Projeto registra o cotidiano de sobrevivente de AVC e prova que a vida não está no fim

Há 13 anos, Lúcia Kopschitz Xavier Bastos, ex-professora da Unicamp, passou por uma situação que mudou o rumo de sua vida.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Vítima de um AVCI (Acidente Vascular Cerebral Isquêmico), o acidente a deixou por cinco meses no hospital, parte deles em coma induzido na UTI. Lúcia só voltou para casa em meados de abril de 2002. Parte da rotina de Lúcia Bastos tem sido acompanhada por mim, Erik Nardini, que há cerca de um ano comecei a tomar notas sobre seu cotidiano. As imagens, porém, foram captadas em 2014, quando senti-me seguro para avançar no projeto, intitulado “AVC não é o fim”.

O trabalho completo pode ser visto no site clicando aqui. A senhora de 57 anos tem sequelas. Não tem movimentos do pescoço para baixo e não fala, mas contornou a situação com força de vontade e apoio de familiares e amigos. É por meio de um alfabeto dividido em quatro linhas que Lúcia se comunica literalmente num piscar de olhos: a cada letra correta pronunciada pelo interlocutor, ela pisca os olhos indicando que está certo, ou move os olhos para cima em caso negativo. A série fotográfica é apoiada pela World Stroke Organization e pela Rede Brasil AVC. O ensaio está sendo divulgado como parte da campanha do Dia Mundial de Combate ao AVC, celebrado em 29 de outubro. O projeto AVC não é o fim é um relato intimista da rotina de uma sobrevivente do AVC. Ainda que as dificuldades sejam grandes, Lúcia demonstra força e vontade de viver, como indicam os sorrisos nas fotos.

Lúcia Kopschitz Bastos © Erik Nardini

Lúcia Kopschitz Bastos © Erik Nardini

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Lúcia Kopschitz Bastos © Erik Nardini

Lúcia Kopschitz Bastos © Erik Nardini

Lúcia Kopschitz Bastos © Erik Nardini

Lúcia Kopschitz Bastos © Erik Nardini

Lúcia Kopschitz Bastos © Erik Nardini

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Lúcia Kopschitz Bastos © Erik Nardini

Lúcia Kopschitz Bastos © Erik Nardini

Lúcia Kopschitz Bastos © Erik Nardini

Lúcia Kopschitz Bastos © Erik Nardini

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Lúcia Kopschitz Bastos © Erik Nardini


Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM





Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
4,268,037SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Starbucks inaugura primeira loja com atendimento em língua de sinais no Japão

É sempre bom enaltecer as empresas que estão engajadas na representatividade e inclusão de todas as pessoas. Dessa vez, foi a Starbucks que nos encheu...

Menino com Down aprende Libras para falar com surdos no Instagram

Um menino com síndrome de Down resolveu aprender Libras (Língua Brasileira de Sinais) para poder se comunicar com as pessoas surdas que seguem seu...

Como a tecnologia está ajudando professores a se reconectarem com os alunos

Frequentemente pensamos sobre o impacto da tecnologia na educação e de que forma o professor pode utilizá-la em sala de aula. Porém, muito pouco...

Casal desaba em lágrimas com pedido de casamento em livraria

Esse casal, Ryan e Clayton, se conheceram em um café em Portland, Oregon (EUA) e semana passada Ryan reuniu a família e todos os amigos mais...

Instagram