Projeto Rapunzel Solidária, mobiliza-se para levantar a auto-estima de mulheres que lutam contra o câncer.

Para muitas mulheres, os cabelos representam uma marca registrada, símbolo de feminilidade e beleza.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Agora imagine, perde-los do dia para a noite. Pois é isso que acontece com milhares de pacientes que enfrentam o câncer de mama, não só no Brasil, mas em todo mundo.

O Projeto Rapunzel Solidária colocou-se no lugar destas mulheres e teve como objetivo arrecadar cabelos para serem doados às portadoras de câncer.

O Rapunzel Solidária nasceu despretensiosamente, quando Beth, como é conhecida, comentou com uma amiga, a psicóloga Ana Cecília Simões, que deixaria o cabelo crescer e doaria às pacientes do Graac (Grupo de Apoio ao Adolescente e à Criança com Câncer). A colega gostou da ideia. “Ela me disse, ‘vou cortar o cabelo hoje, então trago para você amanhã”. E foi aí que ela percebeu que poderia ajudar mais gente, e ao realizar um novo corte, ao invés de dispensarem os fios, as meninas do projeto os guardam e doam para as pacientes de tratamento quimioterápico.

Elas já receberam inúmeras doações, dentre elas, de crianças. 4rapunzel-solidariaaninha6rapunzel-solidariabruninha

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Como nasceu o projeto.

Na família de Beth, a doença já não era novidade. A irmã teve câncer de mama metastático com 38 anos, logo após o nascimento do filho, e até hoje passa por tratamentos que vão de medicamentos orais à quimioterapia”.

Em 2012, Beth teve a primeira má notícia e passou por cirurgia para retirada do primeiro tumor.

Em 2013, ela foi diagnosticada novamente com tumor nas duas mamas. As duas foram retiradas e até hoje ela toma medicações para prevenir a volta da doença, no entanto, desde então sente vontade de agradecer por sua superação. E foi assim que abraçou a causa.

Elizabeth Lomaski, na primeira doação de cabelo ao Graac (Grupo de Apoio ao Adolescente e à Criança com Câncer)3rapunzel-solidariabethgraacfacebookdiv

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Próximos passos 
Com a divulgação no Facebook, a rede de solidariedade vem crescendo e agora o objetivo é conseguir novos parceiros. Beth busca empresas que atuem no ramo de perucas para criar novas peças com os cabelos doados; ou que estejam interessadas apenas em comprar o cabelo para futura comercialização – gerando assim renda para ser revertida à Graac.

A administradora afirma que um dos seus objetivos é ajudar quem não tem recursos para comprar a própria peruca, que, segundo ela, custa de R$ 4 a 5 mil. “A peruca ajudaria a melhorar a autoestima destas mulheres. Quando elas se sentem bem e bonitas, o corpo reage positivamente”, completa.1rapunzel-solidaria

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,758,975SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Um sem-teto que ganha a vida vendendo livros usados e se recusa a pedir esmola

Mostramos recentemente aqui no RPA a história do ex-catador de lixo que tornou-se médico com a ajuda de livros encontrados nas lixeiras que, relembre...

Professor cuida dos filhos de sua aluna para que ela não perdesse o exame final

Monica Romero, de 28 anos, precisava de um "milagre" para concluir seu exame final. A babá tinha cancelado de última hora, e a mãe solteira teve...

Cuidadora de creche de cães convida doguinho para tirar foto e ele abre um sorrisão!

Imagine a seguinte situação: você é um(a) cuidador(a) de uma creche de cachorros – um sonho, né? – e convida um cãozinho para tirar...

Após demissão sem aviso prévio, médico atende pacientes na calçada

Uma demissão nunca é um momento fácil para ninguém. Mas ser demitido sem aviso prévio pode ser ainda mais complicado e foi assim com...

Aldeia de Paraty inaugura 1ª biblioteca indígena do RJ: ‘crianças estão adorando’

Nas estantes, um acervo rico e diverso de literatura da cultura indígena está disponível para aproximadamente 40 famílias e 200 integrantes da aldeia.

Instagram