Projeto evita mais de 4 mil casos de infecções em UTIs de hospitais

A redução dos índices dos três principais tipos de Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde (IRAS) em UTIs de 116 hospitais públicos e filantrópicos em todo o Brasil evitou o surgimento de 4.100 episódios de infecções, e 1.400 vidas salvas entre os meses de janeiro de 2018 a outubro de 2019.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Os números resultaram em uma economia de R$ 160 milhões ao Sistema Único de Saúde (SUS). Esses são alguns dos resultados do projeto “Saúde em Nossas Mãos – Melhorando a Segurança do Paciente em Larga Escala no Brasil”, executado pelos hospitais participantes do PROADI-SUS em parceria com o Ministério da Saúde.

O ambiente das Unidades de Tratamento Intensivo (UTIs) é considerado de risco por conta da natureza dos dispositivos invasivos utilizados para manutenção da vida, o que pode aumentar a chance do desenvolvimento de infecções.

projeto saúde em nossas mãos infecções uti hospitais

Combate às infecções nas UTIs

A iniciativa visa garantir a segurança do paciente e a qualidade no cuidado por meio de uma mudança de cultura nas instituições de saúde em todo o Brasil, estimulando os hospitais a encontrar soluções com seus próprios recursos.

Até outubro de 2019, o projeto alcançou uma expressiva redução nos três principais tipos de Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde (IRAS): Infecção Primária da Corrente Sanguínea Associada a Cateter Venoso Central (IPCSL), com diminuição de 46%; Pneumonia Associada à Ventilação Mecânica (PAV), com queda de 51%, e Infecção do Trato Urinário Associada a Cateter Vesical (ITU-AC), com redução de 62%.

O projeto é colaborativo e executado pelos cinco hospitais integrantes do Programa de Apoio ao Desenvolvimento Institucional do Sistema Único de Saúde (PROADI-SUS), Hospital Alemão Oswaldo Cruz, HCor, Hospital Israelita Albert Einstein, Hospital Moinhos de Vento e Hospital Sírio-Libanês.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

A iniciativa conta ainda com participação da equipe técnica da Coordenação do Programa Nacional de Segurança do Paciente do Ministério da Saúde e com o apoio técnico do Institute for Healthcare Improvement (IHI), organização não-governamental e sem fins lucrativos com larga experiência em projetos colaborativos em diversos países da Europa e África.

projeto saúde em nossas mãos infecções uti hospitais

Troca contínua em busca da segurança do paciente

Periodicamente, acontecem edições das Sessões de Aprendizagem Presenciais (SAP), uma oportunidade para os 116 hospitais públicos e filantrópicos beneficiados têm para trocar experiências e conhecer melhores práticas na construção coletiva de um plano de ação para o alcance das metas do projeto.

Os profissionais podem compartilhar dificuldades, soluções e trabalhar de maneira colaborativa para encontrar saídas visando potencializar os indicadores, como explica a gerente de enfermagem do PROCAPE – Pronto Socorro Cardiológico de Pernambuco, Juliana Chaves.

Leia tambémApós perder a filha, pai cria robô que detecta infecção hospitalar

“A troca de experiências é muito produtiva para encontrar soluções simples, mas muito efetivas. Também vemos resultados dos hospitais do Brasil todo, proporcionando uma visão geral do que está acontecendo” explica a profissional, que participou da 6ª edição promovida pelo projeto, realizada entre os dias 26 e 27 de novembro, em São Paulo (SP).

O envolvimento na SAP, que vai além dos profissionais da saúde, também é uma das formas de garantir que os objetivos sejam alcançados, destaca a gerente de enfermagem da Liga Contra o Câncer de Natal (RN), Telma Araújo.

“Nós conseguimos trazer toda a equipe para a iniciativa. Estamos percebendo um fluxo totalmente integrado, em que todos dão sugestões, contribuindo para mudar a relação dos pacientes com os que estão ao seu redor na UTI” destaca. “Com essa integração, o paciente passou a alertar os que o visitam que é necessário lavar as mãos antes de tocá-lo. Ele começou a se empoderar, sem medo, contribuindo para a própria prevenção de infecções” ressalta Telma.

Garantir a sustentabilidade do projeto é prioridade

O fortalecimento do projeto e a ampliação da metodologia para mais hospitais do SUS é uma prioridade para os próximos anos. Até o final de 2020, a meta é alcançar a redução de 50% dos três principais tipos de IRAS e disseminar a iniciativa a partir de 2021 para mais hospitais em todo o Brasil.

O Diretor Sênior do Institute for Healthcare Improvement (IHI) para a América Latina, Paulo Borem, destaca os benefícios do projeto para os hospitais do SUS.

“Usar o método do Modelo de Melhoria não implica necessariamente em investir em infraestrutura ou novas tecnologias, mas sim em promover uma mudança na forma de trabalhar e dos processos. Considero que o maior ganho aqui é um novo jeito de fazer. E tem um efeito colateral do bem, que é quando os profissionais transformam sua maneira de trabalhar e recuperam o propósito da profissão” ressalta Paulo.

A líder do projeto no Hospital de Clínicas de Minas Gerais, Tatiane Miranda, também destaca a importância de priorizar a continuidade da iniciativa.

Leia também: Cientistas descobrem espécie de micróbio que vive na grama que pode ser a mais nova arma contra infecções resistentes

“Levo o desafio de que essas ideias de mudança sejam implementadas e consolidadas para além desse projeto. Nossa meta é que essas ações sejam incluídas na prática diária do profissional de saúde” defende. “O Saúde em Nossas Mãos mudou a forma como tratamos as infecções. Não vemos mais como um evento adverso natural, mas sim uma complicação evitável e que se tomarmos as medidas certas possui ganhos imensuráveis”, destaca a profissional.

O projeto “Saúde em Nossas Mãos – Melhorando a Segurança do Paciente em Larga Escala no Brasil” está sendo executado no triênio 2018-2020 pelos cinco hospitais integrantes do PROADI-SUS, com recursos dos próprios hospitais, em contrapartida à imunidade fiscal, que afasta o recolhimento das contribuições sociais.

Sobre o PROADI-SUS

O PROADI-SUS (Programa de Apoio ao Desenvolvimento Institucional do Sistema Único de Saúde) foi criado em 2009 com o propósito de apoiar e aprimorar o SUS (Sistema Único de Saúde) por meio de projetos de capacitação de recursos humanos, pesquisa, avaliação e incorporação de tecnologias, gestão e assistência especializada demandados pelo Ministério da Saúde.

Hoje, o programa reúne cinco hospitais sem fins lucrativos que são referência em qualidade médico-assistencial e gestão: Hospital Alemão Oswaldo Cruz, HCor, Hospital Israelita Albert Einstein, Hospital Moinhos de Vento e Hospital Sírio-Libanês. O PROADI-SUS é mantido com recursos de imunidade fiscal dos hospitais participantes.

Os projetos levam à população a expertise dos hospitais em iniciativas que atendem necessidades do SUS. Entre os principais benefícios do PROADI-SUS, destacam-se: redução de filas de espera; qualificação de profissionais; pesquisas do interesse da saúde pública para necessidades atuais da população brasileira; gestão do cuidado apoiada por inteligência artificial e melhoria da gestão de hospitais públicos e filantrópicos em todo o Brasil.

Para mais informações sobre o Programa e projetos vigentes no atual triênio, clique aqui.

Compartilhe o post com seus amigos!

  • Siga o Razões no Instagram aqui.
  • Inscreva-se em nosso canal no Youtube aqui.
  • Curta o Razões no Facebook aqui.
  • Envie sua história aqui.

Fotos: Divulgação

Relacionados

Quer receber boas notícias todas as manhãs?

985,324FãsCurtir
1,735,582SeguidoresSeguir
8,546SeguidoresSeguir
11,100InscritosInscrever

+ Lidas

Bióloga que salvou Arara Azul da extinção vira personagem da Turma da Mônica

Na última terça-feira (11), foi celebrado o Dia Internacional das Meninas e Mulheres na Ciência. Para comemorar a data, a Mauricio de Sousa Produções...

Juiz vai até a casa de idosa para lhe conceder aposentadoria

Um  caso incomum aconteceu há alguns meses, onde um juiz foi até a casa de uma senhora de 100 anos para conceder aposentadoria a ela. O...

Ortobom doa 500 colchões para vítimas de chuva em Raposos (MG)

A Região Metropolitana de Belo Horizonte foi a mais afetada pelas fortes chuvas que caíram em Minas Gerais nas últimas semanas. Um exemplo é...

USP retira coágulo de artéria no cérebro e devolve movimentos a vítimas de AVC

Cientistas adjuntos da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo em Ribeirão Preto desenvolveram uma técnica eficaz na redução de quase a totalidade...

Neto faz “antes e depois” e homenageia avó em seu aniversário de 99 anos

A homenagem de um neto para sua avó no dia do seu aniversário de 99 anos comoveu as redes sociais nesta quinta-feira (13). Iury Neto,...

Instagram