Projeto ‘Casa 1’ irá acolher pessoas LGBT que foram expulsas de suas casas

Muitas vezes, o preconceito contra os LGBTs começa em casa. Lugar onde essas pessoas esperam de suas famílias acolhimento e aceitação incondicionais.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Infelizmente, isso acontece com uma frequência menor do que gostaríamos. Na maioria dos casos, as famílias acabam fazendo o contrário: expulsam o filho LGBT de casa. Só em São Paulo, 10% da população de rua é composta por este grupo e a sua maioria afirma estar nessa situação por ter sido expulsa de casa.

Diante desses números preocupantes, o jornalista e ativista Iran Giust abriu as portas do seu próprio apartamento para acolher LGBTs que precisavam de acolhimento, em 2015. “Tem uns 10 anos que sou militante LGBT, e profissionalmente, independente de onde eu estivesse eu tentava levar as pautas e demandas do movimento. No começo do ano eu coloquei meu sofá no AirbnB e percebi que mesmo tendo pouco espaço receber pessoas não era um incomodo“, disse Iran em entrevista para o Hypeness.

14438974_1394430110585680_1966563869_o

Com o aumento da demanda, veio a necessidade de expandir o projeto fisicamente. Foi assim que surgiu a ideia de criar a Casa 1, um centro de acolhimento e cultura LGBT. “Como a procura foi super alta, acabei colocando na cabeça que precisava de uma casa para receber mais gente, e assim nasceu o projeto. A parte do centro cultural é primeiro para termos um espaço de socialização dos moradores e também de empoderamento, de orgulho da nossa comunidade“, explica Iran.

revolucao1

Para tranaformar o projeto em realidade, foi lançada uma campanha de financiamento coletivo no site Benfeitoria, onde você pode contribuir com diferentes valores e receber recompensas em troca. Assim, além de ganhar um prêmio, você ajuda jovens que precisam de um lar acolhedor, onde eles possam ser os as pessoas maravilhosas que são.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Atingindo a meta mínima nós teremos inicialmente espaço para 8 moradores. A ideia é que a casa funcione realmente como uma república então quem estiver lá vai dividir os quartos. O acolhimento vai ser feito durante a recepção dessas pessoas e ao passo que forem se estabelecendo entenderemos suas dinâmicas e buscaremos voluntários para auxiliá-las”, explica Iran.

Veja no vídeo abaixo como você pode ajudar:

casa1

Todas as imagens: Reprodução

Relacionados

Quer receber boas notícias todas as manhãs?

987,752FãsCurtir
1,764,126SeguidoresSeguir
8,645SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Jovem cria escola de lona para alunos carentes em Tocantins e internautas criam vaquinha

Com alguns tecidos, plásticos e madeiras que encontra no lixão, jovem construiu a sua escolinha de reforço. Mas quando chove, ele perde tudo.

Pitbull resgatado de “rinha” não para de sorrir no novo lar

Publicamos no final do ano passado o resgate de 33 pitbulls de uma “rinha” em Itu (SP). O estado dos cães era muito triste. Hoje,...

Menino vende desenhos no portão de casa para ajudar a família e comprar telas

Kayque coloca seus desenhos à venda no portão de casa por R$1,50 para conseguir dinheiro para as telas e para ajudar a família.

Cadeirante que faz entregas em SP sonha ter cadeira motorizada e internautas criam vaquinha

Conheçam o Luciano Oliveira, 44 anos, cadeirante que ficou conhecido por trabalhar como entregador de comida por aplicativo.

Ortobom doa 500 colchões para vítimas de chuva em Raposos (MG)

A Região Metropolitana de Belo Horizonte foi a mais afetada pelas fortes chuvas que caíram em Minas Gerais nas últimas semanas. Um exemplo é...

Instagram