está no 5° ano, estava achando muito chato, tudo era motivo de reclamação. Aos poucos vi a postura dele mudando. Sente-se responsável por ser o mais velho da rota, tem um compromisso com esse grupo, está mais pontual, percebeu que não há problemas em caminhar respeitando o ritmo mais lento dos alunos mais novos, chega no horário e sente-se orgulhoso quando conta que é do Carona a Pé”, diz Diana Csillag, mãe de aluno do Colégio.

Hoje, já são cinco rotas, três no período da tarde e duas de manhã, com mais de cinquenta crianças e 17 adultos participando.

“Meu desejo é que mais famílias se organizem e novas rotas surjam”, diz Carol. “Como é uma experiência nova, estamos dando um passo de cada vez e aprendendo muito com essa construção coletiva, que já revela pequenas transformações”, completa.

“Acho a iniciativa muito bacana. É possível ver uma entrada mais organizada, as crianças chegam animadas e pais que antes nem se falavam agora se conhecem, conversam e estão até mais sorridentes”, afirma Jailton de Jesus Souza, inspetor de alunos do Colégio Equipe.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“É muito mais que uma caminhada em grupo. A intenção é tornar essas crianças mais ativas como cidadãs, colocá-las juntas para olharem as belezas e os problemas do bairro e propor uma nova relação com a cidade onde vivem”, afirma Carol.

o pós aula fica mais divertido IMG-20150915-WA0005 IMG-20150915-WA0006 IMG-20151029-WA0011 IMG-20151104-WA0000 IMG-20151104-WA0001

Texto Original de Carolina Padilha – Prof.ª do 1° Ano do Ensino Fundamental I e Flávia Fontes – Mãe de aluno do Ensino Fundamental I

Imagens: Acervo do Carona a Pé

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Fonte: Estadão

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM




Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,843,411SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Nessa cafeteria na Índia, quase tudo é feito de papelão

Uma caixa de papelão pode ser usada para muitas outras finalidades além de carregar objetos ou fazer mudanças. Uma cafeteria na Índia decidiu empregá-las...

Médicos fazem vaquinha e arrecadam R$ 3,2 mil para manter aluguel de dona de lanchonete no CE

Um grupo de médicos residentes do Hospital Geral Dr. Waldemar Alcântara (HGWA), em Fortaleza (CE), arrecadou R$ 3,2 mil para pagar o aluguel de...

Gorilas-das-montanhas emergem da extinção em grande vitória da conservação

Uma década atrás, haviam apenas 680 gorilas-das-montanhas vivendo na selva. Hoje, há mais de 1.000 graças aos esforços de conservação de grupos de defesa dos...

Atriz negra interpretará Ariel em live-action de ‘A Pequena Sereia’

A Disney anunciou nesta quarta-feira (3) que a cantora de R&B Halle Bailey, de 19 anos, interpretará a princesa Ariel na versão live-action do clássico...

Estudantes criam lanchonete a céu aberto sem vendedor nem câmeras de segurança

O "Murinho da Honestidade" funciona na base da confiança.

Instagram