Projeto voluntário permite que universitárias deixem filhos com cuidadores durante aulas em universidade

É um grande desafio ser uma mãe universitária e equilibrar a devida atenção ao filho, os estudos e a presença em sala de aula na universidade.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

LEIA TAMBÉM: Por que cuidar da saúde deve estar no topo da sua lista de resoluções para 2019?

Milhares de universitárias que engravidam sofrem dificuldades por, muitas vezes, não terem com quem deixar suas crianças enquanto estão em aulas, atrasando o progresso do curso e até adiando a formação.

De modo a ajudar essas mulheres, um grupo de alunos do curso de Enfermagem da UFAL – Universidade Federal de Alagoas, criaram um projeto chamado Rede Mãos Dadas de Apoio às Mães Universitárias (REMAD), no qual estudantes voluntários se oferecem para cuidar dos filhos de universitárias enquanto elas estão estudando.

 [Nota da Redação do Razões] (Matéria continua depois do vídeo abaixo)

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Crianças trocam brinquedos por pedido de trabalho para seus pais em cartinhas ao Papai Noel, assista:

A iniciativa surgiu a partir da história de uma aluna que, como tantas outras, não tinha onde deixar seu filho para frequentar as aulas; ela acabou desistindo do curso.

Leia tambémEmpresa envia executivos para trabalhos voluntários no mundo inteiro

Decididos a fazer algo a respeito, os alunos de Enfermagem submeteram o projeto à Pró-Reitoria de Extensão, sendo aprovado em seguida.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Projeto voluntário permite que universitárias deixem filhos com cuidadores durante aulas em universidade
Quando não há salas à disposição, projeto funciona no hall do bloco de enfermagem da Ufal, em Maceió — Foto: Divulgação/Remad

Elisabeth Maia, de 25 anos, é estudante de Nutrição e mãe do pequeno Miguel, que tem pouco mais de um ano de vida. Ela relata que encontrou o projeto e viu nele a oportunidade de poder continuar seus estudos mantendo seu filho num lugar seguro e, sobretudo, próximo à ela, na própria universidade.

Projeto voluntário permite que universitárias deixem filhos com cuidadores durante aulas em universidade
Berço, banheira e brinquedos adquiridos através de doações para o Remad — Foto: Magda Ataíde/G1

“Conheci o projeto pela internet, vi que ele estava relacionado à ajuda das mães universitárias e isso me interessou muito, pois a minha família não tinha mais condições de ficar com meu filho, pois minha mãe estava com problemas de saúde. Pra mim foi muito proveitoso porque eu não tinha com quem deixar, e fiquei feliz sabendo que o projeto me ajudaria de alguma forma”, disse a estudante.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Projeto voluntário permite que universitárias deixem filhos com cuidadores durante aulas em universidade
Monitores voluntários do projeto Remad e Miguel — Foto: Magda Ataíde/G1

Para Elizabeth, o projeto REMAD foi vital para ela poder continuar os seus estudos, já que as aulas são em tempo integral. Sem a iniciativa, ela não teria onde deixar Miguel, já que não conseguiu vaga no Núcleo de Desenvolvimento Infantil (NTI) da UFAL, uma vez que a repartição só aceitam crianças de dois anos ou mais.

“Eu passo o dia todo aqui, chego ás 8h e vou embora ás 17h, no horário que eu não estou em aula estou estudando na biblioteca, já que em casa não posso estudar mais. Depois do projeto até o vínculo com o Miguel melhorou”, disse Elizabeth.

Leia tambémVoluntárias transformam guarda-chuvas velhos em sacos de dormir para moradores de rua

Para tirar a ideia do papel, os estudantes levaram cerca de seis meses para cumprir todos os pré-requisitos da academia. Foram realizados minicursos, arrecadação de brinquedos e rifas para captar recursos.

Projeto voluntário permite que universitárias deixem filhos com cuidadores durante aulas em universidade
Brinquedos doados divertem as crianças enquanto mães estudam em universidade — Foto: Divulgação/Remad

Após um longo processo, o Remad foi finalmente aberto, em outubro deste ano. A iniciativa, considerada inovadora e bastante nobre, rapidamente repercutiu pelo ambiente da universidade e ganhou visibilidade UFAL afora. Em questão de dias, dezenas de mães manifestaram interesse em obter vagas.

“Desde o início acreditamos no projeto, tanto é que começamos sem sala. Nos precisamos de espaço, precisamos de uma sala pra ser referência como sala de extensão, a universidade permitiu que nós utilizássemos uma sala não fixa e outros poucos materiais que foi adquirido pelo grupo, ainda falta muito pra que esse projeto continue” afirmou Anne Laura, professora de saúde da criança e orientadora do projeto.

Se você quiser ajudar o projeto Rede Mãos Dadas de Apoio às Mães Universitárias, pode entrar em contato com sua coordenação pelo Instagram – @projmaosdadas

Compartilhe o post com seus amigos!

  • Siga o Razões no Instagram aqui.
  • Inscreva-se em nosso canal no Youtube aqui.
  • Curta o Razões no Facebook aqui.

Fonte: G1

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,094,370FãsCurtir
2,689,302SeguidoresSeguir
22,441SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Australiana com Down vai desfilar na Semana de Moda de NY e SP

Madeline Stuart é australiana, tem síndrome de Down e, como muitas meninas da sua idade, tem o sonho de ser modelo. Ela e a mãe, Rosanne Stuart,...

Jovem cria delivery de saladas feitas por moradores de favela

Aos 26 anos, o engenheiro carioca Hamilton Henrique queria levar acesso a uma alimentação mais saudável a um preço justo depois de descobrir, apenas quando adulto,...

Segurança de supermercado usa o próprio guarda-chuva para proteger cão e viraliza

O segurança de um supermercado na Escócia é forte concorrente ao posto de melhor amigo dos cães ao preferir ficar na chuva para proteger...

Ensaio fotográfico mostra que crianças nascidas do estupro são belas e merecem respeito

A fotógrafa Patricia Willocq criou a série fictícia “Look at me I am beautiful” (“Me olhe, eu sou bonita”, em tradução livre), a forma que ela encontrou para...

Mulher pede ajuda para reformar a casa, que pode desabar com a chuva, e ganha vaquinha de internautas

A dona Gertrudes é daquelas super mãezonas que enchem a gente de orgulho. Ela cuida sozinha do filho Michel, que tem Síndrome de Down...

Instagram

Projeto voluntário permite que universitárias deixem filhos com cuidadores durante aulas em universidade 1