Projeto estimula mulheres de diferentes gerações a repensarem seus papéis na sociedade através de jogos interativos

A empresa social Carlotas, tem como missão conectar pessoas, promovendo o respeito, a aceitação da diversidade, o trabalho em time e o exercício contínuo da empatia, por meio da arte e da ludicidade. Ela foi idealizada e fundada em 2012 por Carla Douglass, artista plástica brasileira que vive há 11 anos em Nova Iorque.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

A empresa desenvolve workshops e palestras para empresas sobre estes temas. O  diferencial é que, para cada dinâmica ou workshop realizado no meio corporativo, é firmado o compromisso de se desenvolver uma atividade pedagógica para crianças ou jovens em situação de vulnerabilidade.

É o “Programa ExploreCarlotas”, cuja missão é expandir este debate transformador para escolas públicas, ONGs e abrigos.

Além disso, ele também geram conteúdos para o portal da empresa e mídias sociais, sempre buscando uma escala maior de reflexão.

Agora, eles apresentam o projeto “As Empatilhaças!”, que desenvolvemos em conjunto com a Actveda e o Teatro do Sopro. Trata-se de um ciclo de jogos colaborativos, que visa estimular o protagonismo e o espírito de liderança em mulheres de diferentes gerações.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Com proposta transformadora, os jogos estimularão mulheres de diferentes gerações a repensarem seus papéis na sociedade e nas próprias vidas.

Serão vivências divertidas, interativas e ao mesmo tempo transformadoras, que reunirão mulheres de diferentes gerações. Nesta fase de testes, por exemplo, jogarão 2 turmas, sendo que metade de cada uma delas será formada por mulheres com mais de 50 anos e o restante por alunas na faixa etária entre 7 e 8 anos, todas da escola paulistana Henrique Dumont Villares, onde acontecerão os 6 encontros semanais previstos.

Nas dinâmicas, os mediadores utilizarão variado repertório de recursos, como conceitos de arte, princípios dos diálogos saudáveis e até mesmo elementos lúdicos da figura do palhaço. Tudo pensado para que cada uma possa se inspirar e, principalmente, questionar seu próprio papel como líder. O objetivo central é que, ao reconhecerem-se como protagonistas, as meninas possam se descobrir e as mulheres simplesmente se reinventar.

O ciclo As Empatilhaças! foi criado coletivamente por 3 organizações: Carlotas e Actveda, de São Paulo, e o Teatro do Sopro, do Rio de Janeiro. Todas têm em comum o uso de exercícios sobre empatia em suas metodologias, sempre visando à busca de relações mais humanas. A iniciativa também terá o apoio do Movimento Lab60+, que cuidará da estratégia de difusão.

Esta afinidade entre os idealizadores, associada aos propósitos transformadores do projeto, contribuiu para que ele fosse escolhido para receber financiamentos, tanto da BrazilFoundation, quanto de uma parceria entre a Disney e a rede Ashoka de empreendedores sociais.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Para maiores detalhes, acesse www.teatrodosopro.com/empatilhacas

Para mais informações, escreva para [email protected]

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,458,764SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Pai filma um segundo por dia do filho desde o nascimento até ao primeiro aniversário

Sam Christopher Cornwell, pai babão do pequeno Indigo, teve uma ideia simples, mas genial. Ele filmou um segundo de cada dia do filho, desde...

Como a Holanda se tornou o primeiro país do mundo sem cães abandonados

Cães são como anjos, pedacinhos de céu na Terra, mas nem sempre os seres humanos os tratam com o respeito e cuidado que merecem. Mas...

Ela ganhou uma festa surpresa dos pais após contar que era homossexual

No lugar de repreender a filha ou mesmo expulsá-la de casa, como acontece com muitos filhos que revelam para os pais sua homossexualidade, os...

Jornalista socorre idoso e ainda o ajuda a reencontrar família após 16 anos

Por Rio de Boas Notícias Uma história real que começou a ser narrada de forma bem triste no Twitter, por Paula Schmitt, viralizou nas redes...

Instagram