Projeto questiona machismo, homofobia e sexismo com lambes coloridos

Pare de ignorar o machismo, a homofobia e o sexismo. Esse é o chamado de um projeto de lambes criado por duas jovens de Aracaju, o #PareDePassarPano, independente e sem fins lucrativos.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Todos os dias, as mulheres e a população LGBTQ lidam com comentários, olhares, intimidações e situações de abuso nas ruas e nas redes sociais. Os dados comprovam isso: em 2016, uma pesquisa da ActionAid revelou que 86% das mulheres brasileiras já sofreram assédio em público; o Brasil é o país que mais mata travestis e transexuais no mundo, com 127 casos somente em 2016.

Leia também: Como este pai combate o machismo e outras formas de opressão na criação do filho

Foi a partir disso que as estudantes de publicidade Thaissa Tupinambá e Beatriz Sotero decidiram imprimir lambes por conta própria e sair às ruas para questionar situações que estão enraizadas na sociedade e que precisam acabar.

projeto lambes questiona machismo, homofobia, sexismo

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Através de uma série de lambes coloridos e o perfil no Instagram @PareDePassarPano, elas querem que as pessoas reflitam sobre o jeito que se expressam e passem a agir de forma diferente.

“Nem todo mundo tem coragem de corrigir um amigo ou amiga em uma conversa de bar ou em um bate-papo, então o projeto serve como gatilho que estimula e abre portas para a reflexão e o diálogo de forma leve e inesperada”, explica Thaissa.

projeto lambes questiona machismo, homofobia, sexismo

Leia também: Campanha publicitária da Gillette questiona machismo e masculinidade tóxica

Aos sábados e domingos, Thaissa e Beatriz selecionam lugares e dão início ao processo de colagem dos lambes na capital sergipana. Portões de casas, muros abandonados e paredes em bares da cidade servem de plano de fundo para a ação que começou em fevereiro deste ano e não tem data para acabar.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Os lambes são uma maneira de tornar claro o que não pode ser visto mais como natural. Tomar a atitude de fingir que não ouviu ou ‘deixar quieto’ ajuda a naturalizar comportamentos que atingem a vida de mulheres e da comunidade LGBTQ”, afirma Beatriz.

Veja mais lambes colados pela dupla:

projeto lambes questiona machismo, homofobia, sexismo

projeto lambes questiona machismo, homofobia, sexismo

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

projeto lambes questiona machismo, homofobia, sexismo

projeto lambes questiona machismo, homofobia, sexismo

projeto lambes questiona machismo, homofobia, sexismo

Compartilhe o post com seus amigos!

  • Siga o Razões no Instagram aqui.
  • Inscreva-se em nosso canal no Youtube aqui.
  • Curta o Razões no Facebook aqui.

crédito das fotos: Reprodução/Pare De Passar Pano

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,786,495SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Casal adota 6 irmãos que passaram 5 anos em orfanato

O casal Steve e Rob Anderson-McLean, da Pensilvânia, EUA, adotou seis irmãos que passaram 1.640 dias em um orfanato. Steve e Rob estão juntos há 18...

Brasileira voluntária da 2ª Guerra Mundial é hoje voluntária na luta contra o Coronavírus

A dona Blandina era adolescente quando confeccionou luvas para os soldados brasileiros da FEB (Força Expedicionária Brasileira) que lutaram na 2ª Guerra Mundial. Lá se...

Para ajudar pequenos empreendedores, empresa pausa as vendas e transforma site em plataforma de cursos gratuitos

Nesse momento em que pequenos negócios e empreendedores sofrem com as consequências da paralisação econômica por conta do coronavírus, desde a semana passada, uma...

A todos aqueles que julgam minha filha de 5 anos por andar no carrinho de bebê

Esta carta aberta é para todos vocês que tem olhado e julgado minha filha nos últimos dias.

Menina distribui rosas para todas as clientes mulheres de uma lanchonete e viraliza

Alguns dias atrás, a irmã da Joyce, uma engenheira de produção de 24 anos, fez um inusitado pedido para ela: comprar um buquê de...

Instagram