Projeto Social muda realidade de comunidade carente onde fica presídio no Tocantins

Um programa que oferta aulas de violão e musicalização, além de acompanhamento terapêutico está sendo oferecido para a comunidade Barra da Grota, povoado vinculado ao distrito de Novo Horizonte, distante 8 km do centro de Araguaína, região norte do Tocantins.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

O local, onde fica localizado a Unidade de Tratamento Penal Barra da Grota (UTPBG), presídio de segurança máxima do Tocantins, possui uma comunidade carente. O projeto Redes de Afeto existe desde 2018 e é desenvolvido pela psicóloga Gezza Maria Ferreira da Silva, servidora da Secretaria de Estado da Cidadania e Justiça (Seciju).

Gezza conta que a iniciativa se deu a partir da percepção de carências presentes na comunidade, que levaram a psicóloga a se inspirar em um programa realizado com a população de Nova Olinda (TO), enquanto ainda era acadêmica, em 2012, quando foram ofertadas atividades artística, esportiva e cultural.

De acordo com a psicóloga, a ideia de desenvolver atividades de apoio no local ocorreu ao iniciar o trabalho na unidade Barra da Grota. “Quando iniciei meu trabalho, eu pude conhecer a realidade da comunidade, que é bastante carente, e percebendo essas necessidades eu elaborei um conjunto de ações a serem aplicadas”, contou.

Projeto Social muda realidade de comunidade carente onde fica presídio no Tocantins
O programa foi desenvolvido pela psicóloga Gezza Maria Ferreira da Silva, que atua como Analista em Defesa Social na Unidade de Tratamento Penal Barra da Grota (UTPBG). Foto: Seciju / Governo do Tocantins

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Para o diretor da UTPBG, Guilherme Martins, o programa auxilia na diminuição do preconceito com os reeducandos, pois aumenta a ligação entre a comunidade e o estabelecimento penal.

Leia também: Detentas grávidas e mãe com bebê ganham ensaio fotográfico em presídio da Paraíba

“Eu vejo o projeto como uma forma de desmistificação do que é o Sistema Penitenciário, que auxilia na criação de um círculo social com a comunidade e diminui os preconceitos com a pessoa presa. Assim, podemos ajudar ainda mais o egresso que sairá do Sistema possuindo uma comunidade local mais próxima, bem como um amparo maior à família do apenado”, ressaltou.

Redes de Afeto

O programa começou a ser a planejado ainda em 2017 e foi executado em 2018. Ele tem por objetivo promover o enaltecimento e o fortalecimento dos laços e vínculos comunitários, além de elevar a autoestima e a autonomia dos moradores locais. As atividades são de caráter preventivo e de promoção à saúde, bem como de cunho socioeducativo e cultural.

Projeto Social muda realidade de comunidade carente onde fica presídio no Tocantins
Foto: Seciju / Governo do Tocantins

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

A psicóloga Gezza Maria explica que o nome do programa faz referência ao intuito das atividades e a forma em que elas são realizadas. “O nome Redes de Afeto é porque entendemos que realizar esse trabalho só é possível por meio de apoio e parceria”, ressaltou. Gezza conta que o intuito é fortalecer parcerias em 2019. “Entre elas com o Poder Judiciário e com Centro Acadêmico de Psicologia da Faculdade Católica Dom Orione”, disse.

Entre os objetivos de ascensão do projeto estão a criação de uma biblioteca, o desenvolvimento e a oferta regular de atividades esportivas, bem como a articulação para obter um terreno para a construção da sede própria.

Compartilhe o post com seus amigos!

  • Siga o Razões no Instagram aqui.
  • Inscreva-se em nosso canal no Youtube aqui.
  • Curta o Razões no Facebook aqui.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,765,320SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Após filho de 3 anos danificar carro do vizinho, pais recebem a melhor resposta

Muitas vezes, geralmente sem querer, crianças estragam coisas. Quando é nosso, nós damos um jeito, mas e quando é de outra pessoa? Foi exatamente o...

Universidade Federal de Roraima (UFRR) tem o primeiro reitor indígena do Brasil

O novo reitor será importante para ampliar o acesso dos povos indígenas no ensino superior do país, na graduação e pós-graduação. “Queremos, com muito diálogo e com uma gestão compartilhada, trabalhar para ampliar o ensino superior para os povos indígenas”, afirma o reitor.

Técnico de enfermagem não se intimida e atravessa rio para vacinar idosa contra Covid-19 (PB)

De um a dois meses para o nível do rio baixar. O técnico de enfermagem João Bezerra da Silva, de 34 anos, não quis...

Com tratamento pago por vaquinha do Razões, jovem volta a falar após um ano do acidente: “Pedi tanto isso a Deus”, diz irmã

Olha só que notícia linda! Após quase um ano desde o acidente, Júnior, jovem bombeiro que sofreu um tiro acidental, falou pela primeira vez. "Pedi...

Menina de 5 anos ganha boneca deficiente visual e aprende sobre diversidade brincando

A menina Lívia ganhou uma boneca com as características da gaiteira Natalia Guastuci, que é deficiente visual e de quem é fã.

Instagram